• by Brunelson

Neil Young: Top 10 melhores álbuns de sua discografia


O aclamado cantor e compositor, Neil Young, sempre passou por uma espécie de renascimento em sua carreira com uma visão renovadora, progressista e um catálogo antigo que poderia fazer qualquer artista se vislumbrar.

Young se tornou uma das vozes mais importantes na história do rock e ter passado mais de 05 décadas no topo é uma façanha que poucos artistas podem alcançar. Ele não fez isso com truques ou proezas pop, mas continuamente escrevendo canções que são deliberadas, artísticas e autênticas.


Existem poucos artistas que se sentem tão genuínos quanto Neil Young. Não atormentado pelo ego ou individualismo, Young não foi apenas um dos compositores estelares que gostaria estar no centro das atenções, mas também ficou muito feliz em ficar em 2º plano e deixar a sua banda, CRAZY HORSE, levar o elogio.

Quase nenhum artista foi tão prolífico quanto Neil Young durante a sua carreira. Nunca desanimado pela carga de trabalho ou expectativa, Young sempre foi o seu próprio mestre e se certificou de que tudo o que fez foi um reflexo preciso dele. Quer esteja envolvido em festivais no início de carreira ou trabalhando duro para o seu evento anual beneficente, The Bridge School, Young é normalmente o roqueiro envelhecido que faz você se sentir bem no rock and roll.

“Não gosto de ser rotulado, de ser nada. Eu cometi o erro de rotular a minha própria música, mas é contraproducente”, disse Young certa vez em uma citação que tipifica a sua abordagem à música. “O que acontece com a minha música é que realmente não faz sentido. Eu apenas faço o que faço e gosto de fazer música”.

E ele com certeza fez muita coisa boa com isso...

Portanto, em homenagem a esse grande artista resolvemos separar somente 10 discos de Neil Young (dentre 40 álbuns de estúdio), caso fôssemos obrigados a escolher para separar numa caixa e levar para uma ilha deserta...

Confira em ordem cronológica:


Álbum: "Everybody Knows This is Nowhere" (2º disco, 1969)

A estreia de Neil Young em 1969 com a banda CRAZY HORSE é um dos discos mais potentes da carreira estabelecida de Young. Considerando a sua posição relativamente humilde, fala muito bem dos talentos de Young e porque ele possui muitos álbuns de classe para escolher nessa lista.

Porém, poucos discos em todo o mundo da música podem se igualar a esse álbum de Neil Young.

Esse disco contém um grupo de canções que Young compôs enquanto estava sob a influência de uma febre debilitante. Assim como a faixa-título, Young escreveu as músicas "Cinnamon Girl" e o seu riff matador, "Down By The River" e todos os seus jams, até mesmo a angústia lírica de "Cowgirl in The Sand", tudo isso enquanto sofria de alucinações a quase 40º C.


* Neil Young: as 04 músicas que ele compôs em febre alta e que se tornaram clássicas

É um dos álbuns mais cativantes de todo o cânone de Neil Young.


"Cowgirl in The Sand"


Álbum: "After The Gold Rush" (3º disco, 1970)

Os anos 60 foram uma época louca e quando Neil Young abriu os olhos em 1º de janeiro de 1970, gostamos de pensar que os seus olhos turvos estavam perfeitamente treinados em sua guitarra com o objetivo de criar um álbum tão brilhante quanto foi "After The Gold Rush".

Isso porque é difícil não ver esse disco como uma ressaca das vibrações contra culturais que permearam a década anterior.

A música "Don't Let it Bring You Down" é talvez o momento arquetípico do álbum. Rígida e angustiada - apesar do título - Young confirmou que era uma canção que “com certeza vai te derrubar”.

É o poder de composição de Young ultrapassando gerações e o tempo corroborando como um dos melhores álbuns já gravados.


"Don't Let it Bring You Down"


Álbum: "Harvest" (4º disco, 1972)

Com a clássica música "Heart of Gold" alcançando o 1º lugar nos rankings, uma grande expectativa surgiu sobre Neil Young e este álbum apresenta muitas músicas incríveis.


Era a prova de que Young estava transcendendo os ideais de estrela do rock e agora explorando as possibilidades da música popular. Embora o álbum seja amplamente acústico, ele oscila entre gêneros e estilos sem nenhum esforço.


Músicas sobre vida, morte, amor e perda, são exploradas com a delicadeza pela qual Neil Young estava se tornando famoso. Enquanto outros artistas procuraram estender as suas carreiras indo mais fortes em seu som, Young adotou uma abordagem mais suave e descobriu outra maneira de fazê-lo.


As canções "Out on The Weekend", "Heart of Gold" e "Old Man", são todas as provas de que você precisa para incluir esse disco na lista.


"Old Man"


Álbum: "Time Fades Away" (Disco ao vivo, 1973)

Depois que Young finalmente conseguiu quebrar as paradas, ele decidiu, como qualquer verdadeiro inovador musical faria, que entregaria talvez o seu álbum mais caótico até então.


Carregado com más intenções, esse disco está repleto de possibilidades e o descontentamento recém-descoberto de Young com a sua fama.

Além de ser um intermediário para o público do mercado mainstream que acabara de virar fã de Neil Young, o disco ao vivo "Time Fades Away" também apresenta algumas de suas melhores canções. Há o rock agitado da música "Last Dance", a beleza do piano na canção "The Bridge" e sua música de livro aberto, "Don't Be Denied".


