top of page
  • by Brunelson

Nirvana: análise de quase todas as canções - "Lithium"


NIRVANA e religião não são exatamente companheiros naturais.

Em sua forma mais básica, a ideia é que, quando uma pessoa não tem mais nada em que se apoiar ou aplacar a sua vida, ela se voltará para o dogma religioso para ajudar a explicar o inexplicável, responder ao irrespondível e acalmar as águas furiosas dos seus traumas, delineando a fé e transformando-a em obras empíricas - e não há nada de errado nisso.

Kurt Cobain, um famoso cético religioso, pode não ter abraçado pessoalmente essa mentalidade, mas foi inspirado o suficiente pela ideia para criar uma narrativa fictícia que evoluiu para uma das maiores canções do NIRVANA, "Lithium".

Representando um escopo maior que Cobain estava adotando com as músicas do 2º álbum de estúdio do NIRVANA, "Nevermind" (1991), a música "Lithium" foi um grande salto para ele como compositor.


Com o disco anterior da banda, "Bleach" (1989), Cobain deu atenção mínima à escrita das letras, favorecendo frases curtas e superficiais em vez de narrativas e imagens metafóricas, do tipo: “Você está no colégio de novo”, “A garotinha do papai não é mais uma garota” e “Devolva o meu álcool”.

Cobain provavelmente escreveu a canção "Lithium" no ínterim entre o lançamento do álbum "Bleach" e nas primeiras gravações do disco "Nevermind". A banda apresentou o seu novo material para o produtor Butch Vig no Smart Studios, onde uma das músicas trabalhadas foi "Lithium". Durante esse tempo, o grupo tinha contrato com o selo independente da Sub Pop Records de Seattle e o baterista Chad Channing ainda estava na banda.

Nos anos desde o seu lançamento, Dave Grohl foi aberto sobre o fato de que ele se manteve principalmente nos padrões de bateria originalmente concebidos por Channing para as gravações do álbum "Nevermind". A performance de Grohl é mais compacta e tecnicamente proficiente, mas permanece quase ritmicamente idêntica ao arranjo executado por Channing durante as sessões no Smart Studios. Além de alguns ajustes líricos muito pequenos e o brilho profissional fornecido por Vig e o mixador Andy Wallace já no Sound City Studios para a gravação oficial do disco "Nevermind", a canção "Lithium" experimentou pouca mudança entre a sua gravação demo inicial e seu estado final.

Parte do que torna a música "Lithium" tão única, é que ela é baseada em uma progressão de acordes que é completamente atípica da composição tradicional do rock. Escrito na tonalidade em ré maior, a aversão de Cobain (ou falta de conhecimento sobre) teoria musical leva a uma série de acordes que normalmente não são considerados em uma progressão de ré maior, incluindo dó, lá# e fá. São acordes harmonicamente ambíguos: os acordes F# e B em uma progressão de Ré Maior são geralmente menores se estiverem aderindo à escala normal de Ré Maior, mas o uso exclusivo de Cobain de tônicas e quintas em seus dedilhados significa que os acordes podem ser maiores ou menores e muitas vezes atuam como pontos de pivô para mudanças rápidas de tom quando Cobain vai para o refrão ou à ponte da música. A progressão é altamente cromática, dando à canção sua estranha tensão.

Liricamente, Cobain ilustra a história de uma pessoa cuja confusão e desolação, enraizada na perda de um ente querido, o leva a buscar qualquer coisa que o tire da escuridão. No entanto, assim como Cobain, esse indivíduo nunca é terrivelmente taciturno sobre a sua realidade e pode até fazer piadas sarcásticas e autodepreciativas, do tipo: “Estou tão feliz / Porque hoje encontrei os meus amigos / Eles estão na minha cabeça”. Afinal, mesmo quando o narrador está se quebrando mentalmente, sempre há tempo para colocar as coisas em perspectiva: “Estou tão excitado / Tudo bem, a minha vontade é boa”.

O termo “lítio” refere-se à droga estabilizadora do humor que muitas vezes é prescrita para indivíduos com transtorno bipolar, esquizofrenia ou outras condições extremas de saúde mental. Cobain relaciona o efeito da droga com o efeito de algumas formas de religião na deterioração do estado mental.


A história adolescente de Cobain ao cristianismo, quando numa época tinha saído de casa e estava dormindo na casa de um amigo cuja família era cristã e fez Cobain frequentar a igreja por um curto período, pode ou não ter inspirado diretamente a criação dessa música, mas certamente informou a sua visão de mundo e provavelmente estava em sua mente enquanto a escrevia.

Vale a pena notar que "Lithium" não é uma canção explicitamente antireligiosa. Na verdade, Cobain expressou ao escritor Michael Azerrad em seu livro, "Come as You Are: The Story of Nirvana" - biografia oficial esta lançada quando a banda estava em atividade: “Sempre achei que algumas pessoas deveriam ter religião em suas vidas e está tudo bem... Se vai salvar alguém, ótimo, e a pessoa na música 'Lithium' precisava disso”.

Embora não seja explicitamente declarado, há uma grande chance de que o narrador da canção "Lithium" tenha sido de fato salvo pela religião. Como a maioria de seus escritos, Cobain mantém as respostas vagas e abertas à interpretação, porque o que a música significa para cada ouvinte é mais importante do que qualquer finalidade concreta da história.

Enquanto quase todas as partes da música "Lithium" vão contra os estilos populares convencionais, ainda apresenta ganchos inegáveis que ajudaram a impulsionar o disco "Nevermind" ao topo das paradas de álbuns da Billboard, no mundo inteiro e à vanguarda da cultura mainstream. Sendo lançada como o 3º single do álbum "Nevermind", "Lithium" continua a ser uma música comumente citada e frequentemente tocada na obra do NIRVANA, sendo colocada na mesma prateleira de suas clássicas canções.

O próprio Cobain nunca recorreu à religião para lidar com a sua angústia física e mental durante a sua vida como frontman do NIRVANA e muito menos no final dela, mas em pouco mais de 04 minutos ele foi capaz de criar uma narrativa rica que reúne fé, tristeza, agressão e catarse, em uma música verdadeiramente poderosa em ritmo e melodia.


Confira as resenhas das outras músicas que o site rockinthehead já publicou:


"Escalator to Hell"


"Big Long Now"


"Here She Comes Now"


"Heart Shaped Box"


"Grey Goose"


"Bambi Slaughter"


"Smells Like Teen Spirit"


"Beans"


"Black and White Blues"


"Do You Love Me"


"The Other Improv"


"Help Me, I'm Hungry"


"Heartbreaker"


"Anorexorcist"


"Mexican Seafood"


"Pen Cap Chew"


"Mrs. Butterworth"


"Gallons of Rubbing Alcohol Flow Through The Strip"


"Come as You Are"


"Token Eastern Song"


"Old Age"


"Immigrant Song"


"Don't Want it All"


"Scoff"


"Beeswax"


"Hairspray Queen"


"White Lace and Strange"


"In Bloom"


"The Money Will Roll Right In"


"Sifting"


"Swap Meet"


"If You Must"

Mais Recentes
Destaques
bottom of page