top of page
  • by Brunelson

Michael Stipe: vocalista cita o livro que se tornou modelo para o R.E.M.


Por trás do brilho do R.E.M. é sempre uma sensação de aventura e cenários cinematográficos.

A sua musicologia oferece muito o que refletir e o grupo pode muito bem ter sido inovador e progenitor chave do rock alternativo e independente - devido a sua longa parceria underground na década de 80, quando já estava em plena ascensão e evidência.

Mas antes do PEARL JAM, foi o R.E.M. que resolveu ter a liberdade de verbalizar o "não" para a sua nova e super gravadora e veículos de comunicação, se retirando das turnês para conservar a sua saúde mental e manter a boa convivência entre os seus integrantes.


E essa atitude foi colocada em prática justamente quando o R.E.M. havia lançado 02 dos seus maiores álbuns de sucesso no mainstream, "Out of Time" (7º disco, 1991) e "Automatic For The People" (8º disco, 1992).

A esse respeito, um livro revelou-se fundamental. Sobre o romance seminal do autor Jack Kerouac, "On The Road" (1957), está o seguinte testemunho de Bob Dylan: “Esse livro mudou a minha vida como mudou a de todo mundo”.


Na verdade, Dylan não está colocando palavras na boca dos outros por ser tão generalizado, pois realmente esse livro também foi citado por David Bowie, pela vida de toda uma população do bairro Greenwich Village em New York, e pelo vocalista Michael Stipe e dos seus amigos que fizeram parte da vida do R.E.M.

Assim como Stipe havia explicado uma vez para o site One Grand Books: “Esse livro se tornou o modelo para a minha banda. Explorar o país e fazer tudo, se divertindo muito em nossos próprios termos e nos de mais ninguém... Viva a vida!"

Na verdade, o senso vívido de Kerouac de levar a vida até a medula e até as amargas dificuldades, pode glamourizar a ideia de uma vida de aventura com a qual estar em uma banda se alinha. Há um sentimento artístico que parece ter contagiado o R.E.M. e Kerouac disse a famosa frase que passou 07 anos na estrada e voltou para escrever este romance em apenas 03 semanas. Essa natureza frenética aparece nos trabalhos do R.E.M. e é inegável que o ritmo lírico dessa prosa se mostra inebriante quando entra nas músicas do grupo.

Essa vivacidade é um talento que o R.E.M. sabia aproveitar muito bem.

Por exemplo, na canção "Nightswimming", há uma vulnerabilidade ousada e desprotegida na performance vocal e nas palavras de Stipe, com a melodia tocando tão naturalmente em nossa psique, que parece que você poderia começar a sair flutuando por aí... Então, a coisa toda parece tão naturalista que dá as boas-vindas à aventura como o personagem nas letras da música é citado, de algum observador noturno à beira de um lago.


Isso, por si só, é decididamente Kerouaciano.

Então, talvez o mestre literário não tenha inspirado apenas o R.E.M. para se formar e chegar lá, mas o seu estilo e natureza expressiva se infiltraram na arte que eles mais tarde evocariam nas suas canções.


"Nightswimming" (Disco: "Automatic For The People")










Yorumlar


Mais Recentes
Destaques
bottom of page