• by Brunelson

The Doors: ascensão e queda do ídolo da contracultura, Jim Morrison


O número 27 é uma figura azarada para a indústria musical ocidental. Ele traz de volta as memórias de vidas jovens e talentosas que foram perdidas na tenra idade dos 27 anos de idade.


Ele agiu como uma maldição para o guitarrista do ROLLING STONES, Brian Jones, a lenda da guitarra, JIMI HENDRIX, bem como as sensações americanas como Kurt Cobain, Janis Joplin e Jim Morrison que abreviou as suas conquistas musicais.


Como a maioria das pessoas nesta lista, Jim Morrison também causou a sua própria ruína.

Morrison, que tinha formação familiar militar, levou uma vida nômade desde muito jovem devido à ocupação do seu pai. Ele era rotineiramente conduzido para as bases do exército e fortalezas do estabelecimento em várias cidades, o que mais tarde seria a personificação do movimento da contracultura.


As viagens excessivas devido a profissão do seu pai expuseram o jovem Jim Morrison a uma variedade de paisagens geográficas e histórias culturais que influenciaram e moldaram a sua mente. Ele foi acusado de ter uma mente excessivamente imaginativa quando afirmou ter testemunhado um acidente de carro aos 03 ou 04 anos de idade, onde os índios nativos americanos jaziam em uma poça de sangue à beira da estrada: “Índios espalhados por toda a estrada e sangrando até a morte”.


O livro intitulado "The Doors" de 1992, oferece uma narrativa completamente contrastante do pai de Morrison que negou qualquer acidente, dizendo: “Nós passamos por vários índios pela estrada e isso impressionou o jovem James. Ele sempre pensou naquele índio chorando que ele viu uma vez”.


A mente impressionável de Morrison logo foi dominada pela mitologia celta e Friedrich Nietzsche, cujas visões sobre estética, moralidade e a dualidade apolínea e dionisíaca apareceriam em sua conversa, poesia e canções. O poeta simbolista francês, Arthur Rimbaud, cujo estilo mais tarde influenciaria a forma dos poemas curtos em prosa de Morrison, além de autores como Allen Ginsberg, Charles Baudelaire, Franz Kafka e muitos outros, todos mostraram a Jim Morrison a vida de um artista.

Na verdade, foram os livros que fizeram Morrison continuar...


O seu professor de inglês do último ano na escola, disse: “Jim Morrison lia tanto e provavelmente mais do que qualquer aluno da classe, mas tudo o que ele lia era tão incomum que pedi a outro professor para verificar se os livros que Jim estava relatando realmente existiam”.


Tamanha era a sua imaginação que o professor suspeitou "que ele os estivesse inventando, visto que eram livros ingleses dos séculos XVI e XVII que eu nunca tinha ouvido falar deles, mas eles existem”.

Após a sua breve carreira em cinema e jornalismo, Morrison aventurou-se na escrita de letras e brincou com a ideia de formar uma banda em meio à onda de novas músicas que a década de 60 estava sofrendo com os jovens.


Na época, ele estava levando uma vida boêmia em Venice Beach, Los Angeles, morando no terraço de um prédio com os seus amigos da universidade. Ele cortou todos os laços com a sua família logo após sair de casa e mais tarde alegou falsamente em várias entrevistas que eles haviam morrido.

THE DOORS foi formado durante o verão de 1965 com o tecladista Ray Manzarek em conversa com Jim Morrison - um colega estudante da mesma universidade. Eles se conheceram um dia quando Manzarek estava na praia e acidentalmente encontrou Morrison. Ele ficou impressionado com as letras poéticas de Morrison, alegando que era material de "grupo de rock".


Posteriormente, o guitarrista Robby Krieger e o baterista John Densmore se juntaram e o grupo tornou-se também vinculado ao interesse comum nas práticas de meditação oriental.


O nome da banda foi inspirado no título do livro de Aldous Huxley, "The Doors of Perception", que era uma referência ao desbloqueio dos limites mentais por meio do uso de drogas psicodélicas. O título do próprio Huxley foi uma citação do livro chamado "The Marriage of Heaven and Hell", de William Blake, em que Blake escreveu: "Se as portas da percepção fossem abertas, tudo pareceria ao homem como é: infinito".

