• by Brunelson

Ramones: Top 10 covers lançados pela banda


Alguns artistas são capazes de fazer cover de uma infinidade de músicas diferentes e torná-las suas, enquanto outros simplesmente não conseguem.


A banda de New York criadora do punk rock, RAMONES, foi certamente um dos artistas que podem torná-las suas, assim como prova esta lista que o site rockinthehead preparou.


O som singular do grupo sempre reuniu elogios e escárnios iguais, à medida que o seu som - direto como o fio de uma navalha cortante - provou ser a trilha sonora do nascimento do punk rock. E a julgar pelo contrário, através dessas interpretações aqui listadas está claro que o grupo era mais do que somente a maravilha de três acordes que conhecemos em geral.


É uma lista de bandas e artistas conceituados que os RAMONES fizeram covers e lançaram oficialmente em seus álbuns de estúdio, como Bob Dylan e Tom Waits, a THE DOORS e THE WHO. Não importa de quem seja, você pode garantir que nos primeiros compassos de qualquer música, saberá logo de cara que é os RAMONES.


Este som único fez da banda o patriarca do punk rock e ajudou a estabelecer o seu lugar no mundo da música - já incluído com honrarias ao Rock'n Roll Hall of Fame desde o início deste século. O material da banda também permite aos RAMONES tocar qualquer música do mundo e torná-la verdadeiramente sua, o que sempre foi o sinal de um grande grupo.


Com isto, o site rockinthehead resolveu selecionar os Top 10 covers feito pelos RAMONES, relacionado abaixo em forma cronológica:



Música: "California Sun"

Álbum: "Leave Home" (2º disco, 1977)


Em 2001, os álbuns de estúdio dos RAMONES haviam sido relançados com a adição de músicas inéditas e conhecidas através de demos, sobras de estúdio e performances ao vivo. E no livrinho que acompanha o relançamento do álbum "Leave Home", além de várias fotos inéditas incluídas, consta também uma resenha escrita pela socióloga, jornalista e assistente social americana, Donna Gaines. Nesta resenha ela cita várias entrevistas com os RAMONES.


O grupo sempre se auto-denominou como "uma banda americana", patriótica, pateta, inocente, mas ainda durões. E o que poderia ser mais americano do que surfar?


De acordo com o guitarrista Johnny Ramone (retirado da resenha citada acima): "A surf music foi uma grande influência na América". Assim, o clássico da banda THE RIVIERAS, a canção "California Sun", foi uma escolha natural de toda a banda para que a mesma fosse incluída no disco "Leave Home".


"Nós ficamos todos fãs da surf music", disse o vocalista Joey Ramone.

Música: "Do You Wanna Dance"

Álbum: "Rocket to Russia" (3º disco, 1977)


Apesar de ser um cover, a canção “Do You Wanna Dance” é um dos destaques deste incrível álbum, um cover clássico originalmente gravado pelo cantor Bobby Freeman - depois pelo BEACH BOYS e por Bete Midler - mas nunca com semelhante alegria descontrolada pelos punk rockers dos RAMONES. A música foi lançada como single no começo de 1978 nos EUA e na Inglaterra, com músicas raras no lado B - nos EUA, “Babysitter”; na Inglaterra, “It’s a Long Way Back to Germany”.


A canção "Do You Wanna Dance" também foi trilha sonora do filme estrelado pelos RAMONES, "Rock 'n' Roll High School" (1979).

Música: "Surfin' Bird"

Álbum: "Rocket to Russia" (3º disco, 1977)


Provavelmente uma das canções mais perfeitamente elaboradas para os três acordes dos RAMONES. "Surfin' Bird", um cover de sucesso da banda THE TRASHMEN de 1964, tinha encontrado a sua fama no repertório de clássicas dos RAMONES nos shows.


Esta é uma situação no mínimo curiosa, onde além dos RAMONES novamente tornar a canção como sua, nos fazem esquecer que o original já existiu.


Outro grande destaque do álbum, "Surfin' Bird" é uma música arrasadora de público com o seu vocal: “Papa um mau mau” e o riso insano e gutural da pausa – escolhido depois que os RAMONES ouviram a banda THE CRAMPS tocando uma versão igualmente rouca.


