• by Brunelson

The Who: Top 10 melhores músicas do guitarrista Pete Townshend


Há muitos atos que podem segurar uma tocha para a lenda eterna do THE WHO.

O grupo explodiu na cena londrina nos anos 60 com um som de rock escaldante e logo conquistou o seu próprio nicho, crescendo em suas raízes e evoluindo a algo muito mais profundo - incluindo uma série de óperas rock.

Em pouco tempo, THE WHO era um legado e capaz de encher estádios onde quer que fosse, e uma das partes que constituem o todo, o guitarrista Pete Townshend, é grande responsável por isso.

Não era apenas o guitarrista a força vital que se movia ao redor do corpo da banda, mas ele também era o cérebro, o motor e em alguns momentos, o próprio músculo. Embora ele também fosse o lado rabugento do grupo muitas vezes brigando com todos, sem Townshend realmente não haveria banda.

Uma seleção das melhores canções criadas por Pete Townshend ou em parceria para o THE WHO, sempre será uma miscelânea de uma alegria eletrizante. O guitarrista, nunca realmente famoso pelos solos virtuosos que muitos dos seus contemporâneos preferiam, sempre entregou a sua dose de rock rebelde através de um ou dois acordes confusos.


Tão capaz de alterar a sua mente como ele estava abrindo a sua cabeça com uma guitarra, isso não impediu Townshend de ser um dos maiores guitarristas de sua geração.

Quando a revista Mojo perguntou ao guitarrista da banda THE SMITHS, Johnny Marr, onde Townshend estava entre os grandes guitarristas dos anos 60, ele havia respondido: “Ele é o melhor dos guitarristas dos anos 60 por quilômetros de distância. Definitivamente, é o meu favorito. George Harrison foi inventivo, mas adoro a natureza selvagem de Pete Townshend. Os seus solos são brilhantes, como nas músicas ‘I Can See For Miles’ e ‘Slip Kid’, e ele estava sempre fazendo progressos. Você pode ouvi-lo desenvolvendo a sua forma de tocar ao longo do tempo”.

Em ordem cronológica, confira o Top 10 melhores músicas do guitarrista Pete Townshend no THE WHO:


Música: "My Generation"

Álbum: "My Generation" (1º disco, 1965)

Apenas um dos singles mais poderosos e frenéticos dos anos 60.


* The Who: confira 1ª apresentação da canção "My Generation" na TV em 1965

Townshend pega o seu solo recém-adquirido e começa a tocá-lo contra o eco na sala. É uma alegria ver o guitarrista em ambas as extremidades do seu espectro musical.

Como se estivesse segurando gasolina e fósforo nas mãos com um sorriso sinistro no rosto...


Música: "A Quick One While He’s Away"

Álbum: "A Quick One" (2º disco, 1966)

Townshend assume o controle dos procedimentos desde o começo, sendo que o THE WHO estava em ótimas condições depois do lançamento do seu álbum de estreia e realizou uma performance empolgante desse clássico da guitarra.

Com força suficiente para derrubá-lo, Townshend o entrega com segurança.


Música: "I Can See For Miles"

Álbum: "The Who Sell Out" (3º disco, 1967)

Esta canção de 1967 foi classificada entre as canções favoritas do THE WHO pelo guitarrista do THE SMITHS, Johnny Marr.

Em grande parte por causa do solo épico que Townshend oferece que estremece o cérebro só de pensar nisso. É uma música clássica com alguns tons estranhos, enquanto as letras tentavam demonstrar à sua esposa que, mesmo quando ele estivesse em turnê com a banda longe dela, ele ainda iria ficar de olho nela e sabendo tudo do que estava acontecendo.


* The Who: o contexto que envolve a canção "I Can See For Miles"

Townshend também estava orgulhoso da música e garantiu que fosse o único single a ser lançado do álbum "The Who Sell Out". Acreditando ser "o ás na manga", o compositor tinha certeza de que seria o primeiro número 01 da banda, mas alcançou o 10º lugar.

Townshend disse uma vez em entrevista: "Pra mim, foi o disco definitivo do THE WHO, mas não vendeu".


Música: "Pictures of Lily"

Álbum: "The Who Sell Out" (3º disco, 1967)

Na verdade esta canção ficou de fora desse álbum e teria o seu lançamento oficial em uma futura coletânea do grupo.