A banda lutou por 02 anos antes de ganhar destaque em 1967, após assinar com a gravadora Elektra Records. Embora Morrison fosse o letrista do grupo, a contribuição do guitarrista Robby Krieger neste campo também é notável.


O single "Light My Fire" (1º disco, "The Doors", 1967), assumiu o controle da Billboard por 03 semanas consecutivas após o seu lançamento. Na época em que o 2º álbum de estúdio foi lançado, "Strange Days" (1967), THE DOORS já era um nome popular em todos os lares americanos.

É incerto se Morrison foi atingido pela fama repentina e assumiu o seu papel muito casualmente, mas logo em 1968, ele começou a chegar atrasado para apresentações e gravações e quando ele aparecia, estava frequentemente bêbado ou chapado demais para se apresentar.


No início de 1969, era evidente que o seu estilo de vida rebelde estava afetando também a sua aparência física. O "ex-esbelto" cantor, elogiado como o "Rei Lagarto", engordou, deixou crescer a barba, bigode e começou a se vestir de maneira mais casual e sem se importar com as aparições públicas. Ele tentou se afastar do grupo várias vezes, dizendo que estava cansado da vida de estrela do rock.

No entanto, em 1º de março de 1969, durante um show da banda no Dinner Key Auditorium em Miami, Morrison desencadeou um furor à plateia, emanando discursos e gestos obscenos. Embora nada tenha acontecido, 06 mandados de prisão foram emitidos, causando uma grande perda financeira com o cancelamento de vários shows subsequentes.


Após uma longa e necessária pausa, o grupo se reuniu novamente e em 1971 lançaram o último álbum de estúdio com Jim Morrison, "L.A. Woman" (6º disco).

Depois de terminar a gravação deste álbum, Morrison se mudou para Paris com a sua companheira, Pamela Courson. Na verdade, o seu relacionamento com Courson era complicado e confuso - para dizer o mínimo. Apesar do relacionamento tumultuado, Pamela era a sua defensora número 01, que o pressionava a fazer melhor por si mesmo, a sonhar mais alto e viver mais limpo das drogas.

Como tal, o seu tempo com Courson em Paris provou ser benéfico para a sua saúde física e mental. Ele raspou a barba e perdeu um pouco de peso que havia ganhado e descreveu fazer longas caminhadas pela cidade, sozinho.


Talvez numa reciclagem e período de reflexão onde Jim Morrison poderia retornar renovado aos compromissos do THE DOORS, o lendário vocalista foi encontrado morto na banheira do seu apartamento em 03 de julho de 1971. Como não houve testemunhas e nenhuma autópsia foi realizada, a causa da morte variou de uma insuficiência cardíaca a uma overdose de heroína.


A propósito, Pamela Courson morreu três anos após a sua morte, também aos 27 anos de idade.

Frequentemente, a história nos prova que uma mente altamente impressionável é profundamente afetada por um distúrbio mental (de qualquer grau ou classe que seja).


O relacionamento árduo de Morrison com a sua família pode tê-lo empurrado ladeira abaixo. O irmão de Morrison, Andy, falou sobre como os seus pais nunca recorreram ao abuso físico, mas incutiram disciplina pelo método militar tradicional de reprimir, que era basicamente abuso verbal que consistia em gritar e repreender as crianças até que elas fossem reduzidas às lágrimas.


Na verdade, o pai de Morrison, que não estava feliz com a escolha da carreira do seu filho, escreveu uma carta maldosa para Jim Morrison depois de ouvir um dos álbuns iniciais, pedindo-lhe “para desistir de qualquer ideia de cantar ou de qualquer conexão com um grupo musical, pois considero uma total falta de talento neste sentido”.


Nunca sabemos o que pode desencadear numa pessoa receber uma educação problemática. Pode não ter afetado os irmãos de Morrison do mesmo jeito que foi para o vocalista do THE DOORS, mas precisa ser reconhecida como uma fonte potencial dos seus problemas de saúde mental.

Não importa a causa, mas a triste história de Jim Morrison é aquela que se repetiu em inúmeras ocasiões ao longo dos anos e embora possamos lamentar a perda do talento de um grande cantor e presença de palco, devemos também reconhecer o seu lugar na história como uma alma perturbada e inovadora do rock.


Confira o áudio de estúdio da clássica canção "The End", lançada no álbum homônimo de estreia do THE DOORS em 1967:


  • Facebook Social Icon
Mais Recentes
Destaques