“Tivemos de gravar a canção ‘Surfin Bird’ algumas vezes”, disse uma vez o fiel engenheiro de som e produtor dos RAMONES, Ed Stasium, ao jornalista David Fricke da revista Rolling Stone. “Acho que Joey Ramone não estava cantando sozinho na faixa básica e é difícil seguir sem o vocalista. É basicamente 01 acorde só e para pausa do meio – os ruídos vocais de Joey – simplesmente paramos e tentamos prever o tempo que essa parte levaria”.


“Quando estávamos tocando a música ‘Surfin Bird’ em um show na California em 1977”, Joey contou numa entrevista retirada da biografia oficial dos RAMONES, “um garoto amarrou uma corda nos pés de uma gaivota morta e começou a girar como se fosse um laço de rodeio. Ele estava girando e girando e a soltou! A coisa acabou se enroscando no pescoço do baixista Dee Dee Ramone”.


Ouvir esta canção é uma alegria genuína.

Música "Time Has Come Today"

Álbum: "Subterranean Jungle" (7º disco, 1983)


O produtor deste álbum subestimado dos RAMONES, Ritchie Cordell, havia chamado Glen Kolotkin como co-produtor – Kolotkin tinha produzido o sucesso contracultural da banda THE CHAMBERS BROTHERS da música “Time Has Come Today”.


Num disco que apresenta três covers, "Time Has Come Today" é excelente! Uma forte versão desta música que foi lançada como single no Reino Unido, apresenta um vocal virtuoso de Joey Ramone e guitarras sólidas, somente estragado marginalmente pela produção.


“Eu fiz algumas demos para o disco ‘Subterranean Jungle’", disse o engenheiro de som, Ed Stasium, quando foi entrevistado para a biografia oficial dos RAMONES, “Hey Ho Let’s Go: A História dos Ramones” (2002).


“Aquelas músicas são boas. Na versão final da canção ‘Time Has Come Today’, porém, o técnico de gravação cometeu algum erro maluco com a guitarra de Johnny Ramone e se você a escuta em mono, ela desaparece. Ausência de guitarras em uma música dos RAMONES é algo bastante embaraçoso”.

Música "Palisades Park"

Álbum: "Brain Drain" (11º disco, 1989)


Joey Ramone adorava o som que saía do órgão da marca Farfisa nesta canção de Freddy Cannon, embora os RAMONES nunca o tenham utilizado em qualquer música deles.


O cover da música “Palisades Park”, o sucesso adolescente de 1962 de Cannon com a sua barraquinha de cachorro-quente, apresentou um vigor e charme que há muito tempo andavam ausentes no som dos RAMONES.


“É divertido fazer covers... Se for a música certa”, Joey Ramone explicou e retirado da mesma biografia oficial dos RAMONES, “Hey Ho Let’s Go: A História dos Ramones” (2002), escrita pelo jornalista musical inglês, Everett True. Este jornalista era da revista Melody Maker e foi a mesma pessoa que "descobriu" o grunge em 1989 e mostrou à imprensa britânica, antes ainda do gênero explodir no mainstream em 1991.


Joey continuou sobre a ideia de gravar este cover: "Estávamos na estrada indo para um show na Philadelphia ou algum outro lugar da região, ouvindo a estação de sucessos antigos na rádio e ouvimos a música ‘Palisades Park’. Então, resolvemos gravar rapidinho”.

Música: "Take it as it Comes"

Álbum: "Mondo Bizarro" (12º disco, 1992)


Outra brilhante inspiração californiana para os punks de New York foi o vocalista Jim Morrison com o THE DOORS. Neste álbum que ousa (no bom sentido) se equivaler ao mesmo nível dos primeiros discos ("Mondo Bizarro" foi Disco de Ouro no Brasil), RAMONES prestou homenagem ao THE DOORS gravando esta canção originalmente lançada em 1967.


Liricamente, a música é sobre estar em paz com o mundo ao seu redor e aceitar que você pouco pode fazer para mudá-lo, mas sob a tutela dos RAMONES, é apenas mais uma sonzeira para balançar a cabeça e bater os pés.


Lembrando que o guitarrista do THE DOORS, Robbie Kreiger, faz uma participação especial aqui na gravação feita pelos RAMONES - até o teclado tradicional entra em cena.


