Anos 90: Top 10 Álbuns Sucessores ao Disco de Estreia

February 14, 2018

Você conhece aquela velha história sobre o 1º álbum de uma banda? Você sabe, para muita gente o 1º disco que um grupo lança, geralmente é considerado o melhor da discografia. Sabemos que o 1º álbum de uma banda é o resultado de todo o sufoco inicial que um grupo de rock passa, tocando em lugares precários sem estrutura, som e público, muitas vezes não ganhando nada na saída. Se trata de um período que a banda vai aperfeiçoando a sua arte muito antes que o glorioso contrato de gravação caia em seu colo. Muitas vezes, a estreia de uma banda é uma coleção de tudo o que eles testaram na estrada ao longo do caminho e não se engane, se o disco de estreia é poderoso, tem gente que nem coloca para tocar o álbum sucessor, o 2º disco da banda...

 

Então, quais foram as bandas dos anos 90 que tiveram uma estreia matadora (cada uma ao seu nível), e mesmo assim, lançaram uma sequência furiosa, quiçá, ao mesmo nível ou maior que do 1º disco? Quais as bandas que foram relevantes ao seu público com os seus discos de estreia e depois, montaram numa onda de impulso que aumentou a sua gama? Quais as bandas que ao gravarem o seu 2º álbum, estavam experimentando aquela euforia crítica e comercial pela 2ª vez?

 

Com base nos anos 90, será disso que vamos falar hoje, de um Top 10 Álbuns Sucessores ao Disco de Estreia, ou seja, o 2º álbum da discografia de uma banda, com critérios em base e sucesso comercial do álbum e onde o disco se encontra na própria discografia da banda:

 

 

10. TOOL- Álbum: “Aenima” (1996)

 

TOOL sempre na sua própria liga... “Aenima” se destaca por ser o disco mais estranho dessa lista, mas de uma maneira maravilhosa! TOOL dominou a arte de misturar ritmos progressivos e complexos com um sulco insaciável, de uma maneira que muitas vezes foi imitada pelos seus sucessores. Para este 2º disco, o vocalista Manyard James Keenan e a sua gangue construíram uma fundação e criaram a sua própria marca. Em qualquer momento, a guitarra, baixo e bateria podem estar tocando melodias contrárias em assinaturas conflitantes de tempos, mas de alguma forma sempre segura sem deixar vazar nada e funcionando de forma perfeita. Músicas como "H", "46 & 2" e "Stinkfist", descansam confortavelmente como algumas das canções de rock mais bizarras e deliciosas que você pode consumir.

 

Confira o vídeo clipe da música "Stinkfist", lançada no disco "Aenima":

 

9. JANE’S ADDICTION – Álbum: “Ritual de lo Habitual” (1990)

 

Marquem as minhas palavras. Nunca mais haverá uma banda tipo o JANE’S ADDICTION. O álbum de estreia, “Nothing’s Shocking”, provou o grupo nos mais renomados círculos internos, com uma seção rítmica que faria John Paul Jones e John Bonham ficarem atentos - e um louco absoluto no vocal, Perry Farrell. JANE’S ADDICTION é como uma estrela cadente e o 2º disco da banda é como olhar diretamente para essa estrela e deixá-la lhe consumir. A mais alternativa de todas as bandas alternativas, JANE’S ADDICTION saiu no topo após inaugurar o Lollapalooza Festival, onde levaram este 2º álbum aos palcos. Desde a capa censurada do disco ao hino do rock, a canção "Been Caught Stealing", tudo sobre esse álbum grita pelo “alternativo” e ajudou a abrir caminho para a explosão cultural da música rock no início dos anos 90.

