• by Brunelson

Pink Floyd: a única música que não sai da cabeça do baterista Nick Mason


Considerando a sua posição por trás da bateria de uma das bandas mais influentes de todos os tempos, Nick Mason é um dos bateristas mais conhecidos na história da música.

Sem a intenção de fornecer o tipo de ritmo estrondoso que Keith Moon (THE WHO) ou John Bonham (LED ZEPPELIN) emitiam, o estilo de Mason no PINK FLOYD era mais sobre as notas que ele não tocava.

É o tipo de estratégia sobre a qual você ouve músicos de jazz falarem e é incrivelmente eficaz.

É a razão pela qual quando Mason foi recentemente entrevistado pela revista britânica New Music Express a fornecer a música que ele não conseguia tirar da cabeça, o baterista simplesmente não conseguiu evitar um clássico do PINK FLOYD - principalmente por causa da concentração de que precisava para gravá-la em 1979.

É uma das músicas mais famosas da banda e provavelmente está passando pela cabeça de muitas pessoas...

Como parte de uma conversa, o baterista do PINK FLOYD revelou várias outras canções que também ajudaram a moldá-lo. Dentre elas, ele incluiu a primeira música pela qual ele se apaixonou, "Blue Suede Shoes", de Elvis Presley, a canção “que me leva de volta à adolescência”.

Mas a música que ele não consegue tirar da cabeça é "Comfortably Numb", uma canção que tipificou o título do PINK FLOYD como reis do rock progressivo. Lançada no icônico álbum "The Wall" (11º disco, 1979), há muito tempo é proclamada como uma das melhores da banda e está claro que Mason também tem alguma afeição por ela.


* Pink Floyd: a música da banda que o baterista Nick Mason chama de sua favorita

* David Gilmour: as suas 06 canções favoritas do Pink Floyd


* Pink Floyd: guia para iniciantes; 10 músicas do tecladista Richard Wright


* Fender Stratocaster: comparação entre as guitarras de David Gilmour e Jimi Hendrix


No entanto, o verdadeiro motivo pelo qual ele não consegue tirar ela da cabeça é que ele ainda está revivendo o momento da gravação.

“Se você estiver gravando num estúdio e depois quando terminar de grava-la, pelo resto da noite você vai ter que remar sem parar em seu cérebro para poder lembrar de todas as partes”, lembrou o baterista, dando a entender que ainda não tinha desalojado a canção do seu cérebro. “Não importa se é algo de que você realmente gosta ou algo para o qual você está apenas tentando encontrar uma parte de bateria”.

Parece que "Comfortably Numb" foi uma dessas músicas.

“O verso de abertura da canção 'Comfortably Numb’ possui uma parte de bateria muito, mas muito esparsa, então, você está sempre tentando não repeti-la exatamente, mas repeti-la com o mesmo peso”, lembrou Mason, com as palavras inabaláveis de um especialista. “Há muitas batidas faltando nela e essa é uma das melhores coisas sobre isso, tipo, não inicia imediatamente um padrão que continua ao longo de toda a peça, você me entende?”

A canção foi construída a partir de uma discussão entre Roger Waters e David Gilmour.


No livro de Mark Blake de 2008, "Comfortably Numb: The Inside Story of Pink Floyd", Gilmour confessou que a música chegou como "as minhas últimas brasas e a capacidade de Roger Waters de trabalhar em colaboração".

Em conversa com a Absolute Radio em 2011, Waters relatou vividamente a luta que nos proporcionaria uma obra-prima do mais alto calibre: “Dave Gilmour e eu, quando estávamos no sul da França onde gravamos a maior parte do disco 'The Wall', tivemos um desentendimento bastante sério sobre a gravação da canção 'Comfortably Numb'”.

Ele acrescentou: “É provavelmente uma história em que a memória dele e a minha são quase exatamente iguais. É que tínhamos feito uma faixa de ritmo e eu adorei e ele achou que não era preciso o suficiente ritmicamente, então, ele recortou a faixa de bateria e disse 'assim é melhor' e eu falei 'não, não é, eu odiei isso'”.

Waters concluiu: "É uma coisa muito estranha quando você é um músico e trabalha nessas coisas, tipo, coisas que para um músico podem parecer nada e para outro seja realmente gritante e chocante. Embora eu tenha lido que David Gilmour disse em algum lugar ou outro, que se nós ouvíssemos e acatássemos o que dizíamos um para o outro, saberíamos que não teríamos sido capazes de fazer a diferença".


"Comfortably Numb"


  • Facebook Social Icon
Mais Recentes
Destaques