Alice in Chains: resenha do novo álbum, "Rainier Fog"

January 6, 2019

 

Lendas do rock alternativo e do grunge, ALICE IN CHAINS retorna com seu 8º trabalho de estúdio, "Rainier Fog" (2018). O álbum serve como o terceiro lançamento da banda ao apresentar William DuVall nos vocais - desde o falecimento do icônico vocalista em 2002, Layne Staley - juntamente com o guitarrista Jerry Cantrell, baterista Sean Kinney e baixista Mike Inez.

 

O novo disco chega 05 anos depois do álbum "The Devil Put Dinosaurs Here".

 

"Rainier Fog" é um ótimo exemplo de uma banda que sabe que os seus pontos fortes - e na maioria das vezes - podem funcionar muito bem para eles, mas se você ainda não pulou no trem ALICE IN CHAINS, não há muito o que fazer para convertê-lo. Perverso, assombrando as harmonias vocais, ótima interação vocal dupla e fantástica obra de guitarra, arrisco em dizer que em sua totalidade, é o que mais se destaca entre os 03 discos com DuVall sendo o vocalista.

 

Neste ponto, ALICE IN CHAINS é quem eles são - e com a mesma identidade. A banda não tem escassez de hits ao longo de sua fantástica carreira e de volta ao auge do grunge nos anos 90, eles sempre foram levados em conta para apresentar músicas sólidas e antológicas do rock alternativo, que às vezes se envolvem simultaneamente no mundo do metal e da sujeira grunge. 

 

Com essa noção em mente, "Rainier Fog" faz exatamente isso. Eles não vão se transformar em alguma tendência. Eles não vão se curvar às visões modernas sobre como a música convencional tem que parecer e soar, e por isso, nós amamos o ALICE IN CHAINS, porque sabemos o quão relevante a banda foi no começo dos anos 90, ressoando aquele tsunami grunge que respingava e alcançou a nossa adolescência aqui no Brasil - e pelo o que eles nos forneceram de forma tão consistente em cada disco lançado.

 

Ao ouvir "Rainier Fog", algumas coisas são notavelmente aparentes. A 1ª, é que o álbum é uma consistente audição de músicas do rock alternativo, sólidas e algumas pedindo permanência no setlist do grupo. Com isso, veio um álbum cujo altos nunca são muito altos e cujo baixos nunca vão tão baixos - e isso é ótimo. A única desvantagem disso, é que não há canções como "Man in The Box" ou "Them Bones" aqui. Sim, eu sei que estamos lidando com o ALICE IN CHAINS versão 2.0, mas que mesmo assim vai carimbar novas músicas em seu hall - como foram as canções "Check My Brain" para o disco de retorno em 2009, e "Stone" para o disco de 2013 (citando somente duas). 

 

O fator de consistência fala alto aqui.

 

"Rainier Fog" se move em um clipe muito mais consistente do que "The Devil Put Dinosaurs Here". Então, mesmo que esse disco de 2013 firmou 03 novas músicas no repertório ao vivo da banda, havia uma certa falta de foco e uma tendência para as canções se estenderem por 01 minuto ou mais em sua maioria - dos 03 discos com DuVall nos vocais, esse álbum de 2013 é o que apresenta mais canções lado-b, o que não deixa de ser uma sonzeira. 

 

Em comparação, "Rainier Fog" é mais enxuto, mais firme, mais focado e acima de tudo - por causa de tudo isso - um álbum muito mais forte. Bandas nem sempre envelhecem assim e poderia citar algumas, mas em vez disso, ALICE IN CHAINS merece ser elogiado por seu domínio de ofício e paixão por não enfraquecer em sua discografia, só a enriquecendo com lançamentos subsequentes.

