• by Brunelson

R.E.M: Top 06 letras do vocalista Michael Stipe


Qual é a resposta à pergunta: "O que determina uma boa música - letra ou melodia?" É uma questão não resolvida e é tão discutível quanto algumas teorias inexplicáveis...

Embora muitos tenham afirmado logicamente que é uma melodia que separa a música da poesia, tornando a música muito mais democrática e comovente, a contribuição de boas letras não pode ser descartada. Se for permitido assumir uma postura neutra nesse debate, pode-se afirmar que a fusão de letras e melodia em uma proporção adequada torna uma música memorável.

Claro, essa postura pode ser criticada por excluir música não lírica, desencadeando ainda mais o debate, mas, uma vez que as canções são a forma mais popular de música, é seguro assumir que os compositores são responsáveis por inclinar a balança a seu favor.

Um letrista talentoso que deixou uma marca na história da composição musical é Michael Stipe. O vocalista da banda R.E.M, embora conhecido principalmente por seu estilo característico de canto murmurante, também segurou uma caneta poderosa que gravou as músicas na mente dos ouvintes para sempre. Ele sempre seguiu sem esforço a linha da maestria popular e do discurso poético com um toque hábil.

Embora Stipe se recuse a levar sua habilidade a sério, dizendo em entrevistas que: "Estou cansado de ser este poeta solene das massas, o enigma envolto num mistério...", definitivamente vale a pena dar uma olhada em seu ofício. As suas canções cobrem uma miríade de temas, sejam místicos, sociais, políticos ou mais específicos, como mortalidade, amor e desilusão. Mesmo as suas primeiras músicas, que ele rejeitou como absurdas, falam muito sobre o seu gênio criativo.

É um trabalho bastante difícil escolher apenas 06 peças líricas de um oceano de pérolas, no entanto, aqui estão as nossas escolhas que colocam a versatilidade de Stipe em plena exibição. No caso de não termos incluído algumas de suas favoritas, foi o motivo mesmo de escolhermos de propósito somente 06 letras de canções para que uma imensidão ficasse de fora da lista.

Sem nenhuma ordem qualitativa, confira as 06 melhores letras de Michael Stipe como vocalista do R.E.M:

Música: "Driver 8"

Álbum: "Fables of Reconstruction" (3º disco, 1985)

“Eu vi uma casa na árvore nos arredores da fazenda As linhas de energia têm flutuadores para que os aviões não fiquem presos Os sinos estão tocando pela cidade novamente As crianças olham para cima, tudo o que ouvem são sinos azul-celeste tocando” O segundo single do R.E.M que foi lançado no álbum "Fables of Reconstruction", embora liricamente abstrato, narra vagamente a história dos EUA através do ponto de vista de um maquinista. Como sempre, cabe aos leitores decidir se a jornada é literal, metafórica ou ambos. O destino, embora indeciso, atrai o público a sair da plataforma da estação e embarcar na jornada. Stipe, durante uma entrevista para a revista Rolling Stone em 2009, disse: “É como respirar, tipo, não penso nisso enquanto canto... Eu estava ouvindo essas fitas ao vivo do R.E.M uns dias atrás e achei que esta é uma música linda com imagens incríveis”.

Música: "Let Me In" Álbum: "Monster" (9º disco, 1994) “Sim, todas aquelas estrelas gotejam como manteiga E promessas são doces Nós estendemos nossas panelas com nossas mãos para pegá-las Nós comemos e bebemos sem parar, sem parar” A música de 1994 foi um elogio a Kurt Cobain, que havia falecido pouco antes do lançamento deste álbum do R.E.M. Cobain era um fã assumido do R.E.M, se aproximando de Stipe. A morte de Cobain e do ator River Phoenix deixou Stipe perturbado, que disse durante numa entrevista: “A morte de River Phoenix me impediu de escrever por quase 05 meses. Quando comecei a escrever, pensei em letras que entraram nas músicas 'Crush With Eyeliner', 'What's The Frequency, Kenneth?' e 'Circus Envy', e então, quando Kurt Cobain morreu no meio da gravação desse disco, eu simplesmente joguei os meus braços pra cima e tive que expressar a frustração que estava passando, porque eu estava tentando tirá-lo do estado de espírito em que Kurt estava e não consegui, você sabe, foi quando escrevi as letras para a canção 'Let Me In' e a lançamos no álbum”. Dentro da música, Stipe é capturado em seu estado mais vulnerável e desesperado para ajudar os seus amigos - para ser deixado entrar. Durante a gravação desta música, a banda tocou com a guitarra Fender para canhoto do próprio Cobain, dada a eles por Courtney Love - o que adicionou outro toque pessoal à música.

