• by Brunelson

Stone Temple Pilots: resenha do álbum "Purple"


STONE TEMPLE PILOTS definiu um período na história do grunge e rock alternativo em 1994 - mas o mundo estava mesmo precisando...


NIRVANA tinha encerrado as atividades em abril de 1994 e no meio daquele nevoeiro todo com o falecimento de Kurt Cobain, as principais bandas do grunge e rock alternativo já tinham lançado os seus álbuns da vez com as devidas turnês em andamentos.


Mas dois discos lançados em 1994 marcaram o ano: SOUNDGARDEN com o álbum "Superunknown" (4º disco, lançado em março) e STONE TEMPLE PILOTS com o álbum "Purple" (2º disco, lançado em junho).


E era tudo o que nós queríamos na época...


Aos 10 anos de idade em 1991, comecei a minha jornada no rock'n roll e logo em 1992, STONE TEMPLE PILOTS lançou o seu álbum de estréia sombrio e ousado, "Core", com temas líricos de abuso, injustiça e condição de vida, que passaram avoados por dentro da minha "careta" cabeça de pré-adolescente.


Em particular, o single de estreia e que foi sucesso junto com a trilha sonora do filme "O Corvo" (1994) - da canção "Big Empty" - apareceu pela primeira vez nas rádios em maio de 1994, um mês antes do lançamento do disco "Purple". E no momento em que a MTV começou a passar o clipe do segundo single do álbum, que foi a música "Vasoline", aí o negócio virou uma febre geral...


Foram várias fitas de vídeo-cassete gravadas com clipes das bandas da minha vida, além de documentários, shows e entrevistas - e com os novos materiais do STONE TEMPLE PILOTS sendo divulgados, a caça era grande para pescar tudo o que aparecia, para fazerem companhia aos clipes e shows que já tinha gravado do 1º disco.


Quando comprei o álbum "Purple" na minha cidade, me lembro de ter escutado a primeira vez o riff de abertura do disco com a canção "Meatplow". Aquilo marcava a pessoa mesmo...


Instantaneamente, começava a já clássica música "Vasoline" (estava presenciando a história escutando o álbum na sala de casa), logo ligando com a canção tribal quebraceira "Lounge Fly".


Também me recordo como as músicas "Unglued" e "Army Ants" me hipnotizavam, onde as ondas sonoras iluminavam um cérebro com os olhos fechados, percorrendo setas psíquicas no interior da mente e alma. A primeira canção por ser NIRVANA pra c... numa época triste que vivíamos, e a segunda pela bateria em toda ela.


Além da gravação de estúdio, a performance do STONE TEMPLE PILOTS da canção "Pretty Penny" no MTV Video Music Awards em 1994 foi lendária com uma apresentação muito comovente - sem palavras... Também o ambiente gerado na gravação da música "Still Remains" e a carta de amor à heroína na canção "Silvergun Superman", merecem destaque neste álbum.


Sempre achava misteriosa a última música do disco, "Kitchenware & Candybars", a esperando sempre com curiosidade ao final da minha escuta. Só anos mais tarde fui descobrir que se trata de uma experiência comovente sobre o aborto.


Mas por melhor que seja o disco "Purple", a sua acessibilidade (para o bem ou para o mal) empurraria o grunge ainda mais para o público mainstream e da cultura pop. Em 17 de setembro de 1994, o 3º single lançado que foi a canção "Interstate Love Song", assim como a música "Vasoline", alcançariam as posições número 01 e 02 na parada da Billboard e as manteriam assim por duas semanas seguidas.


Na época, certamente que os fãs do rock alternativo estavam ansiosos para preencher o vazio deixado por Kurt Cobain, com as estações de rádio, revistas e MTV, todos muito felizes em ter algo para fornecer com este novo álbum do STONE TEMPLE PILOTS.


As gravadoras estavam capitalizando há muito tempo os "desajustados da sociedade" como o NIRVANA, PEARL JAM, SOUNDGARDEN e ALICE IN CHAINS - bandas cujos membros haviam trabalhado em clubes underground de Seattle por anos a fio desde meados dos anos 80, antes de encontrar o sucesso comercial.


Mas com o STONE TEMPLE PILOTS ainda conseguindo entrar no último vagão da explosão do grunge - e mais ainda com o lançamento do álbum "Purple" - as gravadoras começaram a farejar onde poderiam ter mais bandas com o "som do grunge", transformando o gênero em uma paródia de si mesmo e arrastando esta triste cauda até o final dos anos 90.


Estas bandas pós-grunge, que mataram a possibilidade de um verdadeiro grunge voltar ao mainstream. Apresentando uma música muito bem veludada, as letras do disco "Purple" ainda estão cheias de dor legítima, de uma maneira que as bandas pós-grunge só poderiam apenas sonhar em tentar emular.


De fato, em vez de tentar parecer atormentado, o vocalista Scott Weiland seguiria na direção oposta com um tom mais suave e doce. As suas letras para a música "Interstate Love Song", até explicitamente, descrevem as suas tentativas em andamento de esconder um crescente vício em heroína durante a gravação do álbum, cantando: "Partindo de um trem do sul / Ontem você mentiu / Promessas do que eu parecia ser / Só assisti o tempo passar".


Confesso que na minha adolescência eu não tinha ideia do significado dessas letras quando as ouvi pela primeira vez, mas eu sabia que havia uma mensagem muito particular em cada uma dessas músicas, com as quais todos nós poderíamos nos relacionar - todos órfãos naquele momento. Embora o álbum "Purple" também ajudou a unir os fãs da massa popular mainstream ao som do grunge, o disco me proporcionou uma ponte para começar a cavucar as outras bandas underground do rock alternativo...


Mas talvez a coisa mais importante sobre o disco "Purple", seja que ele mistura uma música rock pesada que tece facilmente com elementos do country, rock psicodélico e blues. É claro que foram ingredientes que me fez querer conhecer bandas como o MUDHONEY, SCREAMING TREES, MEAT PUPPETS e MELVINS, grupos que na época a gente só ouvia falar pelos caras mais velhos e o que tinha para ver na MTV e revistas. Com escassos programas de rádio específicos aqui no Brasil e sem internet, esses atos mais antigos não estavam disponíveis para as massas em meados dos anos 90.


O disco "Purple" talvez tenha sido, ao lado do álbum "Superunknown" do SOUNDGARDEN, os que abriram esta etapa pós-NIRVANA com lançamentos da era esmeralda do grunge que navegaram supremos no mainstream. Com o movimento grunge já querendo ser colocado erroneamente pela mídia no seu leito de morte com o fim do NIRVANA, o álbum "Purple" ofereceu algo muito melhor: injetou mais um grande start mundial ao gênero e ofereceu uma nova porta de entrada para o corredor do rock, para que muitos adolescentes que ainda não sabiam quando era dia ou quando era noite, conhecessem o STONE TEMPLE PILOTS.


Track-list


1. Meatplow

2. Vasoline

3. Lounge Fly

4. Interstate Love Song

5. Still Remains

6. Pretty Penny

7. Silvergun Superman

8. Big Empty

9. Unglued

10. Army Ants

11. Kitchenware & Candybars

  • Facebook Social Icon
Mais Recentes
Destaques

2016 by RockInTheHead