• by Brunelson

Stone Temple Pilots: "amo a bossa nova e o espírito brasileiro"


Quando o STONE TEMPLE PILOTS estourou na cena com o álbum de estreia em 1992, "Core", a banda foi criticada pela mídia que sentiram que o grupo soava muito semelhante à concorrência: PEARL JAM, NIRVANA e ALICE IN CHAINS.

Mas então aconteceu um fato marcante. STONE TEMPLE PILOTS acabou se tornando uma das bandas de rock mais diversificadas musicalmente falando em comparação aos seus contemporâneos, notadamente quando lançaram o 3º álbum de estúdio, "Tiny Music... Songs From The Vatican Gift Shop" (1996).

Como em 2021 marca o 25º aniversário do lançamento desse disco, a banda está para relançar o álbum com vários bônus contendo sobras de estúdio, gravações demo, 01 música inédita e o show completo realizado em 1997.


* Stone Temple Pilots: banda irá relançar o disco "Tiny Music... Songs From The Vatican Gift Shop"


* Stone Temple Pilots: comemorando o 25º aniversário do disco "Tiny Music..."


* Stone Temple Pilots: confirmado box de relançamento do disco "Tiny Music..."


* Stone Temple Pilots: virá 01 canção inédita no box de relançamento do disco "Tiny Music..."


* Stone Temple Pilots: "queríamos entrar em águas desconhecidas e experimentais", sobre o 3º disco


* Stone Temple Pilots: baterista comenta sobre a gravação do álbum "Tiny Music..."


* Eric Kretz: baterista do Stone Temple Pilots fala da transição do 1º ao 3º álbum de estúdio


* Stone Temple Pilots: áudio inédito da versão demo da canção "Trippin' on a Hole in a Paper Heart"


* Stone Temple Pilots: "a canção 'Tumble in The Rough' mostra como Scott Weiland estava na época"

Em celebração, o site Songfacts entrevistou o baixista e um dos compositores desde sempre do grupo, Robert DeLeo, para conversarem sobre o álbum "Tiny Music...", as histórias por trás de várias canções que foram lançadas no disco, sobre o falecido vocalista original da banda, Scott Weiland, e muito mais...


* Stone Temple Pilots: baixista perguntado sobre os vocalistas da era grunge


* Stone Temple Pilots: baixista perguntado por que os vocalistas do grunge caíram nas drogas

Confira alguns trechos dessa entrevista:

Jornalista: Você conseguia sentir que a banda estava disparando em todos os cilindros criativamente falando, enquanto estavam gravando e compondo o disco "Tiny Music..."?

Robert DeLeo: Disparando em todos os cilindros? Não, mas se você tem música e está comprometido em fazer um disco, você segue em frente e o faz, mas disparar em todos os cilindros, não.

DeLeo: O que gerou foi um álbum interessante e um ótimo momento de sair e se instalar numa casa legal em uma bela propriedade, chamado Westerly Ranch em Santa Ynez, na Califórnia, e me divertir fazendo isso. Você não tem muitas oportunidades de fazer isso na vida e é uma daquelas coisas que olho para trás e realmente aprecio o meu trabalho.


Jornalista: A razão pela qual você disse que a banda não estava disparando em todos os cilindros, foi por causa do uso de drogas de Scott Weiland naquele momento, certo?

DeLeo: Sim. Eu acho que todos nós sabemos disso.


Jornalista: Em qual álbum do STONE TEMPLE PILOTS a banda estava disparando em todos os cilindros, então?

DeLeo: Acho que no 1º disco, "Core". Era tudo ou nada, sabe? Esse álbum e a energia que colocamos nele nos permitiu fazer o próximo disco.

DeLeo: Quando você assina um contrato com uma grande gravadora, é assustador e você não sabe o que vai acontecer a seguir, então, foi ótimo que aquele 1º álbum nos permitiu fazer um 2º e um 3º disco. Eu vejo isso como um momento muito bom agora, tipo, foi ambicioso.


Jornalista: Queria perguntar sobre algumas músicas do disco "Tiny Music...", como a instrumental que abre o álbum chamada "Press Play"?

DeLeo: Todos nós pegamos os instrumentos na sala e Dean DeLeo (guitarrista) tinha um baixo Hagström de 08 cordas muito legal dos anos 60. Ele apenas ligou o baixo e Eric Kretz (baterista) começou a tocar uma batida. O nosso produtor, Brendan O'Brien, tinha um pandeiro e eu estava com a guitarra de Dean... Foi só uma espécie de besteira que estávamos fazendo.

DeLeo: Nós estávamos apenas começando a tocar e Brendan falou: "Isso é legal. Aperte o play (press play)" e Dean veio com o título para a música. É só um pequeno congestionamento sonoro que fizemos...


"Press Play"


Jornalista: E sobre a canção "And So I Know"?

DeLeo: Na época eu estava digerindo profundamente a música bossa nova e realmente me envolvendo nisso, então, foi daí que veio. Eu queria saber se isso deveria ser gravado ou não, mas achei que era uma boa adição ao que estávamos fazendo. Ela veio de realmente na época ter ficado muito ligado na bossa nova e aprender esse tipo de acordes e aberturas.

DeLeo: É um dos estilos de música mais bonitos de se ouvir. É tão puro e quando ouço isso, meio que me coloca em outro lugar. Isso é o que eu amo sobre a bossa nova e o espírito brasileiro, e como eles abordam a música e sua atitude em relação a ela. É hipnótico e é viciante também... É uma música linda.


"And So I Know"


Jornalista: Sobre a música "Big Bang Baby"?

