• by Brunelson

Dave Grohl: "o conceito de recomeçar é um tema recorrente em nossas vidas" - Parte 5


Confira a entrevista que o site Vulture havia feito com Dave Grohl, baterista do NIRVANA e frontman do FOO FIGHTERS, em divulgação ao seu novo livro biográfico, "The Storyteller: Tales of Life and Music".


* Dave Grohl: "perguntei a Krist e a Kurt se eles queriam outro baterista"


* Dave Grohl: perguntado sobre qual o seu prêmio Grammy favorito?


* Dave Grohl: "não comecei a tocar música com uma carreira em mente" - Parte 1


* Dave Grohl: "Kurt Cobain também havia escutado a música 'Exhausted' e tinha gostado" - Parte 2


* Dave Grohl: "o disco 'In Utero' não é o meu preferido, mas é o mais poderoso do Nirvana" - Parte 3


* Dave Grohl: "Kurt Cobain teve 02 overdoses que não sabíamos se ele iria sobreviver" - Parte 4


Nesta 5ª parte que separamos para você, Grohl relata como encarou a fase de luto ao falecimento de Kurt Cobain e como essa forma de lidar o ajudou com os problemas futuros que passaria na vida:


------------------------


Jornalista: Você não teve nenhum escândalo importante em sua carreira. Como você conseguiu isso?

Dave Grohl: Eu vou voltar para quando Kurt Cobain morreu. Na manhã seguinte, acordei e percebi que ele não voltaria mais e tive a sorte de ter outro dia de vida. Sentei na mesa e fiz uma xícara de café. Posso tomar uma xícara de café hoje, mas ele não pode mais. Entrei no carro para dar uma volta e estava um belo dia de sol. Estou passando por esse momento, mas ele não. Foi então que percebi que não importa quão bom ou ruim seja um dia, eu queria estar vivo para vivenciá-lo. Isso se torna a sua vara divina e só quero chegar ao amanhã. Eu só quero fazer isso mais um dia e digo isso especialmente em músicas como "Times Like These" (4º disco do FOO FIGHTERS, "One by One", 2002).

Jornalista: Acho que isso é crucial para as suas músicas que ainda duram. "Times Like These", mas também estou pensando em canções como "Everlong" e "My Hero" (ambas lançadas no 2º disco do FOO FIGHTERS, "The Colour and The Shape", 1997). Essas músicas vão longe sobre pegar algo e continuar naquilo.

Grohl: Eu não posso escrever uma música sobre algo que não aconteceu ou algo que não senti. O conceito de recomeçar é um tema recorrente em nossas vidas e já passei por isso mais do que algumas vezes, sabe? Você chega a uma encruzilhada e precisa guiar o seu caminho... Quando o FOO FIGHTERS estava gravando o álbum "The Colour and The Shape", foi na mesma época em que eu estava me divorciando e estava passando por algumas merdas, sabe? Eu não tinha onde morar pois estava saindo de casa devido ao divórcio, depois o nosso guitarrista, Pat Smear, viria nos comunicar que queria sair da banda, sendo que o nosso baterista original, William Goldsmith, já havia saído do grupo. Eu estava dormindo no quarto dos fundos na casa de um amigo meu e o cachorro dele mijava em mim todas as noites no meu saco de dormir. Eu estava pronto para explodir, cara. Eu tinha os meus diários e listava individualmente cada um desses problemas. Eu olhava para essa lista e pensava: 'Ok, se pensar em todas essas coisas ao mesmo tempo, terei um colapso nervoso. Se eu me concentrar em um desses problemas de cada vez, talvez possa resolver alguns deles. Talvez eu consiga passar por isto'. Então, tento não ficar sobrecarregado com tudo o que está acontecendo ao meu redor e tento acertar as coisas uma de cada vez.


* Foo Fighters: Dave não gosta de escutar o disco “The Colour and The Shape”


"Marigold" (ficou de fora do 4º e último trabalho de estúdio do NIRVANA, "In Utero", 1993; foi composta e cantada por Dave Grohl)


  • Facebook Social Icon
Mais Recentes
Destaques