"Eu estava em uma loja de roupas um dia”, Johnny Ramone disse uma vez em entrevista e também retirada da biografia dos RAMONES, “e ouvi a música do THE DOORS chamada ‘Take it as it Comes’, vinda de um gravador e pensei que seria uma boa música para os RAMONES. Normalmente, eu não gosto do jeito como fazemos os covers em nossos discos, mas esse ficou bom”.

Música: "Substitute"

Álbum: "Acid Eaters" (13º disco, 1993)


Uma canção e banda que os RAMONES tanto amaram que até fizeram um videoclipe, foi da música icônica do THE WHO, "Substitute". O curioso que aqui nesta versão, RAMONES ficou bem próximo da versão original de 1968.


A gravação contou com o guitarrista do THE WHO, Pete Townshend, fazendo os back-vocais.


Daniel Rey (guitarrista de estúdio dos RAMONES e grande amigo), também falou na biografia oficial dos RAMONES: "Não me encontrei com Pete Townshend no estúdio, mas Joey Ramone estava lá para isso e foi uma grande emoção para ele”.


“Eu estava muito nervoso quando Pete apareceu, porque eu nunca o tinha encontrado pessoalmente antes”, disse Joey.

Música: "When I Was Young"

Álbum: "Acid Eaters" (13º disco, 1993)


Provavelmente se você também é fã da banda THE ANIMALS - assim como os RAMONES - o grupo teve um efeito profundo em você.


THE ANIMALS nasceu do movimento contracultural dos anos 60 e representava uma imagem totalmente diferente do resto da música popular da época.


O mesmo pode ser dito sobre os RAMONES e este cover que eles gravaram prova isso. Um hino estranho, brilhante e agitado dos anos 60 que recebeu um apropriado soco punk no intestino.


Conforme relatado na biografia oficial dos RAMONES, o baixista CJ Ramone foi convidado para cantar nesta canção, mas Joey Ramone sabiamente não deixou.

Música: "My Back Pages"

Álbum: "Acid Eaters" (13º disco, 1993)


Neste álbum só de covers que os RAMONES gravaram, a canção "My Back Pages" marcou um momento em que Bob Dylan mudou a direção das suas "canções unidimensionais". Entretanto, RAMONES decidiu rasgar as coisas e girou totalmente a música ao colocar o seu próprio molho especial.


É um tributo poderoso a Bob Dylan, que a maioria dos artistas diriam que foi uma influência em suas carreiras, mas talvez tenha um significado especial para o povo de New York.


Naturalmente, esta música - cantada pelo baixista CJ Ramone - foi incluída no mesmo senso de urgência que levou o grupo a ser conhecido no mundo inteiro.

Música: "I Don’t Want to Grow Up"

Álbum: "Adios Amigos" (14º disco, 1995)


RAMONES não tinha receio nenhum em lançar covers em vários dos seus álbuns de estúdio e foi algo que o grupo continuou fazendo até o fim, quando lançaram o seu último disco, "Adios Amigos".


Os pioneiros do punk rock escolheram a canção do artista Tom Waits para o seu álbum final, "I Don't Want to Grow Up", e deram a ela um verdadeiro tratamento punk.


A música abre o álbum no ritmo tipicamente rápido dos RAMONES - além de nos lembrarmos das suas primárias músicas pelo título de “I Don’t...”


É uma abertura desafiadora e uma franca negação dos fatos: no mundo real, os RAMONES já haviam crescido (envelhecido) há muito tempo (em relação ao título desta canção), mas continua sendo um cover soberbo, com o rico vocal barítono de Joey Ramone e as guitarras turbulentas radicais e harmônicas como qualquer fã desejaria.


"A música ‘I Don’t Want to Grow Up’ é uma variação isolacionista do sonho de Peter Pan da eterna juventude”, escreveu o jornalista da revista Rolling Stone, David Fricke, nas notas de capa na coletânea “Anthology” (1999). “Uma prece para ser livrado de casamentos devastados por brigas, da chatíssima televisão e de um mundo em doido fluxo melancólico. Os RAMONES viam muito de si mesmos na letras dessa canção e também nos seus momentos finais, em uma carreira que desafiou expectativas, concepções equivocadas e armadilhas, com uma música tão simples e pura que qualquer um poderia compô-la (e rapidamente milhares de bandas a fizeram), os RAMONES provaram que juventude eterna não existe - o que há é vida eterna, se você não se incomodar em lutar por isso”.

  • Facebook Social Icon
Mais Recentes
Destaques

2016 by RockInTheHead