 

1. "The One You Know"

 

O primeiro gostinho que recebemos de "Rainier Fog" foi o single “The One You Know” (acompanhado do videoclipe), colocando alta a faísca para o quê o novo álbum vai nos apresentar. Riffs de guitarra desarticulados com um bom trabalho lhe atraindo para uma armadilha, os riffs e o ataque vocal maníaco são clássicos do ALICE IN CHAINS. Ir sozinho nos vocais de Jerry Cantrell baldeando para os vocais de William DuVall, vemos um trabalho com grande efeito para construir o momento, antes da banda bater em um dos mais fortes refrões da era DuVall e já cravada no pergaminho das clássicas da banda. Estão tocando em todos os shows, desde que foi lançada.

 

 

2. "Rainier Fog"

 

Nunca houve uma escassez de grandes linhas de baixo ao longo dos anos com o ALICE IN CHAINS. Veja as músicas “Would” ou “Rain When I Die”. Aqui, na faixa-título, Mike Inez elimina um grande riff de baixo, assustadoramente semelhante aos dias do álbum homônimo de 1995. O principal riff da música é um riff clássico de Jerry Cantrell. A música carrega muita energia, o que a torna uma ótima opção para a turnê do álbum - estão tocando em todos os shows, pena que não tocaram na turnê recente pelo Brasil. Conforme entrevistas, as letras falam sobre Seattle e a cena grunge.

 

 

3. "Red Giant"

 

Uma das melhores músicas do disco. As harmonias de abertura de "Red Giant" irão literalmente chocar, assustar e surpreender você. A canção faz um ótimo uso da distorção vocal, o que só ajuda a construir um verso vocal muito perturbador. Ao longo da canção, se você apenas se perder na música, você pode realmente se enganar com William DuVall por Layne Staley. Isso é um elogio da mais alta ordem. Como você verá ao longo deste álbum, DuVall realmente faz o seu impacto ser sentido de uma maneira maior do que em seus 02 discos anteriores com o ALICE IN CHAINS, e também por isso, é o melhor da era DuVall. Estavam tocando com uma certa frequência na turnê americana.

 

 

4. "Fly"

 

"Fly" cuidadosamente pisa a linha entre o som clássico do ALICE IN CHAINS com o "forçando" uma música soar clássica. A música tem todos os ingredientes que normalmente fazem uma sólida pista para a banda, mas as guitarras acústicas sendo buscadas por ouvidos plantados no subjetivo, soam seguras demais e um pouco sem inspiração... A música nunca decola onde você quer e possivelmente uma vítima do arranjo musical formulado. Por enquanto, só foi apresentada 01 vez ao vivo, quando o grupo fez uma curta performance acústica no Space Needle, Seattle (2018).

 

 

5. "Drone"

 

"Drone" começa com um balanço lamacento que lembra uma música do SOUNDGARDEN, com a sua guitarra grossa e a linha de baixo forrada por trás. As harmonias vocais nesta canção épica quase o puxam para fora da borda do seu assento, esperando que eles completem o círculo. O trabalho da guitarra de Jerry Cantrell no centro das atenções, toma conta do palco enquanto ele lança um dos melhores solos de guitarra em uma carreira repleta de solos memoráveis! Onde a música anterior sofreu por ser muito segura, “Drone” realmente consegue com a sua arrogância, contratempos e viradas inesperadas.

 

 

6. "Deaf Ears Blind Eyes"

 

Uma coisa que o ALICE IN CHAINS conseguiu consistentemente em mais do que alguns de seus contemporâneos, é criar um clima com a sua música. Suas canções não são apenas músicas, elas são seres vivos que respiram. "Deaf Ears Blind Eyes" é um exemplo brilhante disso - você não ouve apenas os vocais, você os sente. O anseio apaixonado dos vocais de Jerry Cantrell atingiu o local ideal no disco.

 

 

7. "Maybe"

 

A levada à capela deixa a canção mais suave e se baseia no fantástico trabalho vocal de Jerry Cantrell. Conforme revelado em entrevista, "Maybe" é remanescente do 4º trabalho de estúdio do grupo, "Jar of Flies" (1994). Muito bom o grupo liberar canções das antigas em novos discos, assim como foi na música "Voices" (ficou de fora do disco "Alice in Chains" de 1995, e só foi lançada no álbum de 2013) e na canção "Check My Brain", que era um riff das antigas e só viu a luz do dia no álbum de retorno em 2009. Movido de forma acústica, em "Maybe" eles também confiaram menos nas guitarras esmagadoras e mais na simplicidade do rock alternativo. A música é uma grande justaposição em meio a muitas outras canções agressivas no disco e também todo o respeito a Mike Inez, com o seu fantástico trabalho de baixo.

