top of page
  • by Brunelson

Red Hot Chili Peppers: Top 09 melhores riffs do guitarrista John Frusciante


Não havia nada a perder quando John Frusciante foi contratado como o novo guitarrista do RED HOT CHILI PEPPERS em 1988.

O guitarrista e um dos membros fundadores da banda, Hillel Slovak, tinha acabado de falecer devido a uma overdose de heroína e o guitarrista substituto, DeWayne "Blackbyrd" McKnight, não estava se dando bem com o resto da banda.


Sendo assim, Frusciante, que era um super fã do grupo e que tinha feito amizade com Slovak enquanto assistia a quase todos os shows do RED HOT CHILI PEPPERS em Los Angeles, era o novo guitarrista do grupo.

Dito isto, Frusciante tinha apenas 18 anos de idade e praticamente nenhuma experiência profissional, para não mencionar o espaço em branco quando se tratava do gênero musical da banda: o funk rock.

Nem é preciso dizer que no final deu tudo certo. Frusciante se tornou a peça que faltava para ajudar a elevar o grupo além de seu enérgico, mas relativamente básico ataque à música. Frusciante acrescentou um senso real de melodia que estava faltando na banda, fazendo com que os membros fundadores, Flea (baixista) e Anthony Kiedis (vocalista), reconsiderassem os seus próprios estilos para melhor se adequarem às habilidades de Frusciante.

Pensando nisso, o RED HOT CHILI PEPPERS entraria em uma nova era que o elevaria a uma das maiores bandas de rock de todos os tempos.

Ao longo dos anos, Frusciante continuou adicionando o seu arsenal de técnicas ao grupo. Tocando de forma acústica intrincada, solos selvagens, excursões bizarras do tipo Frank Zappa e atuando em escalas espaçosas no braço de sua guitarra, tudo isso encontrou o seu caminho na música do grupo.

No entanto, as pressões do sucesso eventualmente fizeram com que Frusciante abandonasse a banda no auge de sua fama em 1992, durante a turnê do álbum que fez a banda ficar conhecida no mundo inteiro, "Blood Sugar Sex Magik" (5º disco, 1991). Também caindo no vício em heroína, após sair do grupo, Frusciante se tornou um eremita que vivia na miséria e chegando a gravar material solo radicalmente anticomercial.

Depois de superar os seus vícios, Frusciante encontraria o seu caminho de volta ao RED HOT CHILI PEPPERS em 1998, a tempo de gravar outro clássico álbum da banda, "Californication" (7º disco, 1999).


Após um período de trabalho muito mais saudável, Frusciante deixaria novamente a banda em 2009, mas agora sob boas condições. Depois de 01 década gravando o seu próprio material solo, Frusciante faria a sua 3ª passagem pelo grupo retornando em 2019 e fazendo parte do elenco atual da banda até hoje.

E enquanto a banda sobreviveu com e sem ele lançando ao todo 13 álbuns de estúdio entre 1984 à 2022, o RED HOT CHILI PEPPERS sempre estará e soará completo com Frusciante na guitarra.


Com isso e em homenagem, resolvemos selecionar o Top 09 melhores riffs de guitarra de John Frusciante no RED HOT CHILI PEPPERS.


Confira em ordem cronológica:

Música: "Knock Me Down" Álbum: "Mother's Milk" (4º disco, 1989) Antes de explorar o escopo sonoro do que ele poderia fazer, John Frusciante era apenas um novato de 18 anos de idade que estava experimentando pela 1ª vez como era gravar um álbum num estúdio profissional. Esse disco apresentou alguns dos riffs mais pesados de Frusciante em toda a sua carreira, sendo que ele e o produtor desse disco, Michael Beinhorn (o mesmo que iria produzir o álbum "Superunknown" do SOUNDGARDEN em 1994), brigavam constantemente pelo tipo de som da guitarra que cada um queria. A maior parte do disco soa como riffs genéricos de hair metal, mas um lugar onde a distorção realmente funciona bem é na música "Knock Me Down", que foi escolhida como um dos singles desse álbum. Lançando com uma introdução difusa que quebra num verso funk rock, esta canção foi o 1º sinal de que Frusciante tinha muito mais a oferecer do que apenas a guitarra rítmica.


Música: "Give it Away"

Álbum: "Blood Sugar Sex Magik" (5º disco, 1991)

Houve toda uma geração de fãs do rock alternativo que nunca prestaram atenção no RED HOT CHILI PEPPERS antes de 1991.

O ano em que o grunge se tornou popular também foi o ano em que o grupo lançou o clássico álbum, "Blood Sugar Sex Magik", seu disco inovador que o catapultou para shows em estádios e com bandas como NIRVANA, PEARL JAM e SMASHING PUMPKINS abrindo os shows.




Quando a canção "Give it Away" começou a decolar na MTV, milhões de telespectadores puderam ver Frusciante rasgar o riff característico da música enquanto segurava a guitarra entre as pernas. Foi uma imagem instantaneamente icônica para um riff de mesmo padrão, que marcaria para sempre o cardápio funk rock do RED HOT CHILI PEPPERS.


Música: "I Could Have Lied" Álbum: "Blood Sugar Sex Magik" (5º disco, 1991) A reputação do RED HOT CHILI PEPPERS como motivadores de festas seria destilada ao longo das 17 canções do álbum "Blood Sugar Sex Magik", como as músicas "Suck My Kiss" e "Sir Psycho Sexy", mas também havia o redemoinho psicodélico de canções como "Breaking The Girl", a delicadeza da música "Under The Bridge" e a quase canção jazz selvagem "They're Red Hot". Mas se você realmente quer dar uma olhada no estilo musical em evolução do grupo, seria a música "I Could Have Lied".


