• by Brunelson

O método que David Bowie, Thom Yorke e Kurt Cobain usaram para escrever as suas letras


Assim como aconteceu com a literatura e as belas artes, a composição de canções entrou ostensivamente em um segundo renascimento durante o século 20. Este último renascimento parece dar uma guinada em direção à arte de vanguarda e surrealista.


A mudança talvez tenha começado com a literatura experimental no início do século 20, como James Joyce empurrando os limites da convenção lingual. Mais tarde, Salvador Dalí estaria derretendo os seus relógios em galhos de árvores e apenas algumas décadas depois, os BEATLES estariam no estúdio experimentando loops de bateria tocando fitas-cassete de forma invertida para criar a sua famosa música psicodélica "Tomorrow Never Knows".

O século 20 estava abrindo os olhos para ideias abstratas, muitas vezes com a ajuda de drogas psicodélicas expansivas que pareciam alimentar esse período de mudança social e artística - especialmente a partir do início dos anos 60.

Com essa estranheza crescente no mundo da arte, os músicos procuravam manter as suas letras únicas e atraentes, de modo a suspender as suas cabeças acima das águas da normalidade que estavam se aprofundando o tempo todo. Seria durante a década de 60 que receberíamos alguns dos maiores compositores de todos os tempos com nomes como Bob Dylan e a parceria de John Lennon e Paul McCartney fazendo as suas vozes serem ouvidas.

Essa explosão de talento artístico na música foi naturalmente resultado da expansão das capacidades de gravação da música para consumo comercial, mas os melhores compositores dessa geração eram, na maioria das vezes, discípulos da nova revolução literária pós-realista que estaria entrando em cena.


O empírico criando forma do que eles foram alimentandos na infância, adolescência e juventude...

Outra mudança crucial que ocorreu nas décadas de 50 e 60 e que adicionaria combustível ao fogo da arte abstrata, foi o trabalho do escritor americano William S. Burroughs. Como uma figura de destaque da chamada "Beat Generation" de boêmios não-conformistas, Burroughs estava sempre em busca de métodos pioneiros de produção de sua arte literária e visual. Além do seu catálogo seminal de romances e contos, Burroughs concebeu a sua famosa técnica de "cut-up", que foi gerada como um método para estimular a imaginação e evocar ideias inconscientes.

Essa técnica surrealista que ele desenvolveu ao lado do artista Brion Gysin, é realizada recortando palavras, frases e trechos de frases de jornais, livros e da própria escrita. Em uma “técnica de montagem”, como Burroughs colocou, os fragmentos são espalhados aleatoriamente e rearranjados em frases abstratas. O método foi usado principalmente para conceder "dicas", mas mais tarde, ele introduziu o conceito de gravação de áudio e produção de filmes que trouxe mudanças inspiradoras para a mídia de vanguarda.

Esse método revolucionaria a arte na maioria das formas ao longo do final do século 20, mais significativamente na música. Embora muitos de nós possamos não estar familiarizados com o método de Burroughs, todos testemunhamos os impactos florescentes que ele teve em alguns de nossos artistas favoritos.


O método ainda é usado até hoje, mas um dos primeiros exemplos da influência de Burroughs na música popular foi quando os BEATLES incluíram o seu rosto na colagem que apareceu na capa do álbum "Sgt. Peppers Lonely Hearts Club Band" (8º disco, 1967). Ele tinha sido uma clara inspiração para os BEATLES e a sua defesa da maravilha literária parecia se espalhar a partir daí.

Apenas alguns anos depois, Mick Jagger estaria em exílio fiscal no sul da França com os ROLLING STONES. Ao procurar desesperadamente por inspiração para algumas canções para terminar o álbum "Exile on Main Street" (10º disco, 1972), Jagger supostamente empregou o método de corte de Burroughs (cut-up) para produzir algumas das suas letras.

Também nessa época, David Bowie era conhecido por ocasionalmente se inspirar para algumas de suas letras usando a técnica de "cut-up" e ele explicou como ele abordaria isso em uma entrevista de 2008: “Você escreve 01 ou 02 parágrafos descrevendo assuntos diferentes, criando uma espécie de lista de 'ingredientes da história', suponho, e então, você corta as frases em seções de 04 ou 05 palavras, misture-as e reconecte-as”.


Uma música do NIRVANA que expõe literalmente a explicação acima de David Bowie, é "On a Plain" (2º disco, "Nevermind", 1991) - claro, além de praticamente todo o seu "espólio".

Kurt Cobain, eterno frontman do NIRVANA, também foi outro discípulo dessa técnica. Certa vez, o crítico de música, Jim Derogatis, citou Cobain numa entrevista, se referindo: “As minhas letras são totalmente cortadas. Pego versos de diferentes poemas que escrevi, construo um tema, mas às vezes nem consigo ter uma ideia do que se trata tal música”.


* Nirvana: a carta de Kurt Cobain a William Burroughs para participar do clipe de "Heart Shaped Box"

Como um exemplo mais recente, diz-se que o vocalista do RADIOHEAD, Thom Yorke, usou esse método para a sua virada abstrata e experimental da obra-prima do fim do milênio, o álbum "Kid A" (4º disco, 2000).

Por fim, esses artistas mencionados acima são apenas a ponta do iceberg como exemplos famosos de onde a influência do escritor William Burroughs se espalhou, através do nosso estilo de música mais querido nos últimos 60 anos, o rock'n roll.

  • Facebook Social Icon
Mais Recentes
Destaques