• by Brunelson

Stone Gossard: "Nirvana me surpreendeu devido a sua natureza, simplicidade e franqueza"


O guitarrista de bandas como PEARL JAM, MOTHER LOVE BONE e GREEN RIVER, Stone Gossard, foi entrevistado pela Audio Ink Radio e dentre vários assuntos, ele falou sobre os seus parceiros musicais e como era fazer parte da cena inicial de Seattle em meados dos anos 80.


* Pearl Jam: "minha esperança é que aconteçam alguns shows no 2º semestre de 2021"

Seguem alguns trechos:

Stone Gossard: Então, acho que é uma história surpreendente e emocionante para contar e a música fala por si só, quero dizer, de novo, você pode simplesmente dizer: "Isso foi legal pra caralho!", você me entende? Não preciso realmente pensar muito sobre isso, pois as músicas falam por si.

Gossard: Os arranjos das canções e o impacto daquelas primeiras audições... Quando eu já estava no MOTHER LOVE BONE, o nosso baterista era Greg Gilmore e tocamos juntos durante todos os 03 anos em que a banda ficou ativa e posso lhe dizer, ele tinha uma das melhores batidas que eu já ouvi e era nos shows onde ele apenas liberava toda a sua envergadura.

Gossard: Acho muito divertido estar envolvido em ajudar a desenterrar essas coisas, divulgá-las para ver a luz do dia e poder falar sobre isso, porque na época eu estava "atrasado" em relação ao que estava rolando em Seattle, porque eu não era punk. Você sabe o que eu quero dizer? Eu fui e vi muitos shows de punk rock e realmente estava começando a gostar, mas eu estava sempre procurando o meu próprio caminho ou algo assim...


Jornalista: Você acha que é mais difícil para os músicos divulgarem e serem notados hoje porque o mercado está saturado devido a internet, ou você acha que é mais fácil porque qualquer um pode lançar a sua música?

Gossard: Eu não faço ideia (risos)... Sinceramente, no grande esquema de visões objetivas sobre o que é difícil e não difícil, é exatamente como acontecia antes em Seattle. Ninguém pensava que você poderia lançar um disco, você sabe o que eu quero dizer? Sempre há períodos em que você pensa que nada vai funcionar ou está difícil - e sempre foi difícil.

Gossard: Essa jornada para ser notado, ter sucesso, encontrar a combinação certa de pessoas, estilos ou influências que criam algo que deixa as pessoas empolgadas com a sua banda, é pura alquimia, mágica, então, eu acredito apenas nisso, como: "Confie em seu ambiente local, que as pessoas que você conhece e já está cercando você, são as mesmas pessoas com as quais você pode se conectar. São as mesmas pessoas com quem você já estava e conhece! (risos)"

Gossard: Então, eu acredito que tudo o que você precisa está normalmente por perto. É o tipo de poder de colaboração e o poder de encontrar um terreno comum com outras pessoas com as quais você se conecta e trabalha nisso. Eu tenho o meu próprio selo/gravadora desde 1994, Loosegroove Records, mas ainda não estouramos no mercado um grande artista, quero dizer, bom, nós meio que ajudamos a lançar o QUEENS OF THE STONE AGE com o álbum homônimo de estreia deles em 1998.

Jornalista: Você já pensou em lançar algum material do MOTHER LOVE BONE pela Loosegroove Records, algo que talvez ainda não tenha sido lançado ou um lado-b?

Gossard: Eu não sei se há algum lado-b do MOTHER LOVE BONE que já não tenha sido lançado. Eu acho que o box do MOTHER LOVE BONE que foi o nosso último lançamento, provavelmente tinha a maioria das raridades que existiam, mas acho que olhar para frente e olhar para trás são duas coisas que gosto de fazer e já com uma certa idade que tenho, possuo muitos contatos e amigos que têm os seus projetos com os quais tenho alguma história ligada, sabe?

Jornalista: Vendo que bandas como GREEN RIVER e MOTHER LOVE BONE estavam na gênese de toda a cena de Seattle que estava brotando, você se surpreendeu que a sua próxima banda, PEARL JAM, se tornasse um grupo de alcance mainstream e extremamente popular?

Gossard: Sim! (risos) Tudo aquilo foi uma surpresa... Quero dizer, você sai do colégio e começa a sonhar em estar em bandas de rock e tudo o que você quer é poder fazer uma turnê ou vender alguns discos, o que é muito divertido e você fica criando músicas. É como se não houvesse nada mais empolgante do que pensar que você tem tudo do que precisa na vida apenas por ter uma guitarra, baixo ou bateria com alguns amigos, apenas tocando em seus instrumentos, criando riffs, letras, arte, esquemas e sonhando com várias maneiras de apresentar tudo isso, tipo, que você pode criar uma vida, você pode criar um emprego ou pode criar alguma renda para si mesmo... Além de ser algo que o tira da cama todos os dias e o deixa animado com a vida.

Gossard: Então, isso aconteceu com o PEARL JAM e tudo começou no MOTHER LOVE BONE... Claro, tudo começou antes com o GREEN RIVER e imediatamente as pessoas estavam vindo nos ver. As coisas estavam meio que... Eu estava sendo recompensado muito rapidamente por apenas tocar, de uma forma ou de outra, você me entende?

Gossard: Na verdade, esses dias atrás eu estava conversando com Greg Gilmore sobre as bandas da época, como SOUNDGARDEN e NIRVANA, e ele disse que ficou surpreso que essas bandas se tornaram gigantes, mas não ficou surpreso com o PEARL JAM, porque ele estava nos assistindo em nosso 1º show e sentiu que havia algo especial.

Gossard: E isso foi interessante de saber, tipo, levei 01 minuto para... Quero dizer, estávamos ouvindo bastante o SOUNDGARDEN na época e NIRVANA pra mim era, tipo, quando comecei a ouvir os seus lançamentos nos anos 80 (álbum de estreia, EP e singles), me surpreendeu por causa da natureza, simplicidade, franqueza e o tipo de dinâmica que o NIRVANA tinha.

Gossard: Mas pra mim, PEARL JAM era mais complexo em relação ao NIRVANA. Não tínhamos sido descobertos ainda e não foi devido a 01 coisa só por termos conseguido, foi meio que um monte de coisas juntas e antes de tudo eu não tinha certeza do que iria acontecer com a banda.

  • Facebook Social Icon
Mais Recentes
Destaques

2016 by RockInTheHead