top of page
  • by Brunelson

The Doors: qual a canção inspirada na poesia de William Blake?


Desde os seus primeiros dias na cidade de Los Angeles, o THE DOORS sempre quis fazer música fora do normal.


Enquanto o resto da cena do rock californiano em meados da década de 60 seguia numa certa fórmula, o vocalista do THE DOORS, Jim Morrison, procurava expandir a mente dos ouvintes de maneira diferente, mostrando-lhes o lado mais escuro com o qual a geração hippie estava lidando, pois, embora o sonho idílico dos hippies fosse aproveitar o sol, Morrison sempre foi atraído pela noite.

Morrison já tinha canções escritas e desenvolvidas durante as primeiras jam sessions da banda. O único problema? Ele não sabia tocar nenhum instrumento.


Embora uma música como "Moonlight Drive" (2º disco, "Strange Days", 1967) estivesse totalmente formada em sua mente, o resto da banda precisou transformá-la em uma canção adequada, preenchendo as ideias musicais que Morrison não conseguia traduzir.

E como a música "Moonlight Drive" é lida melhor como uma canção de amor, a música "End of The Night" (1º disco, "The Doors", 1967) foi escrita em torno de pessoas que viviam do lado oposto dos trilhos.


Embora Morrison tenha criado a melodia vocal e as letras dessa última quando a banda estava no estúdio gravando o álbum, uma parte da letra foi retirada literalmente do poeta William Blake. Inspirado pelos poetas de sua geração, as letras na ponte da música vem da obra chamada "Auguries of Innocence", de William Blake, que apresenta a linha: “Alguns nascem para o doce deleite / Alguns nascem para a noite sem fim”.


Para Morrison, música e poesia sempre andaram de mãos dadas. Fora do estúdio de gravação, algumas das primeiras apresentações do THE DOORS se transformariam em jam sessions enquanto Morrison recitava poesia sobre a música. Muitas vezes, era onde as canções se formavam, como pegar a mensagem poética da obra "Texas Radio and The Big Beat" de Morrison e transformá-la na canção "The Wasp" (6º disco, "L.A. Woman", 1971).

Embora os vocais arrepiantes de Morrison forneçam o pano de fundo para a história, o aspecto perturbador na música "End of The Night" vem da guitarra de Robbie Krieger. O arranjo da música é primitivo, mas a guitarra slide de Krieger dá uma camada de ameaça à canção, quase como se um fantasma estivesse preso entre os sulcos do vinil.

E enquanto a banda ganhou mais atenção depois que o seu álbum de estreia foi lançado, Morrison estava apenas começando...


Seria no próximo álbum, "Strange Days", que metade da sua lista de músicas poderiam ser sobre pessoas nascidas no final da noite. Assim como a canção "Unhappy Girl", que detalha a vida de uma mulher em sua própria prisão mental, e a música "Strange Days" que poderia ser a sequência não oficial da canção "End of The Night" - depois de passar tanto tempo chegando ao "final da noite", o único próximo passo lógico é terminar em "dias estranhos".

Apesar de sua reputação como uma das músicas mais melancólicas do THE DOORS, um espírito inquieto está no coração de "End of The Night". Mesmo em seu álbum de estreia, Morrison estava falando sobre a necessidade de desaparecer na noite e nunca mais ser ouvido.

Ao falar sobre esta canção durante uma entrevista, Morrison mencionou a identificação com essas pessoas do lado oposto dos trilhos, dizendo: “O clima que recebo da maior parte sobre essa questão, é uma espécie de sentimento pesado de um tipo de melancolia... Como alguém que não está em casa e você sente falta dessa pessoa ou não fica muito relaxado até ela chegar, e você sabe, ao mesmo tempo ciente de muitas coisas, mas não tendo muita certeza de nada”.

Enigmático como sempre foi, Morrison nunca se sentiu tão à vontade como um deus do rock, mas tudo parecia fazer mais sentido para ele e para nós, fãs, ao recitar poesia por cima de uma base musical.


"End of The Night"










Comments


Mais Recentes
Destaques
bottom of page