 

Veja o vídeo clipe da música "Been Caught Stealing", lançada no disco "Ritual de lo Habitual":

 

8. WEEZER – Álbum: “Pinkerton” (1996)

 

Admito que este álbum está fora da casinha aqui nessa lista. Não há dúvida de que não é uma obra-prima absoluta de um disco, mas na verdade é um álbum que define uma banda. Foi uma época que o WEEZER aperfeiçoou o seu ofício, que o vocalista/guitarrista, Rivers Cuomo, obteve todas as letras e cada nota completamente perfeitas. Vindo do caos do álbum de estreia em 1994, o mesmo clima permeia o ar com a música de abertura nesse 2º disco, “Tired of Sex", fazendo você percorrer todo esse belo caminho até chegar na linda e melancólica canção, "Butterfly" - o álbum é nota 10! Após o seu lançamento em 1996, o disco caiu logo de cara na graça do povo. Com o passar dos anos, hoje, “Pinkerton”, ame ou odeie, é uma obra-prima e qualquer fã irá admitir - e a banda sabia disso desde a 1ª vez que ouviram. Mesmo com a revista Rolling Stone elegendo-o como um dos piores álbuns de 1996, apenas para se retratar completamente anos mais tarde. Às vezes, o que você obtém não é o que você quer no momento, mas no final é exatamente o que você precisava. Esta explicação é a única maneira que eu posso descrever corretamente o disco “Pinkerton”, maravilhoso e que induz à ansiedade.

 

Veja o vídeo clipe da música "The Good Life", lançada no disco "Pinkerton":

 

7. FOO FIGHTERS – Álbum: “The Colour and The Shape” (1997)

 

Você pode fazer o argumento de que para Dave Grohl e a sua trupe, o 2º disco, “The Colour and The Shape”, é o álbum de estreia da banda em relação ao disco lançado em 1995 - onde Grohl gravou todos os instrumentos sozinho e depois sim montou a sua banda. Mas ainda assim, este esforço quase solo é o 1º álbum de estúdio do FOO FIGHTERS, onde no 2º disco obtivemos a banda completa em exibição (Dave também gravou a bateria), bem como algumas das melhores produções por Gil Norton, conhecido pelo seu trabalho no PIXIES. Este 2º álbum continua a ser um disco intrigante ao longo de 02 décadas, em grande parte porque estabeleceu as bases para cada álbum que o FOO FIGHTERS iria lançar no futuro. Enquanto algumas bandas esperam 07 ou 08 discos para olharem para trás e incorporar tudo o que fizeram em um alento de "renascimento", o FOO FIGHTERS cobriu uma enorme quantidade de território sônico, expandindo as suas já provadas e difíceis inclinações, ao abrir melodicamente grandes portas. O álbum continua sendo um dos favoritos entre os fãs e provou que a banda era o mais novo herói do rock naquela época (ano em que o grunge acabou, SOUNDGARDEN encerrando as atividades, ALICE IN CHAINS se apagando em hiato e o STONE TEMPLE PILOTS entrando em silêncio por 02 anos devido a problemas com o seu vocalista), nos fornecendo clássicos como as músicas: "Everlong", “Monkey Wrench" e "My Hero".

 

Confira o vídeo clipe do hit "Everlong", lançada no álbum "The Colour and The Shape":

 

6. SMASHING PUMPKINS – Álbum: “Siamese Dream” (1993)

 

Billy Corgan (frontman) descreveu o álbum de estreia do SMASHING PUMPKINS, “Gish” (1991), como um disco instrumental que tinha ganhado letras - você pode perceber o que ele quer dizer se você desfrutar de uma boa audição. O disco de estreia possui certas "jam sessions", quase um sonho lisérgico, tanto que nos dá a sensação de ser um álbum com 01 música somente e não uma coleção de canções. Com o lançamento do 2º disco, “Siamese Dream”, Corgan tomou de vez o seu amor pela instrumentação eclética, rica e mergulhou fundo nas suas letras. Também é nítida a sequência de como o início de "Siamese Dream" se encaixa com o final do álbum de estreia, mas dessa vez virá um disco matador e que irá definir a era em que ele foi lançado. Canções clássicas como "Cherub Rock", "Disarm" e o hit "Today", permanecem como uns dos favoritos entre os fãs da banda, bem como verdadeiros grampos para as rádios de rock e alternativas pelo mundo a fora.