Não incluir um solo de guitarra pode fazer com que você a elimine da maioria das listas, mas quando você está considerando a guitarra de Pete Townshend, é melhor abrir um pouco mais o leque.

Isso pode levar você a músicas surpreendentes como "Pictures of Lily".

A música mostra Towshend pegando o touro pelos chifres e conduzindo o baterista Keith Moon e o baixista John Entwistle por um caminho agitado.

É uma prova do toque de Townshend que ele poderia domar John Entwistle, considerado um dos melhores baixistas que já existiu.


Música: "Pinball Wizard"

Álbum: "Tommy" (4º disco, 1969)

Uma das canções mais reconhecíveis do THE WHO.


* 05 bandas que odiaram os seus maiores sucessos

O fato da música ser uma composição acústica/elétrica e não incluir um solo, mas ainda assim ser considerada um dos melhores hinos na história do rock, já diz muito.

Seja o riff crocante de “jogando pinball” ou mesmo o riff de abertura que é tão simples quanto possível, Townshend é econômico e apaixonado pelo seu trabalho.

Em grau de importância, nem sempre é o que você faz, mas como você faz, e na canção "Pinball Wizard" eles definitivamente acertaram.


Música: "Overture"

Álbum: "Tommy" (4º disco, 1969)

A bateria de Keith Moon é de particular significado enquanto ele salta através da seção rítmica como um sapo energizado, mas ouça um pouco mais de perto e a delicada acústica de Townshend rouba o show.


* The Who: Top 10 melhores músicas com Keith Moon na bateria

Abrindo como tantas flores de verão, Townshend prova que não se trata apenas do thrash e do vigor de suas performances elétricas ao vivo. Às vezes, ele é capaz de desacelerar e derreter o seu coração.

O momento mais vulnerável de sua execução, portanto, torna-se ainda mais doce por sua raridade.


Música: "Won’t Get Fooled Again"

Álbum: "Who's Next" (5º disco, 1971)

Aqui, os power chords de Pete Townshend entram em um caso de amor com um sintetizador e acabam duelando durante toda a música. A canção se desenrola em altos e baixos enquanto Townshend faz o seu melhor para derrubar o dragão do sintetizador.

Soltando as suas rajadas de guitarra, Townshend é novamente parte integrante da paisagem sonora que o grupo está criando nesta música. Soa poderoso e vigoroso, mas também é preciso e totalmente cultivado para o máximo impacto.

Simplificando, é a combinação perfeita dos talentos de Townshend. Ouvido para melodia, visão para completá-la e dedos para se fazer ouvir.

Como guitarrista, é sem dúvida um dos melhores.


Música: "Quadrophenia"

Álbum: "Quadrophenia" (6º disco, 1973)

Capaz de flutuar entre os padrões de sintetizadores ou alterar o ritmo conforme o procedimento principal, a guitarra de Townshend está em perfeita sincronia aqui.

Muitas pessoas comentaram sobre a capacidade de Townshend de fazer o seu instrumento "cantar", ou talvez mais precisamente, ter a sua própria voz.


Se você precisava de alguma prova disso, basta ouvir a canção "Quadrophenia" e receber uma dose completa do que torna Pete Townshend tão amado como guitarrista.


Música: "5:15"

Álbum: "Quadrophenia" (6º disco, 1973)

Ousada e com músculos suficientes para derrubá-lo, "5:15" é uma canção fanfarrona dessa ópera rock da banda. A música tipifica perfeitamente o jovem irado no centro dela e está positivamente borbulhando com ego e agressão.

Jimmy The Mod é a figura central e a música "5:15" é o mais próximo que você pode obter de uma pontuação perfeita, pois define o cenário do garoto angustiado abrindo caminho da maneira que pode.

E quando o solo de Townshend começa, ele o faz com estilo e entusiasmo.


Música: "Slip Kid"

Álbum: "The Who by Numbers" (7º disco, 1975)

Outra adição na mente de Johnny Marr é a canção "Slip Kid". A música foi escrita originalmente para o projeto da ópera rock "Lifehouse" de Pete Townshend, mas foi revivida em 1975 para um único lançamento.

O trabalho de guitarra é incomparável nesta peça e sua contextualização de cair nas lacunas da sociedade ainda é valiosa até hoje.


Mais Recentes
Destaques