• by Brunelson

R.E.M: resenha da canção "Everybody Hurts"


Simplificando, o grupo R.E.M. escreveu a música "Everybody Hurts" para salvar a vida de muitas pessoas.

Tudo sobre a canção foi projetado para impedir os adolescentes de cometerem suicídio. Desde as letras diretas até os dramáticos arranjos de cordas com a sua bela melodia, a música atinge diretamente onde é importante: no coração - e esta é uma das marcas de uma grande obra de arte.

Desde o começo da década de 90, a banda R.E.M. tinha uma presença global maciça e, o que é mais, eles tinham integridade. Ao longo dos anos 80, o grupo lançou as bases para inúmeras bandas alternativas, bem como a cena grunge que dominou os anos 90.

O seu clássico álbum de 1992, "Automatic For The People" (8º disco), surgiu sob nenhuma pressão real e como a maioria dos artistas dizem, é quando o melhor trabalho é feito.


* R.E.M: resenha do álbum "Automatic For The People"

Por esse motivo, o álbum foi um dos discos mais maduros do R.E.M. em sua carreira e geraria alguns sucessos, embora a folia comercial nunca foi a maior prioridade para Michael Stipe (vocalista), Mike Mills (baixista), Peter Buck (guitarrista) e Bill Berry (baterista).

A canção "Everybody Hurts", lançada nesse álbum, é um dos pontos fortes, senão, de todo o catálogo da banda. Surpreendentemente, o baterista Bill Berry é creditado como o compositor principal da música, embora toda a banda estivesse envolvida na conclusão da canção, bem como na produção ao lado do produtor Scott Litt.

O guitarrista Peter Buck afirmou em uma entrevista para o livro "Johnny Black’s Reveal: The Story of R.E.M.", que: “A música ‘Everybody Hurts’ é semelhante a canção ‘Man on The Moon’. Bill a trouxe e era uma música country de 01 minuto. Não tinha refrão e nem ponte. Só tinha o verso que meio que girava e girava, e ele só ficava dedilhando a guitarra”.


* R.E.M: a história por trás da música "Man on The Moon"

Então, o guitarrista começou a entrar em detalhes sobre como a banda abordou o primeiro rascunho e como o complementou: “Passamos por cerca de 04 ideias diferentes de como abordá-la e eventualmente chegamos a esta versão. Não tenho certeza se Michael Stipe teria escolhido esta versão, mas para muitos dos nossos fãs eles adoraram. Levamos uma eternidade para descobrir o arranjo e como cada um iria tocar os seus instrumentos".

Michael Stipe estava quase ausente nas sessões, então, os outros 03 membros da banda se reuniam num espaço de ensaio, tocavam e trocavam os seus instrumentos para soar de forma diferente e discutiam ideias musicais a partir daí: “Nós escreveríamos uma música na quinta-feira, gravaríamos naquela mesma noite e nunca mais a tocaríamos”, explicou Buck. “Então, quando gravamos esse álbum, tínhamos uma lista com cerca de 25 músicas”.

Ninguém menos que John Paul Jones, baixista do LED ZEPPELIN, fez os arranjos da música "Everybody Hurts".

“O produtor Scott Litt tinha ouvido alguns arranjos de cordas antigos que fiz para o HERMAN'S HERMITS na década de 60 e eles entraram em contato comigo”, disse John Paul Jones em entrevista para esse mesmo livro. Buck ainda falou sobre o trabalho de Jones: “Ele conhece o caminho de trás pra frente em quase todos os instrumentos. Ele é um ótimo arranjador e uma pessoa super doce”.

A letra da música é muito direta, pois foi originalmente planejada para adolescentes perturbados, no entanto, Michael Stipe comentou que um bom número de pessoas de diferentes idades disseram a ele que a música salvou as suas vidas. Stipe tinha a intenção original de fazer um dueto com Patti Smith nesta canção, embora isso não acontecesse até anos depois, quando eles uniram forças para uma performance especial.

Normalmente, Stipe se orgulhava de cantar as suas letras com um tom um tanto indecifrável. Isso encoraja o público não apenas a desafiar o que ele está cantando, mas a decidir o que pode ser.

Porém, para a música "Everybody Hurts" ele se comprometeu a garantir que a mensagem fosse clara como um sino: “Não me lembro de ter cantado no estúdio”, observou o vocalista, “e ainda meio que não consigo acreditar que é a minha voz nesta gravação. É muito pura e essa música instantaneamente pertenceu a todos que a ouviram e isso honestamente significa o mundo para mim”.

A mensagem positiva do R.E.M. foi transmitida com êxito para um grande público mainstream, quando a canção se tornou um sucesso maior do que qualquer um na banda ou gravadora esperava extrair do álbum.

O equilíbrio entre joias populosas e mantras pessoais tornam esse disco uma pérola brilhante na coroa do R.E.M. O álbum oferece o ponto de vista de toda uma sociedade, adequado para uma das bandas mais democráticas que você provavelmente encontrará. Ao todo, é um dos discos mais pertinentes de sua época, principalmente porque ainda parece tão vital até hoje. Você pode transmitir grande parte da mensagem do álbum pelo fato dele ter se espalhado pelo mundo inteiro através do videoclipe da música "Everybody Hurts".

Afinal, o disco foi lançado em 1992, um momento em que a MTV estava chegando ao auge de suas potências e a televisão dominava as ondas de rádio.

O clipe, que mostra a banda em um carro preso num engarrafamento, foi dirigido por Jake Scott. O vídeo ganhou o MTV Music Awards de Melhor Fotografia, Melhor Direção, Melhor Edição e Vídeo.


* R.E.M: Top 15 videoclipes da banda

Este sucesso, juntamente com o virtuosismo universalmente reconhecido da música, levou as organizações e instituições que ajudam suicidas a usa-lo como parte de sua mensagem de luz no fim do túnel.

Também sendo uma das representações mais sinceras do R.E.M. como uma banda, certamente é uma de suas tentativas mais puras de se conectar com o mundo.

"Everybody Hurts"


* R.E.M: resenha sobre a música "Losing My Religion"


* R.E.M: a história de raízes trágicas por trás da música de sucesso "Shiny Happy People"


* R.E.M: a história por trás do 1º single da banda, "Radio Free Europe"

  • Facebook Social Icon
Mais Recentes
Destaques