 

Confira o vídeo clipe da música que abre o disco "Siamese Dream", "Cherub Rock":

 

5. RAGE AGAINST THE MACHINE – Álbum: “Evil Empire” (1996)

 

Depois da sua estreia em 1992, o grupo socialmente consciente aperfeiçoou a sua arte musical criando um rapcore (BEASTIE BOYS manda lembranças) marcante e funkeado, mas foi nesse 2º disco, “Evil Empire”, que a banda se elevou para mais 01 degrau. Sem dúvida, o álbum de estreia definiu o som do RAGE AGAINST THE MACHINE, mas o grupo evitou a escolha mais óbvia e fácil de repetir o seu ataque comprovado e criou algo completamente fora da linhagem na época. Aqui, eles soam menos como uma banda de rock e mais como uma fábrica de sons. São gritos únicos, criando sonoridades que lhe faz pensar se tudo está sendo feito realmente por guitarra, baixo e bateria, criando uma imaginação ilimitada e nunca antes uma banda criando uma obra-prima com tão pouca consideração pelas normas. Este argumento ainda pode ser feito nos dias de hoje, com a música "Bulls on Parade" sendo uma das canções de rock mais marcantes dos anos 90.

 

Confira o vídeo clipe da música "Bulls on Parade", lançada no disco "Evil Empire":

 

4. NIRVANA – Álbum: “Nevermind” (1991)

 

Seria a 1ª da lista, mas resolvi sair do clichê. Praticamente qualquer lista alternativa vai mostrar algo relacionado ao NIRVANA... O disco de estreia, “Bleach” (1989), e o último álbum da banda, “In Utero” (1993), não são musicalmente inferiores a “Nevermind”. Um é apenas a calma antes da tempestade e o outro após as consequências. “Nevermind” é mais um movimento cultural do que um álbum nos dias de hoje. No entanto, quase 27 anos depois, ainda não lançaram nenhum disco que tenha feito a reverberação de um impacto maciço, assim como esse clássico do rock’n roll ocasionou em todo o planeta no ano de 1991.

 

Confira o vídeo clipe da canção "Lithium", um dos hinos de "Nevermind":

 

3. STONE TEMPLE PILOTS – Álbum: “Purple” (1994)

 

Como você acompanha um álbum de estreia certificado 08 vezes com Disco de Platina, que apresentou a banda ao mundo com o hit "Plush" (ganhador do Grammy e de múltiplos prêmios) e explodindo na música mainstream durante uma mudança completa da guarda musical? Foi o que o STONE TEMPLE PILOTS teve que passar em 1994, com o lançamento do seu 2º álbum de estúdio, “Purple”. Clássicos do rock’n roll como as canções "Interstate Love Song", "Vasoline" e "Big Empty", servem como apenas 03 demonstrações desse disco matador. Os críticos podem ter acusado a banda de saltarem no vagão do grunge quando estrearam em 1992, mas ao amanhecer com “Purple”, nenhum deles poderiam imaginar o impacto e poder de permanência que o STONE TEMPLE PILOTS possui.

