• by Brunelson

Smashing Pumpkins: entrevista pela revista Premier Guitar - Parte 3/3


Confira a 3ª parte desta maravilhosa entrevista que a revista Premier Guitar realizou com Billy Corgan e Jeff Schroeder, respectivamente, frontman e guitarrista do SMASHING PUMPKINS.


* Smashing Pumpkins: entrevista pela revista Premier Guitar - Parte 1/3


* Smashing Pumpkins: entrevista pela revista Premier Guitar - Parte 2/3


* Smashing Pumpkins: "a decisão foi de D'arcy de não querer retornar à banda"


Jornalista: Billy, quando você estava gravando as guias das partes da guitarra para o álbum "Cyr" (10º disco, 2020), você estava tocando com a sua guitarra de assinatura chamada Reverend? (foto)

Billy Corgan: Sim, nos últimos anos a minha guitarra principal tem sido este modelo exclusivo. É uma guitarra realmente única e possui uma clareza incrível. Agora, estou tocando com um protótipo de uma nova assinatura e também estou muito animado com isso.

Jornalista: Esta nova guitarra terá a mesma forma corporal da outra?

Corgan: Um pouco, mas é uma guitarra totalmente diferente. Eu não quero falar muito e nem demos um nome ainda. Se você anuncia algo e não há nada lá para mostrar, as pessoas ficam bravas, tipo: "Eu quero agora! Por que não posso ter agora?” Tenho que ser um pouco clandestino, sabe? O legal é Joe Naylor, o proprietário original da Reverend que ainda projeta e possui a sua própria linha de captadores. Ele faz captadores customizados para mim, então, eles já são diferentes do modelo Reverend.

Jornalista: Quais os amplificadores você estava usando?

Corgan: Para gravar o álbum "Cyr" usamos um monte de coisas diferentes. Eu usei um amplificador exclusivo da Carstens Amplification e que acabou de ser lançado, que se chama Grace. Eles fazem os seus próprios amplificadores e não são um grande fabricante no mercado. Só posso dizer que é uma cabeça de ganho super alto. Também usei um Sound City antigo e dois amplificadores Laney antigos. Um é o que Tony Iommi costumava usar em meados dos anos 70 (guitarrista do BLACK SABBATH), então, eu tenho aquele amplificador de verdade. Eu também tenho um modelo vintage de Tony Iommi da Laney Supergroup.

Corgan: Eu tenho usado Marshalls cada vez menos, em parte apenas porque ele se tornou o som do rock e sempre gravitei em uma direção diferente. Eu não quero o som de guitarra que todo mundo tem. Marshall é ótimo e é um som incrível, mas há algo sobre tocar com diferentes estruturas de ganho que mudará um pouco a sua forma de tocar se você deixar isso acontecer.

Jeff Schroeder: O amplificador que usei principalmente foi um Marshall de 50 watts de meados dos anos 70 que pertencia a K.K. Downing, guitarrista do JUDAS PRIEST e que Billy comprou, o que foi fenomenal. Usei um Fender Bandmaster de 1966 que possuo em algumas gravações com a guitarra limpa. Na verdade, algumas partes são o plug-in Line 6 Helix Native. Às vezes, para gravação de demos, eu uso o Helix porque tem o mesmo som e oferece muita flexibilidade. Algumas vezes, era: "Nossa, isso soa perfeito do jeito como está”.

Jornalista: Jeff, quais eram as suas guitarras principais durante as sessões de gravação do álbum "Cyr"?

Schroeder: Basicamente, usei apenas duas guitarras: uma Les Paul Deluxe de 72 com mini humbuckers e uma guitarra protótipo da Yamaha que não acho que tenha um nome oficial ainda. É uma guitarra aparafusada com o braço de bordô torrado, trastes de aço inoxidável e corpo de amieiro. Possui três bobinas simples. Eles são captadores Seymour Duncan YJM Yngwie Malmsteen. Foi construído pela Yamaha L.A. Custom Shop.

Jornalista: Você mencionou outro protótipo que está na foto de capa desta edição da revista (foto acima).

