• by Brunelson

Buzzcocks: Top 10 melhores músicas da banda


BUZZCOCKS é uma das bandas punk britânicas definitivas. Eles se formaram em Bolton, em 1976, pelo (até então) somente guitarrista, Pete Shelley, ao lado do vocalista Howard Devoto.


Além de ser uma banda definidora da era punk rock, eles também são uma banda seminal dentro da tradição inglesa de Manchester.

Devoto e Shelley tiraram o nome da banda depois de lerem uma manchete que dizia "It's the Buzz, cock!" de uma resenha da série de TV Rock Follies na revista Time Out. No final, eles escolheram “Buzzcocks”, pois era um amálgama adequado de “buzz” (pós-show) e a gíria do norte da Inglaterra para “galo” - uma palavra usada para denotar um amigo. Eles também achavam que o nome capturava a emoção da crescente cena punk, embora também carregasse conotações sexuais.

A sua influência está bem documentada. Depois de ler um artigo que descreve o primeiro show do SEX PISTOLS, Shelley e Devoto reservaram um show para a sua iniciante banda no agora icônico Manchester Free Trade Hall em junho de 1976. Este show, com apenas 42 membros do público, agora é lendário. O impacto deste pequeno, mas pioneiro show, é detalhado no clássico cult de Michael Winterbottom, chamado 24 Hour Party People.

BUZZCOCKS lançou apenas 01 EP com Devoto, "Spiral Scratch" (1977). Eles lançaram este EP de estreia em seu próprio selo, tornando-os um dos primeiros grupos punk a estabelecer uma gravadora independente. Isso precedeu as futuras gravadoras independentes como a Rough Trade, SST Records, Sub Pop e Dischord Records.

No entanto, Devoto deixaria a banda logo em seguida e o grupo passaria por inúmeras mudanças na formação, onde Shelley assumiria o papel de vocalista e compositor, além de continuar na guitarra. A banda assinou com a United Artists em 16 de agosto de 1977 - o dia em que Elvis Presley morreu.

Na sequência deste importante contrato de gravação, eles alcançaram sucesso comercial e de crítica lançando 03 álbuns: "Another Music in a Different Kitchen" (1º disco, 1978), "Love Bites" (2º disco, 1978) e "A Different Kind of Tension" (3º disco, 1979).

Todos os 03 álbuns foram gravados no Reino Unido e foram envolvidos pelo som da marca registrada do BUZZCOCKS, casando melodias cativantes com a energia do punk, apoiadas por uma seção rítmica forte e habilidosa. Quando a carreira original da banda terminou em 1981, eles haviam alcançado sofisticação lírica e musical, e estavam se referindo a escritores beat como Burroughs e se diferenciando dos seus contemporâneos.

A banda se reuniu esporadicamente a partir de 1989 e continuou lançando álbuns, no entanto, a temporada no final dos anos 70 é sem dúvida a melhor. Encapsulando a amplitude de sua enorme influência, eles abriram alguns shows do NIRVANA em 1994, esta que foi a turnê europeia final e interrompida da banda grunge.


* Buzzcocks: falecimento do vocalista e vídeo raro com Kurt Cobain em 1994

Desde então, BUZZCOCKS também já tocou com o PEARL JAM e outras bandas.

Shelley e Devoto até se reuniram em 2002 e lançaram o álbum "Buzzcocks" (7º disco, 2003), a sua primeira oferta musical como uma dupla desde 1977.

Mostrando a extensão da influência do BUZZCOCKS e comprovando o seu status de respeitado, em 2000, o apresentador da TV britânica, Mark Lamarr, apresentou Shelley dizendo que sem o BUZZCOCKS "não haveria THE SMITHS ou RADIOHEAD".

Só lembrando que bandas como GREEN DAY e RANCID já demonstraram em entrevistas a influência do BUZZCOCKS em seu som.

Infelizmente, Pete Shelley morreu em casa na Estônia em dezembro de 2018 de ataque cardíaco, mas a sua influência continua viva. Ele e a banda quebraram as barreiras que o punk colocou e olharam para o futuro.

Consequentemente, há tantas músicas excelentes do BUZZCOCKS, então, prenda-se sonoramente em sua psique e confira o Top 10 músicas da banda que separamos para você.

Segue a lista sem nenhuma ordem qualitativa:

Música: "Fast Cars"

Álbum: "Another Music in a Different Kitchen" (1º disco, 1978)

A canção de abertura do seu álbum de estreia é um clássico do BUZZCOCKS.

