Soundgarden: resenha do show de abertura em Wembley, Londres/1992

June 2, 2018

 

No verão de 1992, a revista Spin colocou o vocalista do SOUNDGARDEN, Chris Cornell, na capa da revista com ele gritando na lente da câmera. O título dizia: "Seattle gerou, Madonna quer e Chris Cornell, do SOUNDGARDEN, possui". 

 

Eles estavam, é claro, falando sobre o grunge, que já havia explodido em todo o planeta naquele ano. O NIRVANA já havia feito uma turnê de 07 meses em apoio ao disco "Nevermind" (2º álbum, 1991), o PEARL JAM tinha o disco "Ten" (1º álbum, 1991), o ALICE IN CHAINS tinha o disco "Facelift" (1º álbum, 1990) e o SOUNDGARDEN também já tinha o seu (futuro) disco de sucesso, "Badmotorfinger" (3º álbum, 1991).

 

Enquanto a chamada cena grunge alternativa hesitava em sair nas turnês com bandas de rock dos anos 80, o SOUNDGARDEN agiu diferente. Eles haviam concordado em cair na estrada junto com o GUNS N'ROSES durante a turnê americana e européia. 

 

NIRVANA e o PEARL JAM, 02 bandas que se formaram depois do SOUNDGARDEN e que também estavam causando impacto na época, haviam recusado o convite em fazer essa turnê conjunta com o GUNS N'ROSES - o que poderia ter influenciado a decisão do SOUNDGARDEN - mas a oportunidade que se apresentava fazia todo o sentido, já que a banda poderia ter uma grande exposição ao sair numa turnê conjunta - e pelo curioso fato deles ainda não terem chegado ao mesmo patamar estabelecido pelo mainstream, fato este que já havia sido alcançado pelas outras grandes 03 bandas de Seattle.

 

Curioso, porque o SOUNDGARDEN foi o pioneiro da cena grunge entre os seus irmãos de Seattle na década de 80, sendo a 1ª banda do recinto a assinar com uma grande gravadora e onde todos da cena underground os veneravam. Não tão curioso, porque o SOUNDGARDEN era a banda que apresentava o som mais "estranho" dos 04 grandes de Seattle, com os seus riffs e solos decepados e vários contra-tempos na seção rítmica. 

 

A turnê que o SOUNDGARDEN havia feito já em parceria com o GUNS N'ROSES nos EUA foi um sucesso, e a aventura européia com a banda de Slash e cia começou em Maio/1992. O show de estreia foi em Paris/França, e depois o SOUNDGARDEN aproveitou uma brecha para se apresentar no infame Pink Pop Festival, Holanda, para uma platéia absolutamente lotada.

 

05 dias depois, eles já estavam na Inglaterra...

 

O texto escrito acima foi fruto de várias pesquisas em revistas de rock das antigas que eu tenho, livros autobiográficos, pesquisas in loco em sebos, além de fitas de vídeo-cassete que possuo, com entrevistas, matérias e documentários de quando a MTV era um canal de verdade no início dos anos 90.

 

Segue agora, a resenha de um fã inglês que estava neste show em Londres e que foi escrita e publicada recentemente pela revista Spin:

 

 

SOUNDGARDEN estava pronto para se apresentar no icônico estádio de Wembley, em Londres, no dia 13 de Junho/1992, para um local esgotado com 80.000 fãs de rock. Enquanto que esse grande número de fãs estavam lá para a banda de Axl Rose, havia alguns fãs do quarteto de Seattle (inclusive eu) decididos e aglomerados lá na frente, perto do palco. Eles foram os que compraram, ouviram e consumiram o último álbum que o SOUNDGARDEN havia lançado, "Badmotorfinger", que estava disponível há quase 09 meses no mercado. 

 

A fama e a fortuna estavam batendo na porta do SOUNDGARDEN - a qual levou 08 anos para ser alcançada - mas os fãs londrinos entranhados na cena de Seattle, sabiam que o SOUNDGARDEN era a banda que já caminhava antes do NIRVANA nascer - que por sinal, o NIRVANA seria o headliner do famigerado Reading Festival em Agosto/1992, na frente de 60.000 mil pessoas e que também foi realizado na Inglaterra.

 

Em Wembley, o SOUNDGARDEN iria abrir o show com o FAITH NO MORE na sequência, seguido pelo GUNS N'ROSES, mas os fãs da turma de Axl optaram por fazer fila para comprar cerveja, ao invés de assistir ao que iria acontecer a seguir...

