• by Brunelson

Radiohead: depois de 20 anos, como o álbum "Kid A" profetizou os tempos atuais?


Um novo livro chamado, "This Isn't Happening", explora o álbum assustadoramente presciente de 2000, "Kid A", 4º disco da banda de rock, RADIOHEAD.

E como o RADIOHEAD deixou de produzir sucessos convencionais como a canção “Creep” (1º disco, "Pablo Honey", 1993), para se tornar num dos artistas mais inovadores da história da música? 

"Pivotando (não necessariamente era preciso) do rock de guitarras ideais de estádios e arenas para um som mais abstrato, singular e estranho, que parece mais atual do que nunca", disse o crítico musical e autor do livro, Steven Hyden. O livro conta a história do álbum "Kid A", o disco de 2000 que definiu a carreira e a polarização da banda britânica.

O álbum “Kid A” foi o primeiro disco do RADIOHEAD nº 1 nos EUA. A sua música agourenta e letras não sequenciais foram desanimadoras para os críticos e fãs no início de seu lançamento, mas hoje eles evocam o sentimento da vida cotidiana de "recepção de células problemáticas" e "atualizações descontextualizadas de mídia social" até "a realidade moderna da interconectividade tecnológica onipresente às custas da genuína conexão humana", escreve Hyden. 

O lançamento primeiro digital do álbum - ficou disponível online antes de ser vendido fisicamente - também antecipou profeticamente mudanças tectônicas na música, na cultura e na indústria fonográfica, que abandonou em grande parte os CD's e o rock tradicional, por streaming e hip-hop.

Hyden, de 43 anos de idade, apresentador do podcast e redator do site de cultura e entretenimento chamado Uproxx, é um dos maiores críticos de rock dos EUA. Os seus livros anteriores examinaram as rivalidades da música popular, o declínio do rock clássico e a história dos roqueiros "retrô" de Atlanta, THE BLACK CROWES, que havia co-escrito com o baterista Steve Gorman. 

Mas o livro “This Isn't Happening”, o seu 4º livro na carreira, é a história do RADIOHEAD que se tornou o queridinho da crítica mundial com o clássico álbum de 1997, “OK Computer” (3º disco), cujo pessimismo sobre a tecnologia e a sociedade ajudou a construir a sua reputação de música distópica.

Hyden foi entrevistado recentemente pelo jornal de New York, The Wall Street, e falou sobre o álbum "Kid A", que ficou em 20º lugar na lista atualizada dos melhores álbuns de todos os tempos pela revista Rolling Stone.

Confira essa entrevista completa logo abaixo:

Jornalista: O disco “Kid A” do RADIOHEAD completou 20 anos agora em outubro de 2020. Além disso, por que escrever sobre este álbum somente agora?

Steven Hyden: Faz mais sentido hoje de uma forma que não iria fazer antes, porque o mundo alcançou este álbum... Quando você ouviu esse disco em 2000, não fazia sentido como música rock, da forma como seria um disco do RADIOHEAD e até mesmo como músicas em geral, mas quando eu ouço agora, parece que assustadoramente estamos vivenciando a nossa vida diária. Vivemos neste mundo onde estamos sendo inundados com informações e hoje, o álbum “Kid A” soa quase como um rock clássico, porque os nossos cérebros foram reconectados nos últimos 20 anos e escrever um livro sobre este álbum foi uma forma de falar sobre as coisas atuais.

Jornalista: Então, o disco “Kid A” é como um romance de ficção científica?

Hyden: Diria um tipo de ficção científica, mas não de uma forma muito literal. Você não pode apontar para nenhuma música deste álbum e afirmar: “Isso é sobre a Internet” ou “Isso é sobre o aquecimento global”. Não é um registro literal, sabe? “Kid A” não é um disco sobre um futuro utópico, é sobre um futuro real. É quase como se alguém em 2000 tivesse entrado numa máquina do tempo e trouxesse as coisas do futuro para o álbum. Se fosse ficção científica, o vocalista do RADIOHEAD, Thom Yorke, estaria escrevendo sobre como poderia ser a vida no futuro, mas ele não estava fazendo isso. É mais como se ele estivesse se comunicando da forma como as pessoas no futuro iriam realmente fazer. Por exemplo, as suas letras parecem atualizações de status ou tweets em redes sociais, certo? Geralmente são pequenos fragmentos de dados desprovidos de contexto.

Jornalista: Vamos nos aprofundar em como o disco "Kid A" prenuncia outras coisas, como a opressão da vida online, o declínio do rock e o negócio de streaming...

