• by Brunelson

Radiohead: Top 10 melhores letras do vocalista Thom Yorke


O vocalista do RADIOHEAD, Thom Yorke, passou por uma fascinante progressão como letrista. Inicialmente favorecendo as observações diretas e cheias de angústia de seus colegas contemporâneos do rock alternativo, Yorke começou a se afastar cada vez mais dessa franqueza à medida que se tornava cada vez mais cansado das realidades da vida como uma estrela do rock.


* Radiohead: guia para iniciantes; um lampejo de todos os álbuns de estúdio

As sementes do descontentamento foram plantadas no 2º álbum de estúdio, "The Bends" (1995), já que a banda usa a auto reflexão e observações do consumismo para retroceder contra o seu próprio status de maravilhas de uma banda sustentada por apenas 01 música de sucesso.


* Radiohead: o hino indesejado da banda, a música "Creep"


* 05 bandas que odiaram os seus maiores sucessos


Seria preciso uma desconstrução completa do mundo moderno no álbum sucessor, "OK Computer" (3º disco, 1997) para a banda se divorciar completamente do bando pós-grunge.

No entanto, Yorke parecia ainda mais desdenhoso em ser uma figura de proa da cena do rock no álbum "Kid A" (4º disco, 2000), propositalmente obscurecendo os seus significados líricos através de efeitos eletrônicos, jazz e excursões viajantes. Com a obscuridade e a imprecisão agora como foco principal, RADIOHEAD ultrapassou os reinos típicos de uma banda de rock para explorar espaços até então desconhecidos no mainstream.

Yorke agora estava livre para seguir a sua linha, quer isso significasse se arrastar pelo discurso político, celebrar as maravilhas da natureza ou até mesmo retornar a um ponto de vista mais pessoal. Por tudo isso, ele se manteve longe das armadilhas líricas mais óbvias em que os escritores podem cair, usando métodos de corte e fluxo de consciência para trazer uma vantagem experimental sem nunca sacrificar a lucidez em suas palavras.

A mentalidade de Thom Yorke muitas vezes pode estar à distância do frontman nervoso que se apresenta no palco em qualquer show, mas ajuda a dissecar a sua escolha de estilos líricos e o que as palavras podem significar, obtendo uma janela para Yorke como ser humano.

Portanto, em homenagem resolvemos ilustrar a sua evolução como letrista e separamos o Top 10 melhores letras de Tom Yorke como vocalista do RADIOHEAD.

Confira em ordem cronológica:

Música: "Anyone Can Play Guitar"

Álbum: "Pablo Honey" (1º disco, 1993)

“Se o mundo girar e se Londres queimar Estarei na praia com a minha guitarra” Por mais tentador que seja resumir a fase de aspirante a estrela do rock de Thom Yorke com o refrão eterno do maior sucesso da banda, a música "Creep" (também lançada nesse 1º disco), Yorke na verdade consegue o mesmo ponto de vista de uma forma muito mais poética em um corte diferente na canção "Anyone Can Play Guitar". Ainda existem os pensamentos ingênuos de que, ficar rico, famoso e adorado, resolverá todos os seus problemas, mas Yorke também é capaz de encontrar um centro na loucura. Esta foi a época em que não havia muita diferença entre Yorke dizendo: “Eu quero ser Jim Morrison”, mas Yorke sugere algumas tendências esotéricas iniciais empregando algumas imagens apocalípticas pesadas.


* Radiohead: quando o vocalista chamou Jim Morrison de "bastardo sem talento"

Música: "Fake Plastic Trees" Álbum: "The Bends" (2º disco, 1995) “Mas eu não posso evitar o sentimento eu poderia explodir através do teto Se eu apenas virar e correr” O descontentamento pela fama, glória e rock de guitarras veio rapidamente para o RADIOHEAD.


Apontado na época como o líder de apenas mais uma banda grunge neandertal, Yorke fez uma virada completa de 180 graus de querer ser Jim Morrison, para querer sair do giro selvagem do estrelato.