Schroeder: Em 2019, a custom shop da Yamaha me construiu quatro Pacificas. Elas são muito parecidas com guitarras stratocaster dos anos 80 com 24 trastes. Todas possuem captadores Floyd Rose e Seymour Duncan Hunter na ponte. Três deles têm um Hunter especial no pescoço. Eles normalmente não vendem isso e têm o SSL-5 no meio. A guitarra vermelha fluorescente brilhante na capa da revista tem um Sustainiac no braço e eu também uso muito isso. Eu realmente a amo, elas são máquinas de precisão incríveis e é a primeira vez na minha vida que sinto que não posso reclamar de nada de uma guitarra.

Jornalista: Billy, você já desceu à "toca do coelho" viajando com os seus pedais de distorção para a guitarra?

Corgan: Sim, mas acabo descobrindo que estou cada vez menos interessado em pedais. É estranho porque agora existem tantos pedais excelentes e tantos revendedores de butique excelentes que fazem todos os tipos de coisas legais. De qualquer maneira, eu tenho uma coleção vintage enorme de pedais e não é como se eu realmente quisesse mais pedais. A Catalinbread recentemente me enviou um pedal que eles fizeram e que eu realmente gosto. É para distorcer o baixo, então, pude ver usando isso no próximo álbum do SMASHING PUMPKINS. Vou soar como o meu pai agora, mas à medida que envelheço, fico cada vez mais interessado no som de guitarra e amplificador. Se você encontrar o amplificador de guitarra certo, ele apenas grava o seu som de uma maneira muito particular.

Jornalista: Você se sente assim sobre o seu novo amplificador Carstens exclusivo?

Corgan: Sim. Estou rastreando as demos do SMASHING PUMPKINS usando este amplificador exclusivo. Eu também tenho usado um daqueles Orange, não me lembro como é chamado, mas é como o Orange de alto ganho. Eu ganhei do filho do cara que originalmente projetou o Orange, sabia? Amei aquele amplificador que soa muito bem também, talvez um pouco mais limpo, um pouco mais forte no meio, mas é provavelmente por isso que os caras do metal gostam dele. No novo material do SMASHING PUMPKINS em que estamos trabalhando, definitivamente há alguns riffs importantes e estou tentando encontrar uma nova maneira de fazer a mesma parede de som (risos). Estou em um ponto agora em que só quero poder puro, tipo, não quero nada entre mim e o amplificador.

Jornalista: Eu amo o seu tom de guitarra. Eu sempre amei...

Corgan: O problema com esses tons é que nos acostumamos a tocar num volume ensurdecedor. Então, quando você está tocando o tempo todo, fica realmente sintonizado com o que sacode a alma com o som de uma guitarra. É legal ouvir essas coisas porque é muito agressivo.

Jornalista: A música “Wyttch” é uma das canções mais metal do álbum "Cyr". Tem um gancho tão legal e uma parte de guitarra rítmica matadora. Quem está tocando essas partes de guitarra rítmica?

Corgan: Acho que todo mundo está na música. Eu estou tocando o principal e normalmente toco o principal porque é o meu riff - se isso faz algum sentido... É como se você escrevesse o riff e é coisa sua ao descobrir. A guitarra principal é apenas 01 guitarra. Parece que há mais, mas há apenas 01 guitarra. Nós meio que rimos muito disso, porque pensamos: "Todo mundo vai ouvir esses sintetizadores e irão reclamar e reclamar, e então, eles vão ouvir a música 'Wyttch' e o que eles irão dizer?"

Jornalista: Como você descreveria James Iha e Jeff Schroeder como guitarristas? Que tipo de músicos eles são no SMASHING PUMPKINS?

Corgan: Jeff é super habilidoso... Ele é o mais habilidoso de nós três. Ele pode tocar praticamente qualquer coisa. Ele está fazendo aqueles vídeos destruidores com Michael Batio e vive nesse mundo e estou maravilhado com a sua habilidade. Seu apelido é “triturador”. Acho que ele até teve aulas com Michael Batio não muito tempo atrás e sei que ele continua amigo de George Lynch. Jeff traz esse tipo de conhecimento pra ele, sabe? Ele pode fazer todas as varreduras e toda essa merda que está além de mim. Eu parei de praticar assim anos atrás. Eu olho para essas coisas que ele faz e apenas balanço a minha cabeça positivamente. Estou totalmente pasmo com as pessoas que podem tocar desse jeito.