 

Tudo ficou quieto quando a gravação de abertura (vinheta) da canção "Searching With My Good Eye Closed" tocou ao redor do estádio. Os fãs do SOUNDGARDEN estão todos lá na frente, com o sol assoprando acima os seus raios entardecidos numa atmosfera irradiante - até o quarteto se agrupar no palco. 

 

E lá estão eles! O guitarrista Kim Thayil surgindo pelo canto esquerdo do palco, sempre barbudo com os seus olhos grandes e um sorriso que poderia cativar qualquer pessoa que estava sedenta em querer vê-los ao vivo pela 1ª vez na vida!! (não preciso lembrar que a nossa internet na época eram as revistas, rádio e a MTV). O baterista Matt Cameron aparece e em seguida, salta para dentro da sua bateria. O baixista Ben Shepherd chega até a beirada do palco, olha para baixo e averigua a altura até o chão. E por último ele, Chris Cornell, chegando sem camisa com a guitarra presa ao corpo como se não a tivesse deixada sozinha desde o seu nascimento, com os seus cabelos compridos e escuros se movendo com o leve balançar do vento. 

 

Com um olhar, Cornell olha perversamente para a multidão e os acordes de abertura da música "Rusty Cage" saem do palco para a platéia. Cameron firmemente bate nos grooves de abertura, Cornell embaralha a sua cabeça e então, a música explode para a vida.

 

Até o final da 1ª canção, a banda não tem apenas a atenção de algumas centenas de fãs na sua frente, mas agora o bar está esvaziando e as pessoas estão voltando para os seus lugares para assistir a uma banda que mais parece um coquetel molotov de BLACK SABBATH, LED ZEPPELIN e BEATLES. 

 

A 2ª canção do show, "Outshined", está ao lado da explosão dos alto-falantes e com Cornell gritando o título da música no refrão, fica claro que estamos presenciando alguém muito original e dedicado ao seu trabalho. É verdade que para os presentes, a banda soa rude e não é tão polida quanto a turma de Slash, mas essa era uma banda que estava claramente escalando o pico para em breve chegar no auge - na verdade, era assim que o SOUNDGARDEN deveria sempre ser ouvido.

 

Quando a música termina, a banda se lança na próxima com Cameron tocando furiosamente a sua bateria. Shepherd está pulando com uma perna só, com os fios de cabelo meio que cobrindo o seu rosto, pulando e empurrando o baixo entre as pernas numa posição quase de bruços. Thayil provoca a multidão com acordes grosseiros e os fãs na frente criam um mosh pit, porque eles reconhecem que é a tal música chegando, como uma fênix das chamas! Cornell surge na frente do palco com os braços estendidos e a banda destrói na canção "Jesus Christ Pose". 

 

A música termina e a platéia está realmente junto com a banda, onde o fã mais aficionado do FAITH NO MORE ou do GUNS N'ROSES, sabe que até aquele momento o seu dinheiro já foi bem gasto - isso que ainda eram 18:00hs da tarde.

 

SOUNDGARDEN havia surpreendido toda a multidão e a curta apresentação de abertura se encerra conforme o combinado, com somente 03 músicas.

 

Passado o movimento grunge, a banda olhou para trás abrindo essa turnê europeia para o GUNS N'ROSES com admiração, mas também com cautela. Ben Shepherd continuaria dizendo em entrevistas que odiou o grande circo armado para a turnê em estádios, mas ele não podia entrar em desacordo em respeito aos seus companheiros de banda e roadies. 

 

Embora Cornell comentou décadas depois que tudo estava bem e em particular Slash e Duff eram legais para ficar por perto - mas Axl poderia tornar as coisas difíceis. Matt Cameron disse que a banda teve que fazer essa turnê para entrar na turnê itinerante do Lollapalooza Festival de 1992, fazendo um nome para si.

 

Naquele dia, o SOUNDGARDEN podia ser resumido por uma parede sonora de guitarras, os símbolos de Cameron em sua bateria, o olhar impressionante de Shepherd e o lindo grito de Cornell.

 

Estava tudo lá em evidência numa ardente tarde de Sábado...

 

Setlist

 

1. Rusty Cage

2. Outshined

3. Jesus Christ Pose

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

  • Facebook Social Icon
Mais Recentes

John Frusciante: "abordagem somente em solos de guitarra é um beco sem saída"

December 10, 2019

1/5
Please reload

Destaques
Please reload

2016 by RockInTheHead