Esse álbum é uma banda tentando descobrir como não ser mais a banda da canção "Creep", mas ainda não sendo madura ou experiente o suficiente para impulsionar a sua evolução. Há traços disso por todo o álbum, mas é o anseio do clímax emocional na música "Fake Plastic Trees", onde Yorke chega mais perto de se remover completamente da sua personalidade de rock estabelecida.

Música: "Talk Show Host" Álbum: ficou de fora do álbum "The Bends" (2º disco, 1995) "Você me quer Porra, venha e me encontre Eu estarei esperando Com uma arma e um pacote de sanduíches” Descrições vívidas rapidamente cairiam em desuso na escrita lírica de Thom Yorke, à medida que ele gravitava em direção a imagens menos específicas e mais obscuras, mas de vez em quando você pode realmente ouvi-lo cravar os calcanhares e lhe acertar bem no meio dos olhos. A canção "Talk Show Host" é o lado-b do single da música "Street Spirit" e o desespero e a raiva que se combinam em uma força abrasadora na voz de Yorke, é tão potente quanto jamais seria.


Antes que o desapego e a indiferença fossem os temas em torno de suas palavras, Yorke ainda tinha fúria justa o suficiente e referências malucas para agitar as suas emoções mais voláteis.

Música: "Karma Police" Álbum: "OK Computer" (3º disco, 1997) “Por um minuto Eu me perdi" Yorke foi capaz de condensar todos os 53 minutos desse álbum em apenas algumas palavras na seção final da canção "Karma Police". Um álbum cheio de ansiedades sobre a sociedade moderna, batalhas contra o influxo cada vez mais rastejante da tecnologia moderna e a subsequente perda de identidade que vem no pacote (ser humano buscando o Eu Ideal, e não o Eu Real), são o que torna o disco "OK Computer" tão presciente, atemporal e um divisor de águas na história do rock. Yorke confronta diretamente a sua própria dissociação nessa música, que o álbum realmente solidifica a sua mensagem e transcende a outro nível.

Música: "Everything in its Right Place" Álbum: "Kid A" (4º disco, 2000) “Ontem, eu acordei chupando um limão" O álbum "OK Computer" é o som do RADIOHEAD se enfurecendo contra a "máquina". Já o disco "Kid A" é o som do RADIOHEAD se tornando na "máquina".


* Radiohead: depois de 20 anos, como o álbum "Kid A" profetizou os tempos atuais?


* Radiohead: vocalista comenta sobre bloqueio como escritor no disco "Kid A" "OK Computer" foi o álbum que finalmente deu ao RADIOHEAD a adulação crítica e o sucesso comercial para se separar da canção "Creep" e explorar qualquer área musical que eles quisessem, no entanto, Yorke ainda sentia uma sensação tangível de perda e separação de praticamente tudo e qualquer coisa. A solução foi ser o mais abstrato possível.


Ao subverter as expectativas do que uma banda de rock deveria tocar e o que Yorke deveria escrever como letrista, RADIOHEAD estava dando um passo ousado em desafiar os ouvintes para permitir que uma jornada mais experimental e exploratória se desenrolasse.


Tudo bem, parece tremendamente bobo, estúpido e fora do contexto, mas a linha sobre "chupar limões" era a linha de demarcação que você tinha que cruzar para apreciar plenamente a genialidade do álbum "Kid A". Se você pudesse embarcar nisso, um disco inovador estava esperando por você.

Música: "You and Whose Army" Álbum: "Amnesiac" (5º disco, 2001) “Você e o exército de quem? Você e seus comparsas Você esquece tão facilmente” Para todos os efeitos, o álbum "Amnesiac" é o disco "Kid A" parte 02.


Gravado durante a maioria das mesmas sessões do álbum anterior e apresentando a maioria dos mesmos temas, o disco "Amnesiac", na melhor das hipóteses, funciona como uma continuação da aleatoriedade e confusão (no bom sentido) do álbum "Kid A" e na pior das hipóteses, como uma série de sobras de estúdio que não foram boas o suficiente para serem lançadas no disco "Kid A". Mas uma música em particular apresentava uma dica de onde a banda estava indo no álbum "Amnesiac": "You and Whose Army". Na época uma das poucas canções políticas no cânone do RADIOHEAD, "You and Whose Army" apresenta letras minimalistas e repetitivas que agem como uma espécie de precursora do slogan que Yorke apresentaria no próximo álbum da banda.