Corgan: Sou amigo de alguém aqui em Chicago cujo filho tem, talvez, 11 anos de idade e estuda na Escola de Rock. Ele postou essa coisa em rede social um dia desses tocando a música “Eruption” do VAN HALEN e foi perfeito, nota por nota. Técnica muito boa e ele tem apenas 11 anos e eu fiquei: "Porra, eu não consigo tocar assim".

Corgan: James é muito parecido com o mundo em que crescemos. Não fomos treinados por esse mundo, nós dois, e assim, o jogo é muito intuitivo. É tão provável que você toque uma nota quanto toque várias. Não é uma coisa intelectual, é mais uma relação emocional com o instrumento. Aprendemos com pessoas como Johnny Marr e Robert Smith, onde a nossa relação com a guitarra é provavelmente diferente. Eu meio que cruzo os dois mundos, porque era do tipo retalhador, mas também aprendi e toquei outro tipo de guitarra. Portanto, é um bom equilíbrio, porque, na verdade, James está mais no lado emocional e intuitivo, e Jeff está mais no lado técnico - e eu me sento no meio. Portanto, não há realmente nada que não possamos fazer como um trio e essa é a parte boa sobre isso.

Jornalista: Billy, você e o baterista Jimmy Chamberlin possuem uma conexão especial. Isso aconteceu imediatamente ou foi algo que se desenvolveu ao longo do tempo?

Corgan: Demorou para nos desenvolvermos como músicos e o nosso relacionamento pessoal demorou muito mais porque somos apenas personalidades muito diferentes, mas musicalmente no 2º ou 3º ano de banda nós realmente começamos a nos conectar. Nós crescemos ouvindo músicas semelhantes de bandas como RUSH e LED ZEPPELIN, então, tínhamos uma linguagem comum que podíamos conversar quando falávamos sobre rock. A coisa maluca com Jimmy é que não há nada que ele não possa fazer como músico, mas ele também é muito emocional em termos de como ele aborda isso. Ele é muito dirigido pelas letras e pela melodia e então, eu sendo um compositor, há essa capacidade de resposta incrível onde eu posso tocar totalmente o que eu quero e ele pode tocar qualquer uma dessas coisas sem problemas junto comigo. Quando começamos a tocar algo como a canção “Tonight, Tonight” (3º disco, "Mellon Collie and The The Infinite Sadness, 1995), ele sabia como chegar por trás do significado da letra, apoiá-la e elevar a música de uma forma que acho que poucos bateristas conseguiriam. Então, eu sou abençoado por ter esse armamento literal de capacidade atrás de mim com tudo o que queremos fazer.

Corgan: E então, no álbum "Cyr", ele está totalmente de bem em ficar um pouco em segundo plano e ser apenas um criador de batidas. Sem ego, sem reclamação... Ele está quase rindo da falta de preenchimento da bateria. Obviamente, não há nada que ele não possa fazer e ainda vamos tentar outra coisa que normalmente não faríamos e Jimmy é uma pessoa muito interessante em querer nos apoiar dessa forma.

Jornalista: Você disse que a sequência final para a trilogia que se iniciou no álbum "Melon Collie and The Infinite Sadness" e continuou no álbum "Machina The Machines of God" (5º disco, 2000), parece muito importante agora. Por que parece que agora é a hora?

Corgan: Eu sempre planejei fazer este acompanhamento final, mas nunca pensei que isso fosse acontecer por causa do status que a banda vinha trazendo (sem os membros originais). Agora, eu acho que a solidez da banda, onde estamos em nossas vidas e o fato de que ainda podemos tocar rock super pesado e muito bem, é como, bom, se você vai fazer isso, agora é a hora... Parece certo.