Ele puxa você com aquela nota aguda repetitiva, desacelera para aquela linha de baixo cortante e em seguida, catapulta você para frente com a progressão do acorde principal.


Com uma marca de 02 minutos e meio, é o punk por excelência.

Como o título da música incita, parece que você está sendo mantido como refém num carro sendo dirigido a 200 km/h. Curiosamente, é dito que a canção é sobre um acidente de carro que o guitarrista Steve Diggle sofreu quando criança, daí a frase: “Eu odeio carros rápidos”.


Música: "Orgasm Addict"

Álbum: "Another Music in a Different Kitchen" (1º disco, 1978)

Esta canção de 02 minutos ficou de fora do 1º álbum e é um tributo não tão velado à masturbação, mas em 1996 este álbum foi relançado e ela ganhou o seu lançamento oficial como single.

Embora não seja surpreendente do ponto de vista punk e arrogante, é surpreendente que a grande gravadora, United Artists, tenha concordado com este single, devido à sua natureza altamente provocativa.

Mas isso não impediu da música ser banida pelo canal britânico da BBC na época.

Sem surpresa, a canção causou muita sensação quando lançada devido ao seu conteúdo lírico controverso e palavrões. Retrospectivamente, Shelley disse em entrevista que esta música “é embaraçosa... É a única que eu escuto e estremeço”.


Música: "Boredom"

Álbum: "Spiral Scratch" (1º EP, 1977)

"Boredom" é uma das canções mais influentes do BUZZCOCKS e é a mais conhecida do EP "Spiral Scratch".

A música é genial na maneira como explica o tédio do movimento punk com a pomposidade do rock dos anos 70 - ligada ao próprio tédio do BUZZCOCKS com a cena punk: "Você sabe que a cena é muito monótona / Já sou um passado", diz uma parte da letra.

Na véspera do lançamento do seu 1º trabalho de estúdio, Devoto deixou o BUZZCOCKS, dizendo: "Eu fico entediado facilmente e esse tédio pode atuar como um catalisador para que eu subitamente conceba e execute uma nova vocação". Não é à toa que ele se mudou para o reino pós-punk com a banda MAGAZINE, tentando escapar dos limites restritivos e estereotipados do punk rock.

Na verdade, a música é icônica, mas mostrou que não só qualquer um poderia começar uma banda - uma ideia que o punk rock originou - como qualquer um poderia lançar a sua própria música.


Foi lançado pelo selo do BUZZCOCKS, New Hormones, um ato pioneiro pois deu um golpe regionalista para a indústria musical baseada em Londres.


Música: "What Do I Get"

Álbum: "Another Music in a Different Kitchen" (1º disco, 1978)

Também ficando de fora do álbum, esta canção foi um dos singles no relançamento do disco em 1996 e é um clássico do BUZZCOCKS - totalmente maluco e definitivo.

Possui uma marca registrada, com o seu riff rápido e um solo melódico que contrasta com o anseio e rosnado de Shelley.

A música também foi usada em um anúncio de uma empresa privada, jogo de videogame e como parte de trilha sonora.


Música: "Lipstick"

Álbum: "Love Bites" (2º disco, 1978)

Este brilhante lado-b que ficou de fora do álbum e ganhando o seu lançamento oficial quando o disco foi relançado, apresenta o mesmo refrão do single de estreia da banda MAGAZINE, "Shot by Both Sides".

É uma homenagem à parceria de composição de Devoto e Shelley, já que a música da MAGAZINE foi na verdade escrita pela dupla. O uso da canção pelo BUZZCOCKS é terno e fugaz, enquanto o uso pela MAGAZINE é mais pelo gótico.

A canção "Lipstick" é um clássico de Shelley com todas as características de suas composições, mas se destaca dos outros por seu refrão icônico e é louco pensar que a música era apenas um lado-b.


Música: "Breakdown"

Álbum: "Spiral Scratch" (1º EP, 1977)

Não há muito a dizer sobre a canção "Breakdown", uma música lançada no EP "Spiral Scratch".

Possui Howard Devoto nos vocais e Shelley na guitarra. É claramente uma música punk brilhante, rápida, mas melódica. É uma travessura abrangente que dura menos de 02 minutos.

Retrospectivamente, ela serve como um modelo para a cena punk florescente, apresentando as letras rápidas e sardônicas de Devoto, e realmente abrindo caminho para os estilos mais viscerais e angulares de punk que existem hoje.