Música: "2+2=5" Álbum: "Hail to The Thief" (6º disco, 2003) “Vou ficar em casa para sempre Onde dois mais dois sempre fazem cinco" Bem-vindo à distopia conhecida no disco "Hail to The Thief".


Muito tempo antes da presidência de Donald Trump fazer de todos comentaristas políticos, Yorke adotou a persona de se defender contra o governo republicano da época do presidente George W. Bush. Aqui, Yorke deixa as suas intenções claras ao castigar aquelas pessoas cuja ignorância e complacência tornaram situações corruptas e perigosas não apenas possíveis, mas altamente prováveis, com o vocalista fazendo um retorno ao estilo lírico direto que ele mais uma vez se afastaria em lançamentos subsequentes.

Música: "Videotape" Álbum: "In Rainbows" (7º disco, 2007) “Não importa o que aconteça agora Você não deve ter medo Porque eu sei que hoje foi O dia mais perfeito que eu já vi” Demorou quase 01 década para Yorke finalmente enfrentar a questão da morte com lucidez e consciência.


O álbum "In Rainbows" é uma explosão alegre, capturando o RADIOHEAD em seu aspecto mais otimista e menos cínico que jamais seria. A música é vibrante, a banda está bem amarrada nos sons e Yorke está realmente em um estado de espírito positivo. O que poderia ter sido (e ocasionalmente foi) um beijo bombástico e despojado de volta ao seu essencial absoluto, deixando cada nota perdurar enquanto Yorke evoca imagens da guerra espiritual que nos cerca e preservação dos “bons velhos tempos”, é na estrofe final que Yorke deixa escapar todo o seu pessimismo e revelando uma figura profundamente comovente que enfrenta o seu final com compreensão e satisfação.

Música: "Separator" Álbum: "The King of Limbs" (8º disco, 2011) “As mais doces frutas floridas estavam penduradas nas árvores Caindo do pássaro gigante que está me carregando” Escolher o álbum favorito do RADIOHEAD é muitas vezes um processo trabalhoso, mas esse disco geralmente é descartado por primeiro para muitos fãs. Talvez, seja o álbum menos aclamado em toda a discografia da banda, mas isso não quer dizer que não existam algumas letras geniais em suas músicas.


O disco "The King of Limbs" está no seu melhor quando Yorke se torna descritivo em suas avaliações da natureza e as distorce de maneiras inesperadas. As suas falas na canção "Separator" são Yorke em seu estado mais psicodélico e para um álbum conhecido por seu minimalismo, é bom ouvir Yorke sem medo de ficar lindamente inebriante em suas imagens.

Música: "True Love Waits" Álbum: "A Moon Shaped Pool" (9º disco, 2016) "Eu não estou vivendo Eu estou apenas matando tempo Suas pequenas mãos Seu sorriso de gatinho maluco” Teria sido ótimo encerrar o legado de Thom Yorke com uma bela reverência à canção "Videotape" antes citada.


Enfrentar a questão da morte com compaixão amorosa teria sido o final de um livro de histórias, mas a vida de Yorke continuou se desenrolando com reviravoltas tristes e trágicas.


Com a separação de sua ex-esposa e sua eventual morte após o lançamento do álbum "A Moon Shaped Pool", esta música estava destinada a ser um caso mais do que discreto. Yorke finalmente encontrou o cenário apropriado para colocar as suas letras em uma das canções mais amadas do RADIOHEAD. Na verdade, essa música foi estreada ao vivo em 1995 e faz um resumo sombrio, mas em última análise, adequada na carreira do RADIOHEAD para tê-la em seu álbum mais meditativo na carreira até hoje - e o último lançado desde então.


  • Facebook Social Icon
Mais Recentes
Destaques