 

 

8. "So Far Under"

 

A 2ª canção a ser lançada antes do lançamento do novo álbum, “So Far Under” vai entrar para a história como o melhor momento de William DuVall. Escrito inteiramente por DuVall, ele disse em entrevista: "A letra é uma avaliação fria e dura de uma situação difícil". Nos 03 álbuns da era DuVall, ele sempre apresentou mais do seu próprio e imenso legado a Layne Staley, mas aqui nesta canção, a confiança e o poder do seu vocal no refrão resistirão ao teste do tempo, como o momento em que ele abre asas no ALICE IN CHAINS - é o disco da era DuVall que o seu vocal soa mais independente (na falta de uma palavra melhor). E esse solo de guitarra?! A marca de DuVall é sentida em todo o álbum, mas este solo de guitarra ele detona mesmo - estavam tocando sempre nos shows, mas ficou de fora nos últimos concertos.

 

 

9. "Never Fade"

 

“Never Fade” é uma ótima versão moderna do som clássico do ALICE IN CHAINS. A música tem um toque moderno, enquanto a abordagem vocal e os efeitos nos versos são uma boa dica do "chapéu" usado em canções da era Staley - como em “Godsmack”. A música é elevada pela seção de ritmo de condução com Sean Kinney realmente a carregando. "Never Fade" tem mais potencial na rádio rock e é a música mais forte do álbum nesse quesito. A forte melodia do refrão e a natureza instantaneamente relacionada das letras, são a tempestade perfeita para outro single forte do ALICE IN CHAINS - também ganhou um videoclipe e vem sendo tocada em todos os shows desde então. Conforme entrevista, as letras falam sobre Layne Staley e Chris Cornell.

 

 

10. "All I Am"

 

"All I Am" traz o álbum para um final em grande estilo. Calma, misteriosa e arrepiante, a música traz consigo uma tristeza discreta. As letras podem ser interpretadas de várias maneiras - ou melhor ainda, possíveis em referência a qualquer número de amigos que o ALICE IN CHAINS conheceu durante toda a carreira. É fácil olhar para essa canção e ver imediatamente Layne Staley ou Chris Cornell como assunto - Cantrell concedeu duas ótimas entrevistas explicando a letra, mas em nenhum momento citou os seus amigos falecidos. Enquanto isso pode ser uma possibilidade, o que é mais importante é que a banda encerra o álbum com uma conclusão épica e como sempre, sincera. 

 

Esperei ansiosamente por "Rainier Fog" e não fiquei desapontado. O álbum é uma adição muito boa ao seu extenso catálogo e no momento atual, pelo que ouvimos até agora, acredito que este seja o álbum cravante da era William DuVall. A química e o conforto da banda realmente aparecem nas músicas e talvez, ter voltado a Seattle para gravar o disco, tenha desempenhado um papel nisso - já que arrisco dizer que "Rainier Fog" soa o mais parecido com o auge da banda, desde o seu retorno em 2009.

 

Em 2018 e com o estado do rock que conhecemos hoje, é aliviante e maravilhoso ver o ALICE IN CHAINS entregando novamente as suas mercadorias.

 

Track-list

 

1. The One You Know

2. Rainier Fog

3. Red Giant

4. Fly

5. Drone

6. Deaf Ears Blind Eyes

7. Maybe

8. So Far Under

9. Never Fade

10. All I Am

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

  • Facebook Social Icon
Mais Recentes

Taylor Hawkins: falando de quando mostrou uma canção de sua autoria para Josh Homme

December 6, 2019

1/5
Please reload

Destaques
Please reload

2016 by RockInTheHead