Fiel à música e ao EP, a crítica britânica na época a chamou de: “Um marco cultural e um presságio de revolução”.


Música: "Whatever Happened To"

Álbum: "Another Music in a Different Kitchen" (1º disco, 1978)

Outra que ficou de fora deste álbum, a canção começa com um baixo retinindo, onde Shelley pondera todas as facetas da vida moderna.

A esse respeito, é outro grampo do punk rock, expondo e criticando o consumismo. A linha principal, dizendo: “O seu amor é um cheque descontado”, resume isso perfeitamente.

É o clássico Shelley, usando humor sardônico e melhor produção do que os seus contemporâneos punk, dada a sua progressão de acordes e os vocais loucos e repletos de reverberação em que a música termina.

Esta música demonstra claramente como e por que o BUZZCOCKS deve ser separado e respeitado de forma diferente dos seus contemporâneos.


Música: "I Believe"

Álbum: "A Different Kind of Tension" (3º disco, 1979)

Esta canção é um exemplo do BUZZCOCKS aumentando as suas composições com a produção do lendário produtor Martin Rushent em seu 3º álbum de estúdio.

Ela apresenta uma produção mais completa e marca uma virada um pouco mais sombria para os ícones do punk. Shelley fala em se apoiar nas suas crenças pessoais e explicando sarcasticamente a sua crença no “pecado original” e “na solução final”, aumentando a sua dor nas mãos do mundo contemporâneo.

A música é magnificamente lastreada pelo refrão vocal principal: "Não há mais amor neste mundo", resumindo perfeitamente o sentimento de Shelley.


Ele repetidamente expressou frustração com a suposição de que só conseguia escrever música punk rock de 03 minutos e de 03 acordes. Claro, há muitas evidências em contrário e esta canção angular de 07 minutos é um dos mais fortes defensores disso.

A música é altamente existencial e foi influenciada por uma noite passada sob o efeito de ácido LSD.


Música: "Why Can’t I Touch It"

Álbum: "Singles Going Steady" (coletânea, 1979)

Essa linha de baixo, com um riff de guitarra e ritmo todos banhados no funk rock, são elementos que normalmente não relacionamos ao punk.

Com mais de 06 minutos de duração, este também é um elemento estrutural que normalmente não seria igual ao punk. A música se transforma em psicodelia com o seu refrão nebuloso e um final prolongado.

Referindo-se às afirmações de que Shelley era um escritor unidimensional de proporções exclusivamente punk rock, essa música também o refuta totalmente. É mais próximo da arte punk de TALKING HEADS e GANG OF FOUR, do que SEX PISTOLS e DEAD KENNEDYS.

O seu ritmo descontraído e relaxado, mostra que um dos pioneiros do punk é abrangente e não ficou confinado numa marcha só.


Música: "Ever Fallen in Love"

Álbum: "Love Bites" (2º disco, 1978)

Sem dúvida o maior sucesso do BUZZCOCKS e alcançou a 12ª posição na parada de singles do Reino Unido em 1978.


É mais sinônimo da banda do que qualquer outra música.

O núcleo musical foi dominado por acordes menores e as batidas de tom duplo na bateria pontuam a natureza honesta dos versos.

A ideia para este clássico foi formada antes de um show em Edimburgo, onde a banda assistia parcialmente ao musical, Guys and Dolls, de Marlon Brando.


Shelley relembrou numa entrevista: “Estávamos na casa de hóspedes de Blenheim com canecas de cerveja, sentados na sala de TV assistindo a Guys and Dolls. Uma das personagens, Adelaide, está dizendo ao personagem de Marlon Brando: 'Espere até você se apaixonar por alguém que não deveria', e eu me perguntei na hora: 'Se apaixonou por alguém que você não deveria?'”.


O tema altamente pessoal de suas músicas, junto com as melodias características que o BUZZCOCKS utilizou, resultaram na rejeição de alguns elementos da cena punk, juntamente com a percepção da banda de desinteresse pela política.


No entanto, Shelley respondeu: “Nunca soube que havia uma lei para seguir como banda punk... De qualquer maneira, a política pessoal faz parte da condição humana, então, o que poderia ser mais político do que as relações humanas?”


* Ramones: Top 10 bandas punk rock do guitarrista Johnny Ramone


* Black Flag: Top 20 álbuns punk rock do vocalista Henry Rollins

  • Facebook Social Icon
Mais Recentes
Destaques