• by Brunelson

Tom Morello: "a ferramenta essencial para qualquer guitarrista é a apresentação ao vivo"


Tom Morello, guitarrista de bandas como RAGE AGAINST THE MACHINE, AUDIOSLAVE e PROPHETS OF RAGE, havia sido entrevistado pela revista Guitar World e dentre vários assuntos, falou sobre os benefícios de levar a sua forma de tocar ao palco.


* Tom Morello: guitarrista lista os 03 melhores shows que já assistiu na vida

Seguem alguns trechos:

"Em busca de se tornar um músico melhor e mais completo, acredito que a ferramenta mais essencial para qualquer guitarrista utilizar é a apresentação ao vivo. Embora isso possa parecer dolorosamente óbvio, eu encontrei muitos 'destruidores de quarto' talentosos que não conseguiam traduzir as suas coisas para o ambiente de palco".

"Muitas variáveis entram em jogo quando se toca ao vivo que não pode ser comparado de nenhuma outra forma, seja tocando junto com os discos em seu quarto ou tocando numa garagem ou na sala de ensaio com a sua banda inteira".

"Pra mim, tocar na frente de um público foi crucial para o meu desenvolvimento como guitarrista. Comecei a tocar ao vivo em uma série de bandas no colégio e faculdade, e minhas habilidades como músico aumentaram exponencialmente".

"Por um lado, a prática de tocar ao vivo me ajudou a eliminar muitos dos obstáculos técnicos e criativos que surgem no cenário ao vivo. Algo tão simples como lembrar de conectar o cabo da guitarra passando-o pela correia da guitarra, foi algo que tive que aprender da maneira mais difícil".

"Acho que todos nós conhecemos o horror do cabo da guitarra ser inadvertidamente arrancado da sua guitarra enquanto você está dando cambalhotas no ar, certo?"

"Outra ideia dolorosamente óbvia é certificar-se de que você tenha baterias novas para os seus pedais ou pelo menos que todos eles estejam funcionando. Esta linha de pensamento pode ser aplicada a cada peça suplementar do seu equipamento, tipo, certifique-se de ter cordas extras, cabos, fusíveis, um régua de energia, cabos de extensão e etc..."

"Você não pode esperar que o clube, festa do barril ou barzinho onde você está se apresentando, tenha qualquer uma dessas coisas à mão quando você precisar".

"É ótimo ser capaz de descascar sem esforço 64 notas enquanto você toca como o guitarrista Steve Vai, mas esquecer esses pequenos detalhes mencionados pode significar a diferença entre o sucesso criativo e o fracasso sombrio em um local ao vivo".

"Um dos principais motivos pelos quais tocar ao vivo melhorou as minhas habilidades como músico é a poderosa sinergia que existe entre a banda e o público ao vivo. Esse tipo de energia e consciência nunca pode ser imitado numa sala de ensaio".

"Admito que tive experiências de prática profundamente satisfatórias enquanto tocava sozinho junto com os discos de Albert King, mas nada se compara tocar ao vivo com a pura emoção e alegria que gera. É realmente uma experiência de 'prova de fogo'".

"Quando me apresentava ao vivo com a minha 1ª banda na adolescência, a nossa habilidade coletiva de tocar caía cerca de 50% sempre que tocávamos ao vivo. O motivo é simples, porque não estávamos mais no ambiente seguro e confortável do porão na casa da minha mãe".

"De repente, fomos confrontados com nervos a flor da pele, cabos quebrados, tomadas defeituosas, cordas arrebentadas e todo o tipo de obstáculo que atrapalharia a nossa performance, mas quanto mais tocávamos ao vivo, mais confortáveis e confiantes ficávamos no palco. Logo comecei a desenvolver um relacionamento estreito com a minha guitarra".

"Pra mim, desenvolver um domínio sobre as idiossincrasias técnicas da performance ao vivo levou a experiências de prática muito mais satisfatórias no geral".

"Não foi diferente quando o RAGE AGAINST THE MACHINE começou a tocar ao vivo. Havia um alto grau de nervosismo associado à nossa 1ª apresentação, que aconteceu no ambiente altamente pressurizado de uma sala de estar numa casa em Huntington Beach, Califórnia".

"A nossa 1ª música do show foi 'Take The Power Back', que começa com uma linha de baixo bem funk rock. Estávamos todos muito empolgados sobre finalmente tocar na frente de um público, quando o nosso baixista, Tim Commerford, começou a música 03 vezes mais rápida do tempo normal e foi um desastre musical em grande escala".

"Mas uma experiência negativa faz parte da curva de aprendizado. Tirar do caminho esse tipo de crise é essencial para o desenvolvimento de uma banda, para você ficar mais confortável na frente de um público e progredir como banda".

"Neste 1º show, embora Tim tenha começado a música muito rápido, assim que a bateria começou, o lugar explodiu instantaneamente e havia um enorme mosh no meio da sala daquela casa - ainda não sei como o dano foi explicado aos pais daquele pobre garoto!"

"Para a nossa banda, este show foi uma experiência catártica. A explosão da sala de estar foi o culminar de todos os anos de trabalho árduo. Pessoalmente, eu já estava passando há muito tempo por isso através de uma série de bandas de garagem".

"Com o RAGE AGAINST THE MACHINE, a minha jornada me trouxe à música em que eu realmente acreditava, e música que nós, como uma banda, tocamos muito bem juntos. Com o RAGE AGAINST THE MACHINE, também houve uma conexão instantânea entre a banda e o público, e essa conexão apenas alimentou a nossa missão de continuar escrevendo músicas e trabalhando duro".

"A nossa atitude foi ficando: 'Não temos certeza de quem vai sair vivo esta noite, porque vamos trazer algumas músicas bem pesadas!' Embora esse tipo de confiança e nível de intensidade tenham crescido a partir do relacionamento que tínhamos com o público, foi inicialmente forjado por uma base de confiança em nossas próprias habilidades".

"Com o tempo, você se torna decidido em seu conhecimento de que dará tudo pela música e atuará em um alto nível".

"E cada movimento progressivo para se apresentar num local maior é como passar por eclusas em uma barragem. É como se o nível da água aumentasse cada vez. Você tem que esperar até que os seus nervos e seu nível de habilidade aumentem o suficiente antes de abrir a porta para o próximo nível".

"Logo, progredimos para clubes como atração principal, clubes com ingressos esgotados e abrindo shows do TOOL e BODY COUNT, eventualmente indo se apresentar no período da tarde em grandes festivais europeus".

"Com o tempo, a segurança de uma banda se torna quase inabalável. RAGE AGAINST THE MACHINE pode estar no meio de um show desastroso, como tocar no meio de um tufão na Coréia do Norte, e eu vou olhar para o setIist e ver que vamos até o final do show para encerrar com a música 'Killing in The Name'".

"Tocar ao vivo regularmente invocará uma onda crescente de confiança em você e para a sua banda como um todo. O seu nível fica mais alto e evoluído conforme o tempo passa".

"Você sabe que será capaz de entregar mercadorias em alto nível, não importa o que aconteça, e esse nível só continuará crescendo. Quando eu for me apresentar num programa de auditório da TV ou tocar num festival na frente de 150 mil pessoas, eu sei que tudo ficará bem porque a base foi bem assentada".


"Bombtrack" (1º disco, "Rage Against The Machine", 1992)


  • Facebook Social Icon
Mais Recentes
Destaques