• by Brunelson

Soundgarden: resenha do álbum "Superunknown"


Como o álbum "Superunknown" (4º disco, 1994) elevou o SOUNDGARDEN a novas alturas inebriantes e deixou um legado que dura até hoje?

Foi um baque alto e repentino que mudou as coisas.


Até aquele momento, Chris Cornell estava passando os seus dias trabalhando em gravações demos no porão de sua casa. Ele tinha uma música se formando, mas as palavras estavam escapando dele enquanto Cornell investigava um barulho estranho que vinha lá em cima de sua casa.

O vocalista subiu as escadas e avistou um passarinho agonizando na morte, após ter quebrado o pescoço depois de bater contra o vidro de uma janela...

Comovido por estar presenciando esta visão, Cornell sacrificou o passarinho ferido jogando um bloco de concreto nele e enterrou os seus restos no seu jardim. Quando ele voltou para o porão, as palavras começaram a surgir: "Escutei do outro quarto / Os olhos estavam despertando apenas para adormecerem / Atordoado num canteiro do jardim / Com o pescoço quebrado / Repousa o meu presente quebrado / Assim como num suicídio".


E assim surgiu uma das músicas lançadas neste álbum, "Like Suicide".


"Like Suicide"

Assim como está escrito nas notas do encarte do relançamento do álbum "Superunknown" em 2014, para comemorar o 20º aniversário do disco, Cornell comentou como isso se tornou uma metáfora para o trauma que ele ainda estava processando.


Sim, o sentimento foi literal, com a letra da canção detalhando toda a situação, mas também havia despertado nele uma dor não processada por aqueles que ele havia perdido. Isso incluía o seu amigo, colega de apartamento e também músico, Andrew Wood, falecido vocalista do MOTHER LOVE BONE, que era uma das estrelas mais brilhantes da cena nascente de Seattle e que morreu em 1990 por overdose de heroína.

Décadas depois de escrever a música "Like Suicide", Cornell afirmou nas notas de relançamento do álbum que era “sobre todas essas lindas vidas ao nosso redor, duas vezes mais brilhantes do que as nossas vidas comuns, pessoas pequenas com a metade do nosso tamanho e caindo pelas paredes”.

As camadas de significado expostas aqui nesta música são apenas 01 microcosmo do álbum.

"Like Suicide" é apenas uma das 16 canções que compõem esse disco, o qual mudaria a carreira do SOUNDGARDEN e se tornaria um dos álbuns de rock mais reverenciados de todos os tempos. Reconhecemos nesse disco como o trabalho de uma banda e seus poderes criativos estão operando em plenitude.

Na consciência coletiva da comunidade rock, há muito se afirma que o grunge morreu quase no mesmo momento em que a notícia da morte de Kurt Cobain foi divulgada. A sabedoria recebida é que, após um desfecho tão trágico, o público de rock mudou para sons mais otimistas de bandas como GREEN DAY e OFFSPRING.

No entanto, isso não resume toda a história, porque uma das bandas com um dos álbuns mais marcantes da cena grunge, ainda não tinha experimentado o auge de sua popularidade mainstream como "líder temporário" da turma grunge até aquele ano e em 1995.

Lançado em 08 de março de 1994 - exatamente 01 mês antes da divulgação da morte de Kurt Cobain - o disco "Superunknown" entrou nas paradas como nº 01 nos EUA, vendeu cerca de 09 milhões de cópias em todo o mundo e ainda gerou um improvável sucesso no ranking de músicas e artistas pop. Raramente um disco tão sombrio, desafiador e musicalmente progressivo, foi recompensado com números de vendas de estrelas pop.

Nem o SOUNDGARDEN estava acostumado com isso, pois nem sempre foi assim...

SOUNDGARDEN foi um dos primeiros grupos grunge a brotar em meados dos anos 80 e a 1ª banda do recinto a assinar com uma grande gravadora, e ainda assim, o último a florescer supremo no mainstream - pelo menos comercialmente falando.

Muito antes de NIRVANA e PEARL JAM ganharem Discos de Ouro respectivamente com os álbuns "Nevermind" e "Ten", SOUNDGARDEN já impressionava com a sua incrível inteligência musical fundindo punk, metal e rock com uma série de ritmos, contra-tempos e dinâmicas desconcertantes, além da voz de Chris Cornell, que era um arranha-céu e inimitável.

Em 1991, eles estavam se afogando na aclamação da crítica após o clássico 3º álbum, "Badmotorfinger", mas não estavam quebrando as paradas. Além disso, quando o SOUNDGARDEN começou a fazer turnês abrindo para bandas já consagradas, eles logo descobriram que o mundo do rock era uma nação dividida.

