• by Brunelson

Foo Fighters: entrevista de Dave Grohl para a revista Kerrang em 2020


O frontman do FOO FIGHTERS, Dave Grohl, foi entrevistado recentemente pela revista britânica Kerrang e falou bastante sobre o vindouro álbum da sua banda a ser lançado em 2021, "Medicine at Midnight" (10º disco).

No início deste ano, diz Dave Grohl, FOO FIGHTERS olhou para a sua programação de 2020 e viu “um itinerário de dominação mundial inteiro à nossa frente”. Haveria uma manchete muito especial nos EUA - chamada de Van Tour - na qual os titãs do rock estariam comemorando o 25º aniversário da banda. Então, eles lançariam o 10º álbum de estúdio - a continuação do excelente "Concrete and Gold" (9º disco, 2017). 

Com o novo álbum finalizado em fevereiro e sua programação cuidadosamente planejada, a banda não deu sinais de desacelerar, mas todos nós sabemos o que aconteceu a seguir...

Depois de colocar tudo em espera, Dave Grohl ocupou o seu tempo com sabedoria nos meses subsequentes, mas a falta de novas músicas do FOO FIGHTERS estavam deixando os fãs sedentos. Tudo mudou em 07 de novembro, quando o grupo se apresentou no Saturday Night Live para estrear o single "Shame Shame", divulgando o novo álbum "Medicine at Midnight".

Confira alguns trechos da entrevista de Dave Grohl para a revista Kerrang:

Pergunta: Como foi 2020 pra você, Dave? Há uma sensação de normalidade voltando agora com o lançamento da canção "Shame Shame" e o anúncio do novo álbum do FOO FIGHTERS, "Medicine at Midnight"?

Dave Grohl: Bom, nós terminamos este álbum em fevereiro de 2020 e estávamos prontos para pegar a estrada, a arte do disco estava pronta, o vinil estava sendo prensado e estávamos realmente ansiosos por este ano, então, fizemos uma pausa e todos seguiram seus caminhos. Esta é realmente a primeira pausa que a banda teve em pelo menos 01 década, porque estamos sempre na estrada e gravando discos ou sempre fazendo alguma coisa. Então, parar foi realmente estranho, mas provou ser um grande desafio e foi positivo de várias maneiras. Acho que todos finalmente encontraram tempo para fazer as coisas que sempre quisemos fazer, porque sempre estamos muito ocupados e com o passar do tempo, decidimos: "Ok, mais do que qualquer coisa, queremos que as pessoas ouçam o novo álbum. Não podemos sair e fazer shows agora, mas vale a pena ouvir a música". Então, nos reagrupamos e criamos um novo plano, tipo, tivemos que repensar tudo e nos adaptar ao que está acontecendo agora.

Pergunta: Quando isso aconteceu?

Grohl: Começamos a nos reunir cerca de 02 meses atrás e só de estar na mesma sala com os caras de novo - com instrumentos ou não - foi como voltar pra casa. Fiquei, tipo, 06 meses sem ver Taylor Hawkins (bateria), Pat Smear, (guitarra), Nate Mendel, (baixo) e Chris Shiflett (guitarra), e isso é realmente estranho, cara... Estou mais perto deles do que a maioria das pessoas em minha vida e colocar os instrumentos de verdade e começar a tocar essas músicas que gravamos 01 ano atrás me senti muito bem. Quase parece uma banda de novo (risos). Não há ninguém para quem se apresentar no momento, mas fizemos uma pequena coisa acústica que foi mostrada recentemente no clube Troubadour e tocar num clube vazio parecia estranho no início, mas apenas sentar no palco com um microfone e sua banda foi satisfatório, porque ainda podemos tocar, sabe? Mesmo se for para uma sala vazia, é muito bom.


* Foo Fighters: vídeo com apresentação completa no clube Troubadour


* Foo Fighters: confira recente apresentação da canção "Learn to Fly"

Pergunta: Como foi o processo de criação do álbum "Medicine at Midnight"?

Grohl: Nós gravamos nesta velha casa fodida no meu bairro em vez de usar um estúdio e todos os dias tínhamos uma ideia básica, como: "Ok, aqui está o ritmo da música" ou "Aqui está o riff básico" e nós construiríamos sobre isso. Não necessariamente todos sentamos numa sala, elaboramos a música e depois gravamos, era mais como se estivéssemos construindo de baixo pra cima. E 07 meses pandêmicos depois, finalmente entramos numa sala novamente para tocar essas músicas como uma banda e foi muito bom. É um dos álbuns mais fáceis de tocar, sabe? Houve outros discos do FOO FIGHTERS em que gravamos coisas que foram um pouco mais tecnicamente envolvidas, mas para o novo álbum é apenas grandes guitarras, grooves e refrões enormes. Enquanto estávamos escrevendo as músicas, eu estava realmente imaginando: "Meu Deus, isso vai ser muito bom de tocar num festival" ou "Isso vai ser tão bom apresentar nos estádios". Eu realmente levei os shows em consideração e criei esses refrões em formas de hinos, onde imaginava 100 mil pessoas cantando junto. Infelizmente, isso não vai acontecer agora (risos).


