• by Brunelson

Mother Love Bone: a vida e o legado de Andrew Wood, o herói perdido do grunge


Depois de 30 anos da morte trágica de Andrew Wood, o site rockinthehead resolveu lembrar da vida e o legado do vocalista da banda MOTHER LOVE BONE.


É o início da primavera de 1990 e o Teatro da Paramount em Seattle é cheio de vigas, fato que colocaria um enorme sorriso no rosto do homem cujo nome está escrito na marquise do lado de fora. Esta pessoa é Andrew Wood - agora morto. Este foi o memorial dele e a cena do rock nascente do noroeste do Pacífico americano nunca mais seria a mesma.


"O funeral foi muito surreal", lembrou o melhor amigo e colega de apartamento de Wood, Chris Cornell, vocalista do SOUNDGARDEN, anos depois para os criadores do documentário Malfunkshun: The Andrew Wood Story, de 2005. “Fiquei feliz por ele, porque os locais estavam cheios e eles estavam exibindo filmes de Andy se apresentando. Ele era um astro do rock no dia em que nasceu, não importava se ele nunca tivesse vendido um único disco. Ele foi o único astro do rock que eu já conheci".


Wood nasceu em 1966, caçula de uma família problemática cujas tentativas internas ele tentou acalmar desde a infância, com a sua personalidade maior do que a vida e seu amor por entretenimento. Quando criança, Wood era igualmente apaixonado por Elton John e KISS, depois ele adotou uma persona no palco que era todo reluzente com a sua cartola, maquiagem de rosto branco e roupas de seda e cetim. Ele tinha 14 anos quando formou a sua primeira banda, MALFUNKSHUN, com o irmão mais velho, Kevin.


Em meados dos anos 80, MALFUNKSHUN fundia o punk e o metal com uma suavidade precoce, sem medo de lançar solos de guitarra "ridículos" entre os riffs punk. Enquanto isso, Wood concedeu honras a todos os seus frontman selvagens e ambiciosos, como Marc Bolan, Freddie Mercury, Prince e Gene Simmons.


MALFUNKSHUN logo se viu parte da vibrante cena musical local operando na rede de clubes underground de Seattle, onde o progresso do grupo momentaneamente diminuiu quando o crescente hábito de Wood nas drogas o enviou para a clínica de reabilitação em 1985 - ele confessou em terapia que a sua segunda namorada o havia introduzido nas drogas.


Após o seu retorno, MALFUNKSHUN apareceu no icônico álbum de coletâneas da gravadora Sub Pop, "Deep Six", que também apresentavam os amigos como SOUNDGARDEN, MELVINS e GREEN RIVER.


Mas a presença de palco de Wood também era maior que a vida e o vocalista se separou do MALFUNKSHUN. Ele ansiava em se apresentar nos estádios, dizendo que "até abriria os shows da banda WARRANT" para tornar este sonho realidade, assim como ele também citava em se apresentar no lendário Madison Square Garden, em New York.


"Eu os vi se apresentarem na cidade de Olympia e adormeci na minha cadeira", lembrou o líder do NIRVANA e famoso narcoléptico, Kurt Cobain. “Andrew cantou para mim a noite toda, dançou ao meu redor e tirou sarro de mim. Eu me senti cansado quando acordei".


No entanto, a coletânea "Deep Six" provaria o único lançamento do MALFUNKSHUN durante a vida da banda. O grupo implodiu silenciosamente quando as atenções de Wood se voltaram para o seu novo grupo, MOTHER LOVE BONE.


Formado em 1987, na sequência da separação do GREEN RIVER de onde saíram o guitarrista Stone Gossard e o baixista Jeff Ament, Wood se juntou a eles e formaram o MOTHER LOVE BONE.


Talvez esta nova banda estivesse com um pé mais no rock comercial do que à cena local underground do grunge, mas era o veículo perfeito para o volumoso poder estelar de Wood. Em 1989, o grupo lançou o seu 1º trabalho de estúdio, o EP "Shine", que se tornou o primeiro lançamento por um grande selo referente a um ato do grunge.


Só lembrando que o SOUNDGARDEN foi a primeira banda do recinto a assinar com uma grande gravadora, seguido pelo MOTHER LOVE BONE e ALICE IN CHAINS em sequência.


O EP "Shine" ganhou críticas favoráveis na imprensa, especialmente por uma peça épica dirigida ao piano na música "Crown of Thorns", declarando o amor de Wood por Elton John que ele tinha na manga. Mas o paradigma das baladas de rock estava levando Wood a lugares obscuros e transcendentes - um retrato de um relacionamento arruinado por drogas que ele havia "encontrado a sua própria beleza".


Inspirados no sucesso do EP "Shine", MOTHER LOVE BONE gravou o seu 1º álbum de estúdio, "Apple" (1990), com Wood retornando à clínica de reabilitação numa fase antecipada ao seu sucesso. Quando saiu da reabilitação, alguns dias depois ele foi perdendo a sua resistência à droga e teve uma recaída fatal. Acidentalmente, tomou uma overdose de heroína dias antes do lançamento do álbum, entrando num coma profundo do qual ele nunca se recuperaria.


A tragédia destruiu a cena musical de Seattle, que se uniu para lamentar a sua estrela perdida e que mais tarde inspirou o filme Singles - Vida de Solteiro (1992), ambientado pelo cineasta Cameron Crowe. Com o coração partido, Cornell escreveu e compôs algumas das melhores músicas do SOUNDGARDEN - "Mind Riot" e "Outshined" - em homenagem a Wood, enquanto outras duas canções do projeto tributo a Wood, TEMPLE OF THE DOG, também foram influenciadas, são elas "Say Hello to Heaven" e "Reach Down".


Com o fim do MOTHER LOVE BONE, Gossard e Ament formaram o PEARL JAM, que estreou no clube Off Ramp Cafe em Seattle quase 06 meses depois da morte de Wood.


PEARL JAM obteve o tipo de sucesso que foi além dos sonhos mais loucos de Andrew Wood e depois de 10 anos de atividade, começou a apresentar o cover do MOTHER LOVE BONE nos shows, a canção "Crown of Thorns".


Depois de apresentar esta música no Madison Square Garden em 2003, o vocalista do PEARL JAM, Eddie Vedder, olhou para o grandioso local e disse: "Acho que Jeff e Stone irão concordar comigo, que Andy teria adorado tocar aqui".


Confira o áudio de estúdio da canção "Crown of Thorns" pelo MOTHER LOVE BONE:

  • Facebook Social Icon
Mais Recentes
Destaques

2016 by RockInTheHead