Conforme entrevistas, quando a banda estava se preparando para a turnê do álbum "Superunknown", eles estavam em êxtase simplesmente por terem a oportunidade de se apresentarem para os seus próprios fãs.

“Fomos para a Europa na turnê do disco 'Badmotorfinger' abrindo para grandes bandas em estádios e se apresentando para 60 mil pessoas que não davam a mínima para nós”, refletiu Chris Cornell numa entrevista em 1994 para a revista Kerrang.

Na época da gravação do álbum "Superunknown" em 1993, SOUNDGARDEN era uma banda em busca de sua individualidade, não apenas para se distinguir de todos os outros grupos grunge, mas também do que eles haviam feito na turnê anterior.

Primeiro, eles mudaram a maneira de como trabalhavam.

Cornell continuou, refletindo sobre o antigo método de trabalho da banda: “Alguém trazia uma gravação demo de uma música e ao invés de realmente nos concentrarmos em por quê gostamos dela e no quê era sobre a ideia original, nós apenas daríamos um jeito de fazer soar como o SOUNDGARDEN, o que poderia fazer com que o álbum soasse um pouco mais estéril”.

Os novos métodos e materiais de trabalho seriam diferentes e a sua missão musical teria que se expandir para acomodá-los, sendo que 20 músicas foram gravadas no lendário Bad Animals Studios em Seattle junto com o produtor Michael Beinhorn, antes de reduzir esse número para 16.

Chris Cornell entregou grandes momentos em quantidade, incluindo os singles clássicos das canções "The Day I Tried to Live" e "Fell on Black Days", além da frenética canção que abre o disco, "Let Me Drown".


"Let Me Drown"

Porém, uma de suas canções iria, é claro, eclipsar todo o resto, pelo menos em termos de atenção mainstream.


Mesmo nos dias de hoje, a psicodelia desencantada da canção "Black Hole Sun" continua extraordinária. Cornell chegou a dizer para a revista Rolling Stone que viu o resultado final dessa música como uma “pintura de palavras surreais e esotéricas”.

"Black Hole Sun"

Na verdade, todo esse álbum foi pincelado com uma paleta irrestrita.


Teclados, afinações alternativas, viola, violoncelo, colheres e no caso da canção "My Wave", até um aceno para o surf rock foram introduzidos. É nas palavras do guitarrista Kim Thayil falando por um comentário do Spotify de quando o álbum "Superunknown" estava sendo relançado em 2014, que era um “disco perfeito para se escutar nos fones de ouvido”.

E realmente, cada membro da banda fizeram grandes contribuições sonoras e criativas.

Alguns dos riffs mais interessantes não pertencem a Chris Cornell e nem a Kim Thayil, mas ao baterista Matt Cameron, que não apenas concebeu o riff central da canção "Mailman", mas também tocou mellotron nele. A música "Fresh Tendrils" também é outra composição de Cameron, a tornando mais ainda atípica ao incluir o clavinete, assim como a linha de guitarra crescente na canção "Limo Wreck", com Thayil admitindo: "O nosso baterista foi quem surgiu com isso”.

"Limo Wreck"

Duas das músicas mais singulares do álbum foram cortesias do baixista Ben Shepherd.


Os acordes desencarnados e retorcidos na música "Head Down" foram criação sua, assim como na canção "Half", influenciada pela música indiana (e com o baixista levando os vocais). Sim, Chris Cornell até se recusou a cantar na música "Half", insistindo que a canção perderia o seu caráter sem o vocal do baixista.


"Half"

Kim Thayil não apenas nos serviu com a canção punk rock do SOUNDGARDEN, "Kickstand", mas assim como você esperaria, ele aumentou todas as músicas do álbum de forma brilhante, adicionando camadas, riffs atraentes e mais deslumbrante de tudo foi o seu solo de destaque na canção "Like Suicide". SOUNDGARDEN também não se intimidou com o ruído fundido que os haviam definido no início de carreira. Na música "4th of July", inspirada na viagem de ácido LSD de Chris Cornell numa reserva indígena, eles sem dúvida entregaram o seu momento mais pesado no disco "Superunknown".