Música: "It’s The End of The World as We Know It" Álbum: "Document" (5º disco, 1987) “É o fim do mundo como o conhecemos É o fim do mundo como o conhecemos É o fim do mundo como o conhecemos e me sinto bem” A música apareceu pela primeira vez em seu álbum de 1987, "Document", e em seguida foi lançada como single, ocupando a posição nº 69 no ranking da Billboard. A abstração lírica de Stipe é encontrada no seu melhor aqui, pois é narrada com um fluxo de consciência e evocando imagens não relacionadas a cada passo. A única coisa que conecta as imagens dispersas é a sensação de destruição, desesperança e catástrofe. Há referências repetidas de pessoas com as iniciais L.B, como Lenny Bruce, Lester Bangs e Leonard Bernstein. Em sua entrevista de 1990 para a revista Music, Stipe afirmou que foi inspirado por um sonho em que se viu cercado por pessoas com as iniciais L.B.

Música: "Country Feedback" Álbum: "Out of Time" (7º disco, 1991) "Esta flor está chamuscada Este filme está passando Em um ciclo enlouquecedor Essas roupas Estas roupas não nos servem bem Eu sou o culpado É tudo a mesma coisa É tudo a mesma coisa" Esta joia do country-rock pertence ao álbum "Out of Time" de 1991 e o que tornou a música especial foi a modificação improvisada da letra de Stipe. Relembrando o incidente, ele disse que “tinha apenas um pedaço de papel com algumas palavras. Eu cantei e saí andando”. Ele ansiosamente inventou as seguintes falas diretamente na sessão de gravação da banda no dia seguinte. A música foi gravada somente em 01 take, para surpresa de Stipe. Seu colega de banda, o guitarrista Peter Buck, explicou o motivo, dizendo: "É exatamente o que ele estava pensando naquele dia... Foi tudo real”. Sendo a canção favorita de Stipe, a música evoca uma série de observações perturbadoras e agudas que passam pela mente do narrador.

Música: "Orange Crush" Álbum: "Green" (6º disco, 1988) “No alto do telhado, dilua o sangue Outro veio escalando as ondas esta noite Chegando, você está em casa” Stipe pegou os ouvintes de surpresa quando descartou o seu estilo enigmático e adotou uma abordagem direta para se referir ao cenário político que o cercou em vida. Entre as canções de protesto da banda, o álbum "Green" causou comoção por sua direção vantajosa. Um dos melhores momentos nesse disco, a canção "Orange Crush" e seu título ingênuo muitas vezes podem levar alguém a acreditar que é uma música inocente, mas na realidade ela esconde uma verdade horrível bem abaixo da superfície. A canção condena as atrocidades da Guerra do Vietnã, na qual o pai de Stipe serviu. A arma química, Agent Orange, é mencionada no refrão e a banda dá um passo adiante para criar a terrível paisagem sonora da guerra usando o zumbido do helicóptero e cânticos militares no interlúdio.


Música: "At My Most Beautiful" Álbum: "Up" (11º disco, 1998)

“No meu momento mais lindo Eu conto seus cílios secretamente A cada sussurro de 'eu te amo' Eu deixo você dormir Eu sei que os seus olhos fechados estão me observando Ouvindo Eu pensei ter visto um sorriso” É provavelmente a música menos estilo Stipe de todas. Uma balada conduzida ao piano e sendo uma doce canção romântica. A música foi uma agradável surpresa para o público e rapidamente subiu para a 10ª posição na parada de singles do Reino Unido. Stipe confirmou como surgiu com as letras: “A ideia aconteceu dirigindo o meu carro pra cima e pra baixo na Santa Monica Boulevard em Los Angeles, quando eu estava montando o livro de Patti Smith... Eu tinha CDs e fitas de novas músicas no meu carro e pensei numa frase: 'Eu encontrei uma maneira de fazer você sorrir'. Tudo que eu sabia era que os BEACH BOYS tinham um disco ou uma música chamada 'Smile' e pensei: 'Bom, este será o meu presente para os meus colegas de banda e fãs dos BEACH BOYS'. Foi difícil escreve-la”.


* R.E.M: a história de raízes trágicas por trás da música de sucesso "Shiny Happy People"


* R.E.M: resenha do álbum "Automatic For The People"


* Rock Alternativo: Top 05 melhores músicas


* R.E.M: a história por trás da música "Man on The Moon"

  • Facebook Social Icon
Mais Recentes
Destaques

2016 by RockInTheHead