• by Brunelson

Tom Morello: “há algo único na forma como a música é verdadeira, onde nada mais lhe atinge"


O ícone da guitarra do RAGE AGAINST THE MACHINE, Tom Morello, foi entrevistado pela revista britânica New Music Express e dentre vários assuntos, falou sobre esta 2ª reunião do grupo e que teve que ser prorrogada devido a pandemia.


* Rage Against The Machine: sobre músicas novas, "pergunte quando estivermos nós 04 em entrevista"


* Rage Against The Machine: "não há planos além de começar os ensaios", referente novas músicas

Confira alguns trechos dessa matéria:

"Acredito firmemente que a guitarra é o maior instrumento já inventado", começou falando Tom Morello, sendo entrevistado online direto do seu estúdio caseiro na Califórnia.


É uma declaração ousada - embora não surpreendente - de um dos guitarristas mais lendários do mundo, mas a mística do RAGE AGAINST THE MACHINE não se contenta com o seu legado.

E que legado essa banda construiu.

Formada em 1991, RAGE AGAINST THE MACHINE se tornou um dos grupos mais influentes da história, graças à sua mistura única de música inspirada no rock e rap, letras fortemente politizadas e shows incendiários. O quarteto, que se separou em 2000 com 04 álbuns de estúdio e após uma reunião entre 2007 à 2011 sem terem lançado nenhum material inédito, havia anunciado novamente a sua volta em 2019.

Nos espaços em brancos, os instrumentistas da banda formaram grupos como AUDIOSLAVE e PROPHETS OF RAGE, além de seus trabalhos solos - com o baterista Brad Wilk até saindo em turnê com o SMASHING PUMPKINS em 2014 e 2015.

E sempre na atividade, Morello é determinado em seu ofício na tentativa de provar que a guitarra ainda possui o seu lugar no mundo: “A guitarra é um instrumento que não tem apenas um passado - tem um futuro”.

Ele acrescentou, citando o envolvimento em seu trabalho solo com outros artistas: “É uma maneira de criar o caos no rock'n'roll e projetá-lo para o futuro. Não sou um tradicionalista como a maioria dos guitarristas, mas claro, eu acredito na tradição de chutar a sua bunda com um grande riff de guitarra e acho que ao forjar essas relações musicais e químicas com uma variedade de artistas inesperados, isso me empurra como compositor e músico. Isso me ajuda a infligir a minha visão da guitarra nas gerações presentes e futuras”.

Ele continuou, sem citar nomes: "Em primeiro lugar, eu diria que as guitarras que 'caem' da música mainstream, dizem mais sobre a música mainstream do que sobre guitarras”, Morello falou com um sorriso. “Não tenho certeza se os artistas pop colocando um brilho de caixas da Marshall em alguma música pop de merda é exatamente o que o mundo precisa agora, mas não há nada como a sensação visceral da música rock. De como isso se conecta a um público é algo que continuará a voltar em ciclos”.

Sobre o período pandêmico, Morello estendeu a mão para amigos e colegas músicos, descobrindo que todos estavam passando pelas mesmas experiências: “Essa comunidade de amigos do rock'n'roll foi uma verdadeira tábua de salvação. Todos os dias estavam começando a parecer exatamente iguais, mas começar a trabalhar com diferentes artistas de diferentes gêneros de todo o mundo, proporcionou um oásis em um momento de grande medo e ansiedade".

E sobre gravar discos políticos com o RAGE AGAINST THE MACHINE?

“A razão de eu ter feito álbuns políticos no passado é porque era autêntico. O meu coração e a minha cabeça queriam usar a música como um aríete para a justiça social”, disse Morello. “Os álbuns são autênticos porque eu estava tentando encontrar a conexão e esperança em um tempo que às vezes parecia desesperador".

Após o cancelamento da turnê de reunião do RAGE AGAINST THE MACHINE em 2020 devido a pandemia, os shows foram remarcados para 2022. Morello ainda está cruzando os dedos para que eles sigam em frente: "É uma questão de química. É a maneira única como certas pessoas tocam juntas".

Quando o RAGE AGAINST THE MACHINE apareceu pela primeira vez, os seus hinos políticos eram uma ferramenta para a educação. Agora, graças à internet, uma geração inteira está ciente dos escândalos de governos, violações dos direitos humanos e injustiças sociais em todo o mundo. Apesar disso, Morello argumentou que: “Há algo único na forma como a música parece verdadeira, de uma forma que nada mais lhe atinge”.

Ele acrescentou: “Quando as pessoas cantam juntas, seja em um show, um protesto ou num piquenique, há uma comunhão e solidariedade implícitas, coisa que você não entende olhando para uma pintura ou lendo um artigo. É também uma forma das pessoas de diferentes origens socioeconômicas e étnicas se reunirem. Uma música é uma forma de criar um pouco do mundo que você gostaria de ver um dia”.

Após 30 anos de ativismo, Tom Morello alguma vez olhou para o mundo e perdeu as esperanças?

“Não quero olhar para isso neste contexto”, ele falou. “Não é como se você fizesse um disco e esperasse que a utopia tivesse começado no final do ciclo. É parte de uma luta contínua que não é confundida com o mundo da música”.

“Sou guitarrista e é minha responsabilidade incorporar as minhas convicções ao que faço. Essa é a responsabilidade de todos, sejam jornalistas, carpinteiros, estudantes ou anarquistas desempregados. Você tem que encontrar maneiras de afetar o tipo de mudança que gostaria de ver. Porque o mundo não vai mudar por si mesmo e isso é com você, literalmente você - a pessoa que está lendo isso”.

Tom Morello concluiu: “Embora pareça uma tarefa difícil, a boa notícia é que, quando o mundo mudou significativamente de forma progressiva, radical ou mesmo revolucionária, ele foi mudado por pessoas que não tinham mais poder, influência, coragem ou habilidade do que você. Eles se colocaram em seu lugar a tempo de um local de trabalho, escola, casa, país ou mundo mais justo e humano. E é isso! A história não é algo que acontece, a história é algo que você faz”.

  • Facebook Social Icon
Mais Recentes
Destaques