top of page
  • by Brunelson

Roger Waters: nomeando o seu período preferido quando estava no Pink Floyd


A história do PINK FLOYD é uma das mais complicadas na história do rock.

Começando como pioneiros do gênero psicodélico liderado pelo vocalista/guitarrista, Syd Barrett, eles lentamente saíram desse período e começaram a refinar o seu som.


Depois que Barrett foi dispensado do grupo em 1968, a formação da banda na época composta por Roger Waters (vocalista/baixista), David Gilmour (vocalista/guitarrista), Richard Wright (tecladista) e Nick Mason (baterista), iniciou uma viagem para fora da área sonora mais explícita dos seus primeiros anos de carreira, em uma metamorfose que os levariam a criar alguns dos álbuns mais complexos de todos os tempos - e consequentemente se tornando em obras-primas.

Após a saída de Barrett, o novo visual do PINK FLOYD se afastou da psicodelia extravagante dos seus 02 primeiros álbuns de estúdio, "The Piper at The Gates of Dawn" (1967) e "A Saucerful of Secrets" (1968), e entrou em uma área que há muito é caracterizada como rock progressivo.

Porém, como a banda é rotulada é essencialmente redundante, já que a sua música é tão distinta como nada mais.

No auge, eles eclipsaram de longe o que qualquer outra pessoa no gênero progressivo estava fazendo, compondo álbuns que fundiam abordagens incisivas sobre a natureza inerentemente distorcida da vida com um gênio coletivo musical inquestionável que empurrou o rock até os seus limites - para não mencionar o declínio da saúde mental de Syd Barrett.

Claro, o auge da carreira do PINK FLOYD deve ser com o álbum "The Dark Side of The Moon" (8º disco, 1973), talvez o melhor álbum conceitual já criado, apresentando músicas clássicas como "Us and Them", "Money" e "Time". Concentrando-se na pressão que a banda enfrentou em seu estilo de vida como um ato proeminente e nos problemas da saúde mental de Syd Barrett, esse disco é uma das paletas sonoras mais comoventes que existem. Um álbum de vendas multiplatinado que diz tudo sobre a sua conquista em ser o 4º disco que mais vendeu cópias na história.

Assim como os fãs do PINK FLOYD devem saber, apesar do álbum "The Dark Side of The Moon" ser o disco que confirmou o seu status lendário, também mudou as coisas para a banda. Isso os tornou superestrelas globais e de muitas maneiras as armadilhas disso aceleraram a chegada do cisma que ocorreria cerca de 01 década depois, no período entre os álbuns "The Wall" (11º disco, 1979) e "The Final Cut" (12º disco, 1983), onde esse último sinalizaria o fim da formação clássica do PINK FLOYD.


Ao ser entrevistado pela Q Magazine em 1987, período em que a sua rivalidade com os membros restantes do PINK FLOYD estava no auge, Roger Waters foi perguntado qual era o seu período favorito no PINK FLOYD. Sem surpresa, ele a chamou da era "pré-'The Dark Side of The Moon'".


Ele revelou o motivo, dizendo que eles ainda eram "uma banda" naquela época e que naquele momento "todos concordavam com as mesmas coisas".

Waters explicou: “É difícil lembrar de algo que aconteceu há tanto tempo atrás, mas acho que provavelmente foi a época antes do álbum 'The Dark Side of The Moon'. Até aquela época, ainda éramos uma banda e tenho certeza de que até aquele ponto todos concordávamos sobre as mesmas coisas, tipo, de que só tocaríamos o nosso novo material nos shows e não tocaríamos mais nenhum material antigo. Apresentaríamos no máximo apenas as músicas do álbum novo e do anterior, e era isso. Havia uma certa integridade e o importante era o nosso trabalho... Ainda é exatamente assim como eu me sinto agora, embora confesse que agora toco músicas antigas no palco”.

Ele concluiu: “No entanto, sinto exatamente o mesmo sobre o trabalho de uma pessoa. Eu simplesmente não tenho que discutir com ninguém sobre o meu trabalho agora e posso simplesmente seguir em frente do meu jeito".































Comments


Mais Recentes
Destaques
bottom of page