Hyden: Bom, é importante lembrar que em 2000, quando o álbum "Kid A" foi lançado, a internet era realmente um lugar muito emocionante e inédito para a maioria das pessoas. Parecia oferecer muitas possibilidades e se você fosse um fã do RADIOHEAD, você poderia ir online e transmitir o álbum antes de ser lançado, o que era uma coisa muito incomum. Você poderia ir aos fóruns e aprender sobre pirataria, certo? O disco “Kid A” evoca a internet de 2020 mais do que era a internet em 2000, tipo, até mesmo a internet de 2010 parece muito positiva em comparação com agora. Pra mim, foi em 2010 que as redes sociais começaram a mudar as coisas.

Jornalista: Então, o que dizer da cultura online de hoje que o álbum "Kid A" prenunciou?

Hyden: A desestabilização que todos sentimos. Você não sabe o que é verdade. Não podemos realmente absorver tudo que vemos ou lemos, nós absorvemos o máximo que podemos, o melhor que podemos e assumimos que estamos certos nas conclusões que tiramos. O álbum realmente captura isso. Eu penso nisso como uma abertura para o século 21, como numa ópera onde ela diz o que está por vir. Tanta coisa ainda não tinha acontecido em outubro de 2000 quando este disco foi lançado, por exemplo, o atentado de 11 de setembro, as guerras no Iraque e no Afeganistão, a polarização política extrema e o colapso econômico. O mundo mudaria dramaticamente e se você quiser pensar sobre o início do século 21 referente a esta questão, em termos de álbuns falando, é difícil pensar em uma escolha melhor do que o disco “Kid A.”

Jornalista: Você acha que em vez de tentar ocupar o lugar de grandes bandas como o U2, que era o que a indústria musical esperava na época, RADIOHEAD recusou o trono? Isso antecipou a diminuição da influência do rock na cultura?

Hyden: A banda U2 tinha lançado um álbum no mesmo mês que o disco "Kid A" saiu. Nesta época, o vocalista do U2 disse que o RADIOHEAD estava “se candidatando” ao título de melhor banda do mundo. Parece que, naquele momento, a banda que poderia realmente ter esse título era mesmo o RADIOHEAD, sabe? Mas se o RADIOHEAD quisesse isso mesmo, eles teriam ficado desatualizados rapidamente. Eu amo a banda OASIS, mas é assim que veríamos o RADIOHEAD hoje se eles tivessem seguido aquele rumo.

Jornalista: Para o RADIOHEAD em si, você escreve no livro que a transformação musical no disco "Kid A" lhes deram longevidade, para que eles não se tornassem mais uma "banda dos anos 90", como o BLIND MELON, por exemplo, onde o RADIOHEAD permaneceu relevante para as novas gerações de fãs. Como eles conseguiram isso?

Hyden: Existem tantas bandas daquela época que ficaram bloqueadas no rótulo dos anos 90, sabe? Muitos tiveram álbuns de sucesso, mas em 1995 ou 1996, acabaram cedendo o espaço para outros grupos. Por causa da popularidade da música “Creep” do RADIOHEAD, a banda estava a caminho de ser esse tipo de grupo de rock, mas eles transcenderam isso com o lançamento do disco “Kid A". RADIOHEAD têm tido uma "crise persistente de personalidade", onde eles estão sempre fugindo do que foram. É por isso que os seus álbuns são tão difíceis de fazer. No disco “Kid A” eram eles não gostando de quem eles eram (uma banda de rock alternativo) e tentando inventar outra coisa. A crise de identidade explodiu novamente com o álbum "In Rainbows" (7º disco, 2007), que levou mais de dois anos para ser gravado e se tornou muito popular entre os fãs da nova geração, mas com o álbum “In Rainbows” foi meio que eles aceitando quem eles realmente são, após tudo o que experimentaram musicalmente falando. Hoje, eles não são definidos mais pela canção "Creep", embora ainda seja a sua música mais popular de todas. Jornalista: Para finalizar, apesar de mudar o seu som e permanecer relevante, você diria que eles se tornaram efetivamente o rock clássico dos tempos atuais? Hyden: RADIOHEAD sempre foi uma banda de rock, mesmo que eles não quisessem ser. Essa é a origem deles, de onde eles vieram, certo? Eles agora são uma das grandes bandas de legado em toda a história da música, uma das únicas bandas onde você pode dizer hoje: "Eles não são totalmente uma banda de rock e mesmo assim serão headliner do Coachella Festival". Essa é uma das grandes ironias, porque se a ideia com o disco “Kid A” era ajudar a "matar o rock de guitarras", bem, agora o RADIOHEAD é um dos seus últimos profissionais confiáveis e de grande renome do rock'n roll.


O álbum "Kid A" apresenta músicas carimbadas nos shows do RADIOHEAD, como: "Everything in its Right Place", "The National Anthem", "How to Disappear Completely", "Optimistic", "Idioteque" e "Morning Bell".


Confira o áudio de estúdio da canção "The National Anthem":


  • Facebook Social Icon
Mais Recentes
Destaques

2016 by RockInTheHead