• by Brunelson

Rage Against The Machine: resenha do álbum de covers, "Renegades"



A carreira de uma banda de sucesso frequentemente tece dentro e fora de uma série de colinas e vales - eras, se você quiser chamar.

Pense em quase qualquer banda e aposto que você pode olhar para um determinado período de tempo e dizer: "Ah, sim, aquela era de ouro".


A longevidade é uma bênção e uma maldição.

Artistas lendários de todos os tempos, como NIRVANA, BEATLES e Jimi Hendrix, não duraram uma década antes de chegar ao fim da linha. Acho que todos podemos concordar que gostaríamos de obter resultados adicionais desses atos...

Outra adição fantástica à lista mencionada é RAGE AGAINST THE MACHINE. Há pouco mais de 20 anos atrás, eles lançaram o seu 4º e último álbum de estúdio, "Renegades" (2000). Enquanto a carreira de gravação da banda chegava ao fim em 05 de dezembro de 2000, o grupo se reuniu 01 vez em cada década e por enquanto, nada de novos discos ou músicas.

Mesmo sendo um álbum só de covers, não quer dizer que falta entusiasmo e muito menos aquela energia típica do RAGE AGAINST THE MACHINE, transformando as músicas em sua própria identidade.

E hoje, com a precária produção de álbuns de estúdio em sua discografia, temos que agradecer ao fato da banda ter gravado esse disco de covers numa variedade tão eclética de canções e bandas.

MC5, DEVO, MINOR THREAT, CYPRESS HILL, Bruce Springsteen, THE STOOGES, ROLLING STONES, Bob Dylan e outros, são algumas das opções aqui. E da mesma forma que o RAGE AGAINST THE MACHINE pegou o groove metal e do rock alternativo os levando através das lentes do rap, eles fazem o mesmo aqui com grande efeito.

O guitarrista Tom Morello é sem dúvida o DJ da banda com a sua magia de guitar hero. No topo da seção rítmica de castigo nódulo do baixista Tim Commerford e do baterista Brad Wilk, Morello golpeia pedais de wah-wah e estilhaça como um cientista maluco em todas as ferramentas que lhe forneceram.

Sonoramente falando, o álbum "Renegades" está na mesma linguagem e nível do álbum "The Battle of Los Angeles" (3º disco, 1999). São todos uma entrega rápida do vocalista Zack de La Rocha na mais alta tempestade sônica, alternando num fluxo suave como de uma lava derretida descendo a montanha. A divertida interação entre os riffs agitados de Morello e o baixo pesado com efeitos de Commerford, é o clássico do RAGE AGAINST THE MACHINE. A glória coletiva é fantástica, fazendo você esquecer por um momento de como cada música soa na forma original.

É por isso que este não é um álbum de covers comum. Sim, as letras das músicas podem permanecer as mesmas, mas é um disco tão original quanto qualquer outro álbum deles.

Com isso dito, não devemos subestimar esse grande disco do RAGE AGAINST THE MACHINE, "Renegades", apesar do seu sugestivo título.

Lembrem que a banda possui 04 álbuns de estúdio, que foram sessões ao vivo gravadas em sequência nas suas respectivas datas de lançamentos.


Track-list:


1. Microphone Fiend

2. Pistol Grimp Pump

3. Kick Out The Jams

4. Renegades of Funk

5. Beautiful World

6. I'm Housin

7. In My Eyes

8. How I Could Just Kill a Man

9. The Ghost of Tom Joad

10. Down on The Street

11. Street Fighting Man

12. Maggie's Farm


* Rage Against The Machine: breve review sobre a canção "Maggie's Farm", cover de Bob Dylan


* Rage Against The Machine: a resenha do álbum de estreia 25 anos depois


* Rage Against The Machine: o explosivo álbum de estreia que mudou o mundo

  • Facebook Social Icon
Mais Recentes
Destaques