Prenunciando o som mais suave e introspectivo que iria explorar em álbuns futuros, a canção "I Could Have Lied" mostra Frusciante trocando o seu riff elétrico afiado por um intrincado riff no violão. De repente, a beleza se tornou uma parte muito real na experiência do RED HOT CHILI PEPPERS.

Música: "Under The Bridge" Álbum: "Blood Sugar Sex Magik" (5º disco, 1991) Com o benefício do retrospecto, conhecido agora como o riff de abertura que inspirou tentativas de mais de 01 milhão de pessoas ao redor do mundo ao testar uma guitarra numa loja de instrumentos musicais. E apenas no caso de você não ser um músico, é necessário saber o quão difícil é a passagem de guitarra na abertura desta canção para ser tocada corretamente. Os acordes podem parecer simples, mas as formas que Frusciante escolhe para tocar são um grande esforço para as mãos. Ainda assim, você não pode alterá-los, porque essas formas são necessárias para o padrão descendente que impulsiona toda a música. Talvez o elemento mais admirável no estilo de jogo de Frusciante, seja que ele faz o difícil parecer fácil. Embora a canção "Under The Bridge" seja uma das mais icônicas que a banda já gravou e que ficou na história do rock'n roll, é preciso muita habilidade para chegar fielmente a forma como ela é tocada.




Música: "Otherside" Álbum: "Californication" (7º disco, 1999) John Frusciante é um guitarrista que se encaixa perfeitamente com os outros músicos de sua banda - e vice-versa.


Esteja ele harmonizando guitarras com o baixista Flea ou harmonizando vozes com o vocalista Anthony Kiedis, Frusciante sempre esteve entrelaçado sonoramente a todos os membros do RED HOT CHILI PEPPERS. E uma canção que reflete muito bem isso é "Otherside". A sua guitarra está em constante conversa junto com o baixo de Flea, esbarrando uma na outra e se cruzando de maneiras maravilhosamente estranhas. Aqui, Frusciante é incrivelmente esparso, exceto quando a sua voz salta do fundo e assume a música.

Música: "Scar Tissue" Álbum: "Californication" (7º disco, 1999) Arrancando uma página do livro de Paul McCartney, esta canção é Frusciante em sua forma mais BEATLES possível da música "Blackbird". Dolorosamente bela e chocantemente simples, Frusciante estabelece o caminho perfeito para o resto da banda diminuir o volume e lhe acompanhar. Enquanto a canção "Under The Bridge" é o exemplo definidor, a música "Scar Tissue" pode ser uma das mais duradouras perpetuando no tempo que a banda já criou. Embora sejam conhecidos por trazer energia e empolgação, RED HOT CHILI PEPPERS costuma dar o melhor de si quando desaceleram as coisas.

Música: "Can’t Stop" Álbum: "By The Way" (8º disco, 2002) Falando em funk rock, Frusciante sempre pareceu ter uma dedicação à simplicidade. Mesmo sendo tecnicamente um dos guitarristas mais talentosos de sua geração, parecia que Frusciante estava sempre dando uma espiada para ver o quanto ele poderia avançar criando as suas próprias coisas. À medida que esta canção se desenvolve em seu climático riff central, Frusciante alterna entre 02 notas para adicionar uma sensação palpável de tensão.


Sim, é somente isso: 02 notas. Uma vez que Frusciante atinge o riff propriamente dito, tudo segue apenas numa escala descendente. A maioria dos guitarristas possuem muito receio em tocar coisas simples, mas Frusciante é daqueles que sabe que a simplicidade costuma ser mais eficaz para atingir o seu coração e sentimentos.


Música: "Turn it Again"

Álbum: "Stadium Arcadium" (9º disco, 2006)

Pode parecer curioso de se pensar, mas Frusciante estava ficando cada vez mais funk rock quanto mais tempo ele ficava no RED HOT CHILI PEPPERS.

Embora ele fosse reconhecidamente de "outra espécie" antes de se juntar à banda, Frusciante acabou por ser um talento natural para a guitarra funk rock, sendo que esse álbum está repleto de canções do estilo.

Mas se você quer o riff funk rock mais contagiante de Frusciante, tem que ir até o final desse disco duplo...

Deslizando por todo o pescoço da guitarra, o riff de Frusciante para essa música é uma criatura em constante mudança, repleta de marteladas e diferentes variações. Se você precisa de provas de que Frusciante sempre tirou de letra as suas coisas, nada melhor do que a canção "Turn it Again".


Música: "Snow"

Álbum: "Stadium Arcadium" (9º disco, 2006)

John Frusciante levou quase 20 anos para combinar todas as suas vozes díspares.

O punk rock frenético, o tocador chamativo de funk rock, o estudante acústico intimista e o delicado guitarrista melódico, tiveram os seus momentos para brilhar, mas na maioria das vezes, Frusciante estava aderindo a um estilo ou criando uma chicotada inebriante alternando entre diferentes gêneros e modos.

E chegando em 2006, parecia que Frusciante finalmente estava pronto para colocar todas essas personalidades diferentes em uma só identidade.

A canção "Snow" é o culminar de tudo em que Frusciante é incrível. É altamente melódica, enganosamente difícil, altamente intrincada e absolutamente perfeita com o seu riff. É o tipo de riff pelo qual o público em estádios ficam loucos, mas também um riff que pode ser apreciado por um estudante de música em seu quarto para tentar dominar as suas nuances.

Provavelmente, essa música é uma das melhores que ilustra o molde do que torna John Frusciante um guitarrista tão singular.


Comments


Mais Recentes
Destaques
bottom of page