• by Brunelson

Analisando 05 dos pedais de guitarra mais inovadores de todos os tempos


Desde o seu início humilde e popular nos anos 50 até a agitação angular de grupos contemporâneos, a música de guitarras se transformou e se remodelou inúmeras vezes.

Quando comparados, uma música como "Love Me Do" dos BEATLES e "Only Shallow" do MY BLOODY VALENTINE, parecem vir não apenas de décadas diferentes, mas de mundos completamente diferentes. Isso é bastante alucinante, especialmente quando você considera que ambas as bandas estavam fazendo música no mesmo formato rock'n roll de ser...

Se dois grupos tocando os mesmos instrumentos podem soar tão diferentes, o que mudou?


É aí que entram os pedais de distorção para guitarras.

Desculpem os colecionadores de guitarras por aí (eu também sou), mas em um nível fundamental e grosseiro, o instrumento de seis cordas é pouco mais que uma prancha de madeira eletrificada com os seus apetrechos. A guitarra ganha vida quando ligada a um amplificador e ligada a efeitos e nesse ponto ela se transforma em algo muito maior do que a soma de suas partes.


Dave Davies, vocalista/guitarrista do THE KINKS, descobriu isso depois de usar uma lâmina de barbear para cortar o alto-falante do amplificador, deixando escapar a névoa de overdrive que lhes rendeu o seu primeiro single de sucesso em 1964, a música "You Really Got Me".

Em homenagem à influência dos pedais de guitarra na música popular, separamos para você uma lista de 05 pedais dos mais pioneiros de todos os tempos, desde o icônico Fuzz Face tão amado por Jimi Hendrix até o pedal DigiTech Whammy que veio para definir o som dos anos 90.

Confira somente 05 dos pedais mais inovadores de guitarra:

Pedal: Fuzz Arbiter Face

Estreia: 1966

Música-chave: "Beck’s Bolero" Artista: Jeff Beck Imortalizado por Jimi Hendrix, o Fuzz Arbiter Face foi apresentado aos músicos britânicos em 1966 por Ivor Arbiter, um reparador de saxofones responsável tanto pelo logotipo "Drop-T" dos BEATLES quanto pela introdução dos britânicos no karaokê.


Oferecendo texturas distorcidas e densas, o Fuzz Face foi descrito na época como o “último em efeitos controlados”. Jimi Hendrix foi um dos primeiros a empregar o pedal sorridentemente, adotando-o logo após o seu lançamento para a sua apresentação em novembro de 1966 em Munique, Alemanha, sendo uma de suas primeiras aparições na Europa.


Apesar de ser especialmente sensível ao calor, o Fuzz Face tornou-se um pilar entre os guitarristas de rock, só caindo em desuso após o lançamento de pedais semelhantes, como o Big Muff da Electro-Harmonix.

Pedal: Maestro Echoplex Estreia: 1959 Música-chave: "Outside In" Artista: John Martyn Embora não seja tecnicamente um pedal, o Maestro Echoplex é sem dúvida uma das unidades de fita mais importantes no final dos anos 60 e início dos anos 70.


O delay de fitas existia desde a década de 50, mas o Echoplex foi a primeira unidade de eco a utilizar uma cabeça móvel pelo usuário, que permitia ao usuário modificar o tempo de delay ao seu próprio gosto. Ele também adicionou peso e profundidade ao tom de guitarra do músico com o seu pré-amplificador interno, levando alguns a ignorar completamente o efeito de delay da unidade e usar o Echoplex para aumentar o tom. O precursor do Echoplex, o Echo Sonic, foi iniciado pelo fundador da gravadora Sun Records, Sam Phillips, que usou o efeito em várias das primeiras gravações de Elvis Presley, incluindo nas músicas "Blue Moon" e "Mystery Train".


Mais tarde, Jimmy Page, guitarrista do LED ZEPPELIN, usou o Echoplex para criar contra ritmos hipnotizantes em canções como "The Song Remains The Same". Eddie Van Halen, Brian May e John Martyn, também eram grandes fãs do Echoplex.

Pedal: Cry Baby Wah-Wah Estreia: 1966 Música-chave: "Voodoo Child" Artista: Jimi Hendrix Inventado praticamente por acidente pelo engenheiro júnior da Thomas Organ Company em 1966, Brad Plunkett, o Cry Baby é talvez o pedal mais conhecido e amplamente utilizado de todos os tempos. É efetivamente um filtro que pode ser operado manualmente por meio de um pedal no estilo "acelerando um carro", permitindo um controle expressivo sobre a varredura do seu filtro. Seu design intuitivo o tornou um pilar entre os guitarristas, mas foi originalmente comercializado para trompistas.


Felizmente, o demonstrador da Thomas Organ, Del Casher, convenceu os seus empregadores de que era mais adequado usa-lo para guitarristas. Para provar o seu ponto de vista, ele gravou uma fita demo intitulada "Crybaby" na qual demonstrou o alcance do pedal Wah-Wah.


O nome pegou e o efeito passou a ganhar o favor de alguns dos maiores nomes da música, incluindo Jimi Hendrix, RED HOT CHILI PEPPERS e inúmeros outros...

Pedal: DigiTech WH-4 Whammy Estreia: 1989 Música-chave: "When You Sleep" Banda: My Bloody Valentine Agora sinônimo do guitarrista Tom Morello de bandas como RAGE AGAINST THE MACHINE, AUDIOSLAVE e PROPHETS OF RAGE, foi com o guitarrista Kevin Shields do MY BLOODY VALENTINE, que o pedal DigiTech WH-4 Whammy inclui uma seleção de efeitos de mudança de tom e ajuste em queda.


Shields confiou fortemente no pedal enquanto gravava o álbum de 1991 de sua banda, "Loveless", usando-o para enfatizar as curvas distorcidas que emanam da sua guitarra Fender Jazzmaster sem se preocupar em desafinar o instrumento. Lançado em 1989, o DigiTech Whammy foi usado em algumas das gravações de rock mais revolucionárias de todos os tempos, assim como na música "Killing in The Name" do RAGE AGAINST THE MACHINE. Jack White, Joe Satriani e David Gilmour, também utilizaram esse pedal ao longo do tempo.

Pedal: Heil Talk Box Estreia: 1974 Música-chave: "Do You Feel Like We Do" Artista: Peter Frampton Popularizado por artistas e bandas como Peter Frampton, AEROSMITH, Joe Walsh e outros, esse efeito lendário abriga um alto-falante de diafragma fenólico, cujo som, quando alimentado pelo alto-falante externo de um amplificador, pode ser levado literalmente à boca do usuário por um tubo cirúrgico. Coloque a extremidade do tubo perto de um microfone vocal e o guitarrista pode moldar sons da guitarra com a boca, alcançando imediatamente o som de guitarra "falante" ouvido em álbuns como "Blow by Blow" de Jeff Beck e "Music of My Mind" de Stevie Wonder.


O primeiro talk box foi criado em 1938, mas a versão de Heil foi o primeiro talk box de alta potência que poderia atender às demandas de shows em escala de estádios. Essa versão ainda é a edição mais usada do efeito. Para os mais novos, Jerry Cantrell o utilizou na clássica música do ALICE IN CHAINS, "Man in The Box".


  • Facebook Social Icon
Mais Recentes
Destaques