Jornalista: Você sempre foi um grande defensor da saúde mental e muito honesto neste assunto. Escrever e compor vários álbuns simultaneamente está ajudando a processar o que está acontecendo no mundo em 2020? (jornalista se refere ao disco "Cyr" e na formulação do vindouro álbum)

Corgan: Normalmente eu diria que não, mas eu acho que sim. É estranho, você sabe... Somos abençoados como americanos por termos sido capazes de ser interiormente indulgentes. Existem outras culturas e lugares no mundo que não têm a mesma liberdade e latitude que nós. Pela primeira vez na minha vida, estamos meio que no precipício se perguntando: "Isso vai mudar? Estamos entrando em um grande desconhecido?" Certamente os EUA tiveram os seus problemas, a Guerra Civil sendo a mais notável na medida em que quase dilacerou o país. Para as pessoas falarem abertamente sobre a Guerra Civil, insurreição e sucessão, isso é uma novidade para nós que vivemos aqui nos últimos 50 anos ou mais. Você tem que lidar com algumas questões maiores do que se o rock independente tem ou não futuro... Existe a política de uma cultura indulgente, tipo: "Você viu o que fulano de tal estrela pop disse?" Essa é uma cultura indulgente que se retrai até o umbigo.

Jornalista: BLACK SABBATH é uma de suas influências definitivas, mas eu ouvi você fazer referência a Neil Young recentemente em outra entrevista. O que há na música de Neil Young que está ressoando em você atualmente?

Corgan: Neil Young é um daqueles verdadeiros artistas independentes que traçou o seu próprio caminho. É admirável e de uma forma estranha, o mundo finalmente percebeu que é a melhor maneira que um artista deve ser. Mas Neil Young é engraçado... Ele está em todo o mapa e dependendo do seu humor, meio como Bob Dylan, você sempre pode encontrar alguma versão de Neil que se adapte ao seu humor. Ele é um daqueles artistas de referência que eu sempre comento. Ele é como um bom vinho e está certo o tempo todo. Há algo bonito na celebração da sua experiência de vida que, em última análise, supera se a guitarra está afinada ou não, ou algo que você apontaria em um artista menor... Ele parece ser capaz de transcender isso.

Jornalista: Se a música tivesse cheiro, qual seria o cheiro do SMASHING PUMPKINS?

Corgan: (risos) Uma rosa podre.

Schroeder: Lavanda (risos), porque, se você pensar nisso em terminologia "masculino/feminino", a lavanda não é inteiramente feminina e nem masculina, meio que incorpora os dois. Com o SMASHING PUMPKINS misturar esses tipos de elementos é muito importante e é o ponto crucial do nosso som.

Jornalista: Para finalizar essa entrevista, as coisas que você precisa dizer como músico mudaram ao longo dos anos, ou você ainda se sente impulsionado pelas mesmas forças que o impulsionavam quando você começou?

Corgan: Eu definitivamente aprendi a vir de um lugar diferente. No início, era muito sobre se eu pertenço ou preciso de um lugar à mesa. E então, no meio, era como se eu não tivesse certeza se quero estar aqui, mas estou disposto a falar sobre estes sentimentos. E então, ultimamente é sobre, ok, cheguei até aqui e se vou dizer algo, preciso dizer algo com algum coração verdadeiro e alguma força real por trás.

Corgan: É uma jornada interessante, porque sempre fui aberto sobre isso. A parte adorável é que, se você for honesto consigo mesmo, você chega a um ponto em que pensa: "Nossa, eu realmente gosto de fazer isso e estou de bem com isso". Estamos falando de músicas de 25 anos e que tipo de pedal para guitarra você usou no álbum "Siamese Dream" (2º disco, 1993), você me entende? O fato de que as pessoas ainda se importam é incrível e recebo tudo de forma muito humilde... É legal e é disso do que se trata a vida: celebração e realização. Não se perca em nenhuma parte, apenas continue dançando e se movendo.


Confira o videoclipe da canção citada aqui nesta entrevista, "Wyttch", lançada no novo álbum duplo do SMASHING PUMPKINS, "Cyr" (10º disco, 2020):


  • Facebook Social Icon
Mais Recentes
Destaques

2016 by RockInTheHead