 

Confira um dos hinos do grunge lançado no disco "Purple", o vídeo clipe da música "Interstate Love Song":

 

2. PEARL JAM – Álbum: “Versus” (1993)

 

O que mais há para falar do álbum de estreia, “Ten” (1991)? Você não pode pensar sobre o grunge ou o rock dos anos 90, sem passar pelo PEARL JAM. E na medida que as estreias vão caminhando por décadas, “Ten” é tudo de bom - mas também um disco polido. O PEARL JAM sentiu isso quando relançaram o disco de estreia em 2011, remixado 100% por Brendan O’Brien para obter aquela sonoridade crua dos seus discos e performances ao vivo. Esta atitude já havia começado quando foram gravar o 2º disco, “Versus”, o qual tomou tudo o que o PEARL JAM fez com perfeição na 1ª vez e moldou para essa perfeição brotada no 2º álbum. Um rock’n roll pesado e um pouco mais duro, com momentos mais suaves em canções como “Daughter”, “Elderly Woman Behind The Counter in a Small Town” e “Indifference”, mostrando uma vulnerabilidade atraente para o disco. “Versus” funciona tão bem, devido à tensão subjacente que você sente enquanto o escuta. Às vezes, o ambiente parece soar um pouco desarticulado e a música que abre o disco, "Go", realmente te leva para algum lugar, uma outra dimensão onde você provavelmente não estava esperando entrar depois de “Ten”. Para não mencionar as músicas "Animal" e "Rats", esse 2º disco acopla clássicos da vida do PEARL JAM e dos fãs. Ele pode não soar tão amigável quanto o disco de estreia, mas não há dúvida quanto ao seu nível, abastecido por uma vibração temperamental e musicalidade agressiva.

 

Confira o áudio da pedrada "Go", abrindo o disco "Versus":

 

1. ALICE IN CHAINS – Álbum: “Dirt” (1992)

 

Com a exceção de “Pinkerton” do WEEZER, o disco “Dirt” é o álbum mais definitivo nessa lista que narra a banda que o lançou. ALICE IN CHAINS balançou as paradas com “Dirt” e ligaram a sua eletricidade de vez! Por toda a glória dos 04 grandes do grunge, vocalmente (não me refiro a melhor ou pior tecnicamente), Layne Staley sentou-se 01 degrau acima do resto. Ele era um compositor de canções do calibre de Chris Cornell ou Eddie Vedder? Não, mas ele não precisava ser, ainda mais com Jerry Cantrell ao seu lado apenas compondo hinos do grunge que ficariam marcados na história do rock, canções como "Would", "Rooster" e "Damn That River". Tudo simplesmente flui no álbum “Dirt”, sendo um disco temperamental, triste e às vezes, deprimente, mas de uma maneira possível que mais parece nos estimular - como na beleza e horror simultâneos na música "Down in a Hole", o humor sardônico na canção "Hate to Feel", o “chuta-a-porta-de-entrada” com a porrada "Them Bones" e que mantém o pedal acelerado até o seu final (lembrando que “Dirt” sucedeu simplesmente o álbum que fez a banda ficar conhecida no mundo inteiro, com o hit “Man in The Box”). ALICE IN CHAINS possui um belo de um histórico e em breve irão lançar o seu novo álbum, mas hoje, contam com 07 trabalhos de estúdio (05 discos + 02 belos e surpreendentes EP’s), além do acústico da MTV que também se tornou num dos clássicos de todos os tempos. Por toda a glória daquele tempo e com uma glória marcada na história e ressoando até os dias de hoje, “Dirt” retrata perfeitamente a época no imaginário do ouvinte, lhe transportando numa cápsula do tempo até aqueles dias, sendo possível reviver e até sentir o cheiro das coisas... O som que você ouve é o som de uma banda em fogo absoluto, escuro, feroz e perdoando o trocadilho, sujo. As pessoas falam que é difícil apanhar relâmpagos em uma garrafa... Bem, elas talvez não escutaram ainda esse 2º álbum de estúdio do ALICE IN CHAINS, “Dirt”.

 

Dentre vários hinos/relâmpagos que "Dirt" possui, segue o vídeo clipe da canção "Them Bones" e que abre o disco:

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

  • Facebook Social Icon
Mais Recentes

Soundgarden: viúva de Cornell processa a banda; revelado os nomes das canções inéditas

December 11, 2019

1/5
Please reload

Destaques
Please reload

2016 by RockInTheHead