Chris Cornell: punhado de entrevistas sobre Kurt Cobain ao longo da história

April 9, 2019

 

Nesta sexta-feira passada (05/04/2019) marcou os 25 anos da morte do vocalista/guitarrista do NIRVANA, Kurt Cobain. Tragicamente, o vocalista/guitarrista do SOUNDGARDEN, Chris Cornell, veio a falecer 23 anos depois, em 18 de maio de 2017.

 

Em 1994 e embora admitindo não ser amigo íntimo de Cobain, Chris Cornell foi duramente atingido pela morte de Kurt, especialmente como uma voz da cena musical do grunge de Seattle. 

 

SOUNDGARDEN foi informado sobre a morte de Cobain após um show em abril de 1994. A banda digeriu a notícia por 30 minutos em seu camarim junto com outra banda de Seattle, TAD. O baixista do SOUNDGARDEN, Ben Shepherd, foi o primeiro a sair da sala com os olhos vermelhos e muito emocionado. Ben era muito próximo do NIRVANA e de Cobain.

 

Em entrevista para a revista Kerrang no mês de agosto de 1994, Chris Cornell falou: "Eu não acho que alguém possa entender com certeza por que isto aconteceu, quero dizer, realmente não me preocupo teorizando sobre suicídios, mas Kurt estava passando por algo muito pesado".

 

Cornell continuou: “Era de conhecimento geral que Kurt tinha um grave problema de saúde e ele estava desse jeito há anos, bem antes de ser famoso, sabe? Sempre que as pessoas falam sobre drogas e morte, colocam Kurt nessa categoria - o que não é o caso. O fato dele estar usando drogas também se baseava no fato de que ele tinha sérios problemas de saúde que ninguém conseguia ajudá-lo. As drogas eram uma maneira dele aliviar a sua dor".

 

"Tenho certeza de que também houve problemas com o fato de que ele não poderia ir a lugar nenhum em busca de ajuda. Kurt se sentiu auto-consciente sobre ser um ídolo adolescente, algo que ele não queria ser".

 

"E sempre houve essa questão de que ele estava doente - e isso necessariamente não tem a ver com drogas ou com o fato de que ele era famoso".

 

O guitarrista do SOUNDGARDEN, Kim Thayil, que também estava presente nessa mesma entrevista para a revista Kerrang, disse: “Ele estava emocionalmente doente. Kurt era casado, tinha uma filha, ficou milionário da noite para o dia e você precisa saber lidar com essas coisas”.

 

Cornell complementou: "Pode não ter sido algo que ele queria, mas ao mesmo tempo, Kurt fez videoclipes, certo? Eu também fiz, mas se Kurt não quisesse estar nesta situação, ele não precisava fazer outros vídeos depois de lançar a música 'Smells Like Teen Spirit'. Tudo aponta também para outras coisas, tipo, não foi só um cara que era viciado em heroína e isso o deixou louco e se matou, mas um cara que era incomodado por adolescentes e odiava isso”.

 

“Essa é provavelmente a visão mais romântica da história, mas não é a visão real. Você não sabe o que leva alguém a fazer isso, mas se algum dia eu cometesse suicídio, faria de uma forma que ninguém nunca fosse saber que foi suicídio, porque para mim, o maior medo de querer me matar, seria o que isso faria com os meus amigos e familiares”.

 

Cornell finalizou: "Se as coisas estão fodidas o suficiente para que eu queira me matar, a última coisa que quero fazer é sumir e realmente machucar um monte de pessoas".

 

Em 2007, Cornell disse ao famoso radialista Howard Stern: “Eu tive amigos que morreram antes da morte de Kurt, sabe? A diferença é que a maneira que Kurt fez foi uma espécie de reviravolta em nossas vidas, mas fora isso, eu já havia passado por situações assim antes... É uma pena e é muito triste para a filha dele e para os fãs, mas realmente foi uma coisa muito pessoal e um empecilho para todos nós. Claro que eu gostaria que isso não tivesse acontecido e também acho que se ele tivesse aguentado por uns 06 meses ou dado um tempo com a banda, 06 meses depois ele poderia ter sido um cara completamente diferente do que era”.

 

Cornell também refletiu sobre a morte de Cobain em uma entrevista ao canal de TV CNN, em 2013: “Houve uma transição um pouco desconfortável que eu acho que todas as bandas de Seattle tiveram, que foi a questão de sermos anti-comerciais, tipo, éramos anti-toda instituição que apoiava a música comercial".

 

“Eu me lembro de quando Kurt e o NIRVANA estavam na capa da revista Rolling Stone, sendo que ele estava usando uma camisa que estava escrito: 'Revistas corporativas ainda são uma merda'. Pensei, foi ótimo que ele usou essa camisa e que saiu na capa da revista, mas devemos lembrar que ele também apareceu para as sessões de foto, fez as entrevistas e concordou de todo o coração e feliz em estar na capa da revista Rolling Stone".

 

“Então, por que ele não se distanciou da revista fazendo o que estava escrito em sua camisa? Nós todos de Seattle - inclusive eu - tivemos essa crise de espírito e Kurt atirando em si mesmo foi provavelmente o extremo da situação”.

 

Depois de descrever o momento como algo muito surreal - quando ficou sabendo da morte de Cobain - Cornell observou que: “De certo modo, todos poderíamos nos consolar com o fato de termos nascido dessa ideia de que tocamos música sombria e melancólica. Em certo sentido, a nossa identidade foi moldada pela banda que cada um tinha e que criou uma trilha sonora para esse tipo de cenário estranho e horrível”.

 

Cornell havia dito para a revista Rolling Stone em 2014: “Eu não era um dos seus amigos mais próximos. Kim Thayil o conhecia melhor e Ben era muito próximo de todo o pessoal do NIRVANA e de Kurt. Ben havia excursionado com o NIRVANA desde o início como roadie e houve um tempo em que ele iria entrar na banda como 2º guitarrista, mas ele não quis aceitar, porque Ben não poderia compor músicas para a banda se quisesse".

 

"Foi algo similar de quando perdemos Andy Wood (vocalista do MOTHER LOVE BONE) ou quando perdemos outros amigos depois de Kurt... Nesta questão, me refiro não tanto a pessoa ou o relacionamento que tínhamos com eles, mas a inspiração criativa que essas pessoas tinham e que nos inspiravam, sabe?" 

 

"Em geral e de repente, a minha percepção do mundo da música encolheu artisticamente, porque esse cara brilhante se foi. Eu não estou nem falando sobre o que ele quis dizer culturalmente, mas falando sobre a sua criatividade. Foi super inspirador desde a primeira demonstração que eu vi, ampliando a minha imagem mental do que o mundo era criativamente e de repente, um grande pedaço deste mundo caiu".

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

  • Facebook Social Icon
Mais Recentes

Nirvana: Dave Grohl detalha como escolheu as pessoas para cantar na reunião em janeiro de 2020

February 28, 2020

1/5
Please reload

Destaques
Please reload

2016 by RockInTheHead