"4th of July"

Contudo, quando todos os itens acima foram reunidos em estúdio, SOUNDGARDEN gravou um álbum que se encaixava em suas próprias aventuras e foi criado para confundir as expectativas, pois houve/há muito boato sobre o disco "Superunknown" estar relacionado a temida palavra "comercial" que tanto foi refutada pela ninhada grunge. Diria que está longe de ser comercial, mas não quer dizer que seja um "Badmotorfinger" parte 2. E como o seu legado iria atestar, o álbum "Superunknown" se tornou em algo totalmente diferente... Num final de tarde ensolarado no Hyde Park em Londres, SOUNDGARDEN tocou a rara música "4th of July" exatamente no dia 04 de julho de 2014, o que seria o último show da banda no Reino Unido. “Pode ser que nunca mais iremos fazer isso”, comentou Chris Cornell ao público deste show, se referindo ao fato da banda estar tocando quase todo o álbum "Superunknown" na íntegra devido ao aniversário de 20 anos do disco. O que o grupo estava apresentando ao público naquele dia, era o quão bom o álbum havia envelhecido. Antes de tocarem a música "Mailman", Cornell falou à multidão: “A próxima canção é uma narrativa vinda de um funcionário dos correios dos EUA. Eles fazem maravilhosamente bem os seus trabalhos, usando bermudas para trabalharem no verão, são educados com as pessoas, cuidadosos, são legais com os cachorros, mas uma vez, um deles foi à agência do correio e atirou com uma arma em todos os colegas de trabalho que conhecia... Fora isso, os seus trabalhos são realizados de maneira exemplar”. O tema dessa música só ganhou mais ressonância desde então.


"Mailman"

As canções do álbum "Superunknown" influenciaram também a próxima geração de bandas.


Todos, desde Chester Bennington do LINKIN PARK até Taylor Momsen da banda THE PRETTY RECKLESS, se inspiraram no disco, com o seu sucesso artístico e comercial sendo difícil de não querer exagerar, assim como o efeito que teve sobre os seus próprios criadores. “Foi o auge da nossa carreira, mas tínhamos coisas difíceis acontecendo ao mesmo tempo”, disse Kim Thayil em entrevista para a revista Kerrang em 2012. “A morte de Kurt Cobain foi pesada e perturbadora para nós. Alguns de nós tiveram relacionamentos fracassados e também perdemos alguns outros amigos. Estávamos lidando com perdas pessoais enquanto tentávamos alcançar o sucesso profissional... Não sei se alguma vez o apreciamos totalmente”. SOUNDGARDEN logo se desvendou após a sua verdadeira descoberta do mainstream.


Antes de implodirem, eles iriam lançar mais um excelente álbum em 1996, "Down on The Upside" (5º disco). Embora tenham demorado 16 anos até que lançassem um novo álbum de estúdio, "King Animal" (6º disco, 2012), mesmo nesta ausência prolongada, o álbum "Superunknown" permaneceu onipresente na consciência coletiva do rock. Muito desse disco é escuro, articulando temas de perda, depressão e isolamento com uma graça inabalável e um tom poético ardente. Refletindo para a revista Rolling Stone em 2012, Cornell - que sempre foi tão alérgico à nostalgia - reavaliou a sua obra-prima. “Há um mistério aí... Um tipo de tristeza insolúvel ou desejo indescritível que eu nunca tentei realmente isolar, definir e entender totalmente”, disse ele. “Mas está sempre lá, tipo, é como uma coisa assombrada". À luz da tragédia de sua morte em 2017, talvez agora seja mais assustador do que nunca reavaliar a parte lírica do álbum "Superunknown". A perda de Chris Cornell e de fato do SOUNDGARDEN, é algo que os fãs de rock irão lamentar muito. Mas essa dor também deve ser temperada pelo poder inalterado de sua música: "Estou vivo no superdesconhecido", cantou Chris Cornell no refrão da música "Superunknown"... Sim, Cornell estava mesmo e deve permanecer assim.


"Superunknown"


Track-list:


1. Let Me Drown

2. My Wave

3. Fell on Black Days

4. Mailman

5. Superunknown

6. Head Down

7. Black Hole Sun

8. Spoonman

9. Limo Wreck

10. The Day I Tried to Live

11. Kickstand

12. Fresh Tendrils

13. 4th of July

14. Half

15. Like Suicide

16. She Like's Surprises


* Soundgarden: "vocês ainda não tem um disco", produtor de "Superunknown" havia dito à banda


* Soundgarden: revelado pagamento ao produtor do álbum "Superunknown"


* Soundgarden: "os três primeiros álbuns possuem uma 'gordura' no som", disse produtor do 4º disco

* Soundgarden: existe uma música gravada com Jerry Cantrell nas demos do disco "Superunknown"


* Soundgarden: disco "Superunknown" fazendo 25 anos


* Soundgarden: produtor revela como Cornell gravou o vocal para o disco "Superunknown"


* Soundgarden: produtor do álbum “Superunknown” falando da canção “Black Hole Sun”


* Chris Cornell: "o que vai acontecer se não soar como o Soundgarden?"


* Soundgarden: como a banda encarou o "fim" do grunge?


* Soundgarden: resenha do show de abertura em Wembley, Londres/1992

* Soundgarden: antes, no dia e depois da morte de Kurt Cobain

  • Facebook Social Icon
Mais Recentes
Destaques