top of page
  • by Brunelson

Mick Jagger: a música do Led Zeppelin que o deixou “assustado”


Desde a 1ª vez que Mick Jagger ouviu o LED ZEPPELIN, sua magnificência o fascinou e ele frequentemente podia ser visto no meio da multidão em seus primeiros shows.

Jagger já conhecia o guitarrista do LED ZEPPELIN, Jimmy Page, antes da formação da banda, por causa do seu trabalho como músico de sessão de estúdio - inclusive para o próprio ROLLING STONES em certo momento - onde o relacionamento deles continuou a se desenvolver à medida que ambos prosperavam nas maiores bandas do planeta.

Em 2020, Jagger apareceu na rádio britânica da BBC e referiu-se a Page como “um dos melhores guitarristas de sessão de estúdio da época”.

Ele continuou: “E foi assim que conheci Jimmy Page e foi assim que conheci John Paul Jones também, porque ele era baixista de sessão de estúdio. E então, eu conhecia eles desde essa época e quase 10 anos depois, eles formariam essa banda de muito sucesso chamada LED ZEPPELIN”.

Jagger se lembrou de ter assistido aos primeiros shows do LED ZEPPELIN, descrevendo-os como uma “grande e estrondosa algazarra”. Alguns anos depois, os 02 grupos se sobrepuseram brevemente no mesmo estúdio, o Musicland Studios em Munique, Alemanha, enquanto o LED ZEPPELIN gravava o álbum "Presence" (7º disco, 1976) e o ROLLING STONES gravava o álbum "Black and Blue" (13º disco, 1976).

LED ZEPPELIN deveria ter terminado as gravações antes do ROLLING STONES terem chegado na Alemanha, mas Page precisou ficar mais tempo do que inicialmente previsto para amarrar algumas pontas soltas, o que permitiu Jagger a escutar uma nova música do LED ZEPPELIN, fornecendo o seu feedback sobre ela.

Falando sobre o álbum "Presence" ao site MSN, Page disse: “Foi aquele disco que demorou 03 semanas para gravar e fazer os overdubs. Fizemos isso no Musicland Studios, em Munique, e depois de nós vieram o ROLLING STONES. Telefonei para eles e perguntei se poderia conseguir mais alguns dias no estúdio e eles disseram 'ok'. As músicas já estavam prontas e os vocais de Robert Plant já tinham sido gravados, mas eu faria o que normalmente fazia e ainda faço no final de tudo: os overdubs e a produção”.

Page continuou: “Éramos eu e o engenheiro de som, Keith Harwood. Quem acordasse primeiro acordava o outro e íamos direto para o estúdio e fazíamos os overdubs da guitarra... Fizemos o mesmo com a mixagem”.

Foi quando Page se lembrou de mostrar a gravação da música "Nobody’s Fault But Mine" para Mick Jagger: “Jagger estava hospedado no mesmo hotel que o nosso e fui vê-lo para agradecer por nos deixar usar o estúdio em seu tempo livre. Ele me perguntou: ‘O que vocês fizeram no estúdio?’ E eu respondi: ‘Gravamos um álbum completo, você quer ouvir um pouco?’ Eu coloquei a gravação da canção ‘Nobody’s Fault But Mine’ para ele ouvir e me lembro dele ter ficado bastante 'assustado' com a música, porque ele já a conhecia de alguns shows nosso, mas ouvindo a forma como ficou gravada ele tinha ficado realmente surpreso”.

O processo de gravação do disco "Presence" foi um momento complicado para o LED ZEPPELIN, sendo que a maioria das bandas não estariam em estúdio se estivessem passando pelo mesmo nível de adversidade que eles estavam passando na época.


Apesar de estar em uma cadeira de rodas devido a um acidente de carro sofrido junto com a sua esposa, o vocalista Robert Plant ainda gravaria um álbum clássico e a canção "Nobody’s Fault But Mine" representa um dos pontos altos desse disco.


"Nobody’s Fault But Mine"



































Commenti


Mais Recentes
Destaques
bottom of page