* Foo Fighters: fantasmas nas sessões de gravação do novo álbum?

Pergunta: O que fez a canção "Shame Shame" se destacar como a primeira música a mostrar às pessoas em comparação com outra canção nova?

Grohl: Quando começamos a gravar o álbum, estávamos gravando músicas que eram reconhecíveis do FOO FIGHTERS. Na verdade, a primeira música que gravamos é a que abre o disco, "Making a Fire", e isso realmente deu o tom, como: "Ok, isso é realmente grande e vamos continuar avançando nessa direção". E depois de algumas semanas eu tive essa ideia para a canção "Shame Shame", que é originalmente baseada em um riff de guitarra simples e num ritmo incomum de bateria, junto com o estalar de dedos e batendo palmas por trás disso. Essas duas coisas começaram a se encaixar e em vez de carregar um monte de coisas em cima disso tudo, resolvemos manter tudo bem simples, tipo, há um violão, uma guitarra elétrica, um baixo, um vocal e também esta parte do teclado. Foi visivelmente diferente de tudo o que já fizemos e eu sempre acho que quando você está lançando uma música antes do álbum ser lançado, você quer dar um pretexto para o que está por vir, quer apresentar isso ao seu público como uma espécie de indicação de que não estamos apenas fazendo o mesmo álbum do FOO FIGHTERS novamente... Além da vibração e o ritmo, que parecia um novo território para nós.

Pergunta: Isso significava que havia então mais liberdade para experimentação?

Grohl: Lembro que depois de gravá-la, ela imediatamente abriu uma nova área para a banda seguir. Depois dela, acabamos gravando as músicas "Medicine at Midnight", "Love Dies Young" e "Cloudspotter", onde todas essas músicas eram apenas diferente de tudo o que fizemos antes. As melodias e o tom deste álbum ainda são da banda, mas é apenas uma nova estética. E então, depois de gravarmos a música - o que foi bem no início do processo de criação do novo disco - sabíamos que havia essa nova liberdade de poder explorar outros sons. Em termos de lançá-la como single principal, "Shame Shame" realmente foi a música pela qual todos se apaixonaram primeiro e depois disso gravamos a música "Waiting on a War" e pensamos: "Meu Deus, esta é uma das melhores canções que já criamos. É reconhecível como uma música do FOO FIGHTERS, mas não vamos pegar o mesmo caminho". Ou a música como "Love Dies Young" que é, tipo, o maior hino de festa que já ouvimos! Nós falávamos: "Ok, não vamos começar por aí... Vamos começar neste outro lugar para que as pessoas fiquem um tanto surpresas".

Pergunta: Considerando que você teve todo esse tempo extra após terminar o álbum em fevereiro, houve a tentação de voltar e mudar alguma coisa? Fosse grande ou pequena?

Grohl: Sabe, não havia absolutamente nenhum desejo de mudar nada. Quando terminamos o álbum, era exatamente o que queríamos que fosse. Começamos a pensar sobre esse álbum e a escrevê-lo há quase 02 anos atrás, e o gravamos de uma forma que nunca havíamos feito antes. Nós não sentamos em uma sala para ensaiar e escrever essas músicas. Todos elas nasceram dessas demos que eu estava fazendo quando decidi: "Ok, é o nosso 10º álbum, somos uma banda há 25 anos e o que iremos gravar? Um álbum acústico sonolento enquanto cavalgamos rumo ao pôr do sol de nossa carreira ou fazemos um disco de festa?” E o nosso amor por bandas de rock que fazem esses discos otimistas e pra cima, quase dançantes, nos inspirou a fazer o álbum que fizemos. Pra mim, há músicas no disco que são baseadas em bandas e artistas como SLY & THE FAMILY STONE, David Bowie ou THE POWER STATION, coisas assim. Nós meio que confiamos em muitas dessas referências e influências realmente enérgicas para fazer isso e nos surpreendemos.

Confira o videoclipe da música "Shame Shame", single do vindouro álbum do FOO FIGHTERS, "Medicine at Midnight":


  • Facebook Social Icon
Mais Recentes
Destaques

2016 by RockInTheHead