DeLeo: Eu estava pensando naqueles discos antigos de Little Richard, tentando obter uma batida dos anos 50 com o tom e as palmas. Eu tive esse riff vagando na minha cabeça por um longo tempo e foi uma daquelas coisas que eu pensei: "Porra, tenho que encontrar uma maneira de fazer uma música com isso!" (risos)

DeLeo: Eu gostei da maneira como ela ficou gravada... Esta canção se saiu muito bem e ficou divertida.


"Big Bang Baby"


Jornalista: A outra música instrumental, "Daisy"?

DeLeo: Era sobre uma garota específica e eu ter ficado triste com esse tipo de final que ela teve. Eu coloquei uma espécie de tristeza nisso quando a toquei e acho que Dean tocou o slide na guitarra na gravação original. Como todas as músicas, era sobre alguém...


"Daisy"


Jornalista: Sobre a canção "Adhesive"?

DeLeo: Essa é especial. Quando eu escrevi essas músicas, eu não sabia para onde Scott iria liricamente, então, era uma surpresa às vezes ouvir onde ele ia e o que ele escolhia para isso. Às vezes, você escreve uma música e tem uma melodia, mas então, ouve as palavras que Scott colocava nelas e pensava: "Ah, eu não estava realmente pensando nisso, mas ficou ótimo também". Com esta canção, o que ele escreveu e como ele a abordou, foi realmente lindo.

DeLeo: Sempre tento incorporar diferentes instrumentos em nossa música. Eu queria ouvir um tipo de solo de trompete de Herb Alpert e acho que era a música certa para isso. Eu amo o que o cavalheiro músico que tocou nela, Dave Ferguson, fez na canção... Foi muito apropriado.

DeLeo: É uma daquelas coisas quando você escreve uma peça musical, você a tira e a envia para o universo. Eu realmente não volto e ouço a minha música, mas quando alguém embeleza e adiciona algo a ela, você consegue ouvir a sua música ao invés de apenas criticá-la... Foi uma boa jornada gravar esta canção.


"Adhesive"


Jornalista: Qual música do STONE TEMPLE PILOTS pareceu fazer a maior conexão com os fãs?

DeLeo: Eu acho que a canção "Plush" fez esta conexão (1º disco). A música "Big Empty" e também "Interstate Love Song" (ambas do 2º disco, "Purple", 1994)... Algumas das nossas canções tiveram essa conexão.


"Big Empty"


Jornalista: Qual foi o videoclipe mais memorável que o STONE TEMPLE PILOTS fez?

DeLeo: Gosto do clipe da canção "Vasoline" (2º disco). Nesse vídeo, tínhamos muitas ideias e elas estavam surgindo naquela hora. Tínhamos tantas ideias diferentes que acho que fizemos 03 versões diferentes desse videoclipe.

DeLeo: Eu realmente gosto desse clipe, pois possui uma certa vibe nele... Tive que me vestir como um palhaço e também teve muita coisa legal para fazer.


"Vasoline"


Jornalista: Um vocalista que também gostei muito foi Shannon Hoon do BLIND MELON, pois vi algumas semelhanças com Scott Weiland.

DeLeo: STONE TEMPLE PILOTS chegou a tocar com eles em festivais e shows, e Shannon parecia uma pessoa muito legal. Ele foi um dos primeiros a nos deixar (Shannon Hoon morreu em 1995 de overdose de cocaína no ônibus de turnê), mas esses caras sempre foram pessoas muito, muito legais.

DeLeo: Talvez no aspecto comportamental havia semelhanças entre Shannon e Scott, talvez não no que diz respeito ao canto, mas acho que o vício acaba colocando todos no mesmo lugar, não é? É triste...


Jornalista: Você se lembra de alguma coisa sobre o STONE TEMPLE PILOTS fazendo shows com o BLIND MELON em 1993?

DeLeo: Junto com Neil Young... Aquele show foi meio confuso quando o STONE TEMPLE PILOTS tocou com Neil Young e BLIND MELON em 11 de setembro de 1993, na Sports Arena em Los Angeles. Só o fato de que estávamos recentemente em nossa carreira e tocando com alguém como Neil Young, tipo, meu Deus! Esse era o tipo de coisa que você sonhava, sabe? Nós tivemos a sorte de tocar com muitos de nossos ídolos e pessoas que ouvíamos enquanto crescíamos. Essa é a coisa mais gratificante na música para mim: conviver. Ou, como Joe Walsh diria (guitarrista do EAGLES): "Agitando o ninho de vespas" com algumas pessoas com as quais escutávamos os seus discos enquanto crescíamos.


Jornalista: Se você não está familiarizado com o 2º e último álbum do BLIND MELON com Shannon Hoon, chamado "Soup" (1995), eu recomendo fortemente que você dê uma escutada. Semelhante ao álbum "Tiny Music..." do STONE TEMPLE PILOTS, ele também é muito variado musicalmente. Há uma canção de bossa nova, uma música country, uma canção folclórica, jazz e etc...

DeLeo: Tenho que verificar isso. Obviamente, são muitas influências diferentes em 01 banda só e é sempre divertido ouvir coisas assim.


Jornalista: Finalizando, para alguém como eu que é fã de música, sempre me pergunto o que pessoas como Scott Weiland e Shannon Hoon ainda teriam feito se não tivessem se envolvido em drogas?

DeLeo: As pessoas acham que as drogas melhoram o que você está fazendo, mas acredite em mim, no final das contas elas realmente atrapalham.

  • Facebook Social Icon
Mais Recentes
Destaques