"Last Dance"


Álbum: "On The Beach" (5º disco, 1974)

Apesar do título ensolarado, esse álbum aborda um assunto desolador e é amplamente considerado como um dos discos mais desesperadores já feitos e às vezes visto como Young acenando adeus ao desespero...


* Neil Young: relembrando lendário show secreto de madrugada em New York, 1974

Existem alguns grandes momentos no álbum e embora a música "Ambulance Blues" seja certamente uma das melhores canções de Young, é difícil não notar na canção "On The Beach", uma visão chapada e transcendental do lado mais ensolarado da vida, não importando o quão melancólica a melodia possa ser.

É um triunfo de um álbum e certamente merece ser revisitado. Provavelmente, isso irá confirmar tudo o que você já ouviu sobre o talento de Neil Young.


"Ambulance Blues"


Álbum: "Tonight’s The Night" (6º disco, 1975)

Os anos 60 foram um passeio selvagem e quando Young atingiu o meio da nova década, ele já havia seguido um caminho semelhante ao da maioria dos seus contemporâneos.

Isso significava que Young afogou as suas aspirações de amor e pensamento livre em litros de tequila, com a morte do guitarrista da CRAZY HORSE, Danny Whitten.

Esse álbum mostra Young explorando os seus próprios sentimentos em relação à sobriedade, bem como transmitir habilmente a sua dor com uma honestidade tocante. Embora o caos bêbado do disco seja difícil de negar, há uma sensação de pressentimento que é inevitável.

Há um momento em que a voz de Young falha na música "Mellow My Mind" e permite que a verdade e a beleza da canção brilhem através do erro. É um dos seus momentos mais emocionantes já registrados.


"Mellow My Mind"


Álbum: "Zuma" (7º disco, 1975)

Quando Neil Young se reuniu com a banda CRAZY HORSE para gravarem esse álbum, eles produziram um disco muito mais leve do que o seu precedente.


Ele viu Young mais uma vez tentar encontrar o seu próprio ritmo em um novo mundo.

Assim como as fabulosas músicas "Barstool Blues", "Through My Sails" e o épico histórico "Cortez The Killer", o álbum está impregnado de uma sensação de desespero pela vida.


Escrito após a morte do guitarrista Danny Whitten (overdose de drogas prescritas contra o vício em heroína misturadas com álcool), o grupo precisava se realinhar e o álbum "Zuma" é o resultado disso.


"Cortez The Killer"


Álbum: "Rust Never Sleeps" (Disco ao vivo, 1979)

Um dos melhores atributos de Neil Young, além de ser um compositor consumado, são as suas performances incríveis no palco.

Portanto, faria sentido que um dos álbuns aqui escolhido fosse de outro show, mostrando toda as gotas de mágicas derramadas nesta performance.

Young sempre manteve um padrão notavelmente de classe alta em seu trabalho, mas ele libera um tom mais quente e formidável no disco ao vivo "Rust Never Sleeps".

O disco goteja puro folk-rock e é de tirar o fôlego, onde Young dá um salto para acenos do movimento punk em torno das músicas "Hey Hey, My My (Into the Black)" e "Thriller".

Uma das melhores canções nesse disco é "Powderfinger", que ainda hoje está envolta em mística, violência e laços familiares.


"Hey Hey, My My (Into the Black)"


Álbum: "Freedom" (17º disco, 1989)

Como muitos dos seus contemporâneos dos anos 60, Neil Young lutou para encontrar o seu lugar nos anos 80. A música disco foi se adentrando e algumas bandas de rock do mainstream estavam virando outra coisa...


Alguns artistas populares como Young vacilaram ao tentar se afirmar como haviam feito nas duas décadas anteriores, no entanto, Young acabou encontrando o seu ritmo.

Em vez de tentar se encaixar em um mundo em mudança, Young decidiu por gravar o álbum "Freedom", que iria ultrapassar os limites do pop e entregar um disco poderoso e comovente. Foi tão cheio de raiva e descontentamento que muitos o defenderam como a pedra fundamental do movimento grunge que o seguiria.

Além do hit óbvio, a música "Rockin’ in The Free World", o álbum também inclui as ótimas canções "Crime in The City" e "On Broadway".


* Neil Young: a história e estreia ao vivo da canção "Rockin' in The Free World"


"Rockin’ in The Free World"


Álbum: "Sleeps With Angels" (20º disco, 1994)

Enquanto Young estava sendo decididamente defendido como o padrinho do grunge na época (viria a gravar o 21º disco com o PEARL JAM em 1995), Kurt Cobain, vocalista/guitarrista do NIRVANA e o ícone grunge de fato, cometeu suicídio em abril de 1994.


* Neil Young: por que ele é chamado de "Padrinho do Grunge"?


* Pearl Jam: quando tocaram juntos com Neil Young a música "Rockin' in The Free World" em 1993


* Grunge: Top 50 melhores álbuns pela Revista Rolling Stone - nº 36

Cobain havia citado uma letra de Young em sua nota suicida e isso deixou o compositor desolado.


A faixa-título do álbum "Sleeps With Angels" foi a sua resposta.

O álbum poderia ser adorado simplesmente pela sua faixa-título tal é o seu poder. Ela vê Young afirmando o papel de um roqueiro rabugento e descontente com a criatividade que viu à sua frente.


Se ele era o pai do grunge, então, ele estava de volta para colocar algumas pessoas em forma.

É um momento sombrio na carreira de Young, mas no entanto, é um álbum maravilhoso.


"Sleeps With Angels"


  • Facebook Social Icon
Mais Recentes
Destaques