• by Brunelson

R.E.M: a história por trás da música "The Sidewinder Sleeps Tonite"


No início dos anos 90, os EUA era próspero com o talento do rock'n roll.

Enquanto o NIRVANA começou a sua jornada em direção ao sol e o PEARL JAM era igualmente imponente nas paradas, uma banda também se destacou entre as demais: R.E.M.

O lançamento do seu 8º álbum de estúdio em 1992, "Automatic For The People", forneceu um lembrete cristalino do seu talento e do quão refrescante e confortante era uma voz como a do vocalista Michael Stipe...


* R.E.M: resenha do álbum "Automatic for The People"


* R.E.M: resenha da canção "Everybody Hurts"


* R.E.M: a história por trás da música "Man on The Moon"

O fato de ainda se manter hoje como uma peça de musicalidade texturizada, honesta e vulnerável, é uma prova da arte da banda e é provável que ainda falaremos sobre esse disco por muitos anos.

Um dos momentos mais memoráveis do álbum é o seu 3º single, que foi a música "The Sidewinder Sleeps Tonite". Notoriamente, foi influenciada pela antiga canção de 1939, "The Lion Sleeps Tonight", que foi escrita pelo artista sul-africano, Solomon Linda, e depois popularizada no mainstream ocidental pelo grupo musical THE TOKENS em 1961.

As primeiras quatro notas que Stipe canta são muito próximas às da canção “The Lion Sleeps Tonight”, e pode não ser uma surpresa descobrir que este foi um movimento deliberado.


Curiosamente, em vez de "roubar" a música externamente, o R.E.M. pagou pelos direitos de uso. Como parte do acordo que foi negociado, a banda foi solicitada a fazer um cover da versão original de "The Lion Sleeps Tonight", que eles lançaram como lado-b deste mesmo single.

Como tudo que o R.E.M. fez, a música "The Sidewinder Sleeps Tonite" foi escrita e incluída no disco "Automatic For The People" por um motivo. Eles queriam um contraste leve para os temas bastante rígidos sobre a mortalidade que permeiam todo o álbum, proporcionando uma breve pausa de todas as suas mensagens bastante realistas e pesadas.

O guitarrista Peter Buck explicou uma vez: “Incluímos esta canção no disco 'Automatic For The People' para quebrar o clima predominante do álbum. Dado que esse disco fala sobre a mortalidade, da passagem do tempo, do suicídio e no que gera numa família, sentimos que era necessário um ponto de luz. Em retrospecto, o consenso entre a banda era que essa música poderia ser um pouco leve demais em contraste com o restante do disco”.

Uma faceta notável desta canção é o que Michael Stipe canta durante o refrão. Há muito se pensou que ele cantava “calling Jamaica, calling Jamaica”, devido às raízes africanas da música original, mas ele realmente canta: “Call me when you try to wake her up. Call me when you try to wake her”, refletindo o quão universalmente a letra foi mal interpretada.


Uma pesquisa em 2010 descobriu que era a letra mais mal interpretada no Reino Unido, superando um dos outros exemplos mais icônicos, como a música "Purple Haze" de Jimi Hendrix.

Somado a essa complexidade lírica, Stipe também tentou repetidamente citar o nome do autor infantil, Dr. Seuss. Infelizmente para ele, não foi possível pronunciá-lo, dada a melodia vocal e o seu ritmo de entrega, o que ficou parecendo que ele canta a palavra "Zeus".


Você pode ouvir Stipe rindo nessa gravação por sua incapacidade de pronunciá-la corretamente, o que o baixista Mike Mills implorou para ele acertar. Essa pronúncia errada do nome "Seuss" não era uma coisa nova - desde criança, Stipe sempre lutou para pronunciar corretamente esse nome.

Oferecendo uma interpretação das letras de Stipe, Mills disse a revista britânica Melody Maker em 1992: “É sobre alguém que não tem um lugar para ficar. Parte disso também é sobre o que o homem pode fazer que as máquinas não podem, mas o resto da letra, eu não tenho a menor ideia do que se trata”.

Em outra entrevista, o baixista elucidou sobre este assunto, fazendo o que pôde para entender as letras tipicamente oblíquas de Stipe: “Metade da música é sobre alguém tentando entrar em contato com alguém que pode dormir no seu chão. A outra metade, fica por sua conta".

No encarte da coletânea do R.E.M. lançado em 2011, "Part Lies, Part Heart, Part Truth, Part Garbage", Stipe deixou escrito que essa música “contém uma das minhas letras favoritas de todos os tempos, como personagens de desenhos animados que nunca ficam entediados”.

A música "The Sidewinder Sleeps Tonite" é talvez o momento mais bem-humorado de todo o distinto catálogo do R.E.M. Mesmo que a banda a considere muito leve, pessoalmente, eu diria que é uma ruptura estelar na história do grupo.


As bandas devem ser capazes de abordar assuntos mais leves de vez em quando...


"The Sidewinder Sleeps Tonite"


* R.E.M: resenha sobre a música "Losing My Religion"


* R.E.M: a história de raízes trágicas por trás da música de sucesso "Shiny Happy People"


* R.E.M: a história por trás do 1º single da banda, "Radio Free Europe"


* R.E.M: resenha do disco "Dead Letter Office", coletânea de raridades, covers e lados-b

Mais Recentes
Destaques