• by Brunelson

Butch Vig: produtor relembra como foi trabalhar com o Nirvana e Smashing Pumpkins


O lendário produtor e baterista do GARBAGE, Butch Vig, relembrou a sua vida na música alternativa com o SMASHING PUMPKINS, NIRVANA e outros grupos, em recente entrevista para a revista Kerrang.

Em abril de 1994, Butch Vig (baterista), Steve Marker (guitarrista) e Duke Erikson (baixista), foram a Londres para um encontro com Korda Marshall, o fundador da Infectious Records, uma gravadora/boutique independente.


Amigos por mais de uma década, Butch, Steve e Duke vinham produzindo e desenvolvendo álbuns em suas próprias instalações de gravação no Smart Studios, na cidade de Madison, Wisconsin, desde 1983, e começaram a receber encomendas para remixar músicas de pesos pesados ​​da indústria musical, incluindo NINE INCH NAILS, THE CULT, DEPECHE MODE, BECK e outros.

Normalmente, a ideia de três técnicos de estúdio sem rosto defendendo a sua própria chance de ser o centro das atenções teria parecido fantasiosa, mas não havia um executivo de gravadora no mundo que não soubesse do currículo recente de Butch Vig, visto que o modesto produtor do meio-oeste americano tinha produzido álbuns de enorme sucesso para o NIRVANA ("Nevermind"), SMASHING PUMPKINS ("Gish" e "Siamese Dream"), L7 ("Bricks Are Heavy") e SONIC YOUTH ("Dirty" e "Experimental Jet Set, Trash and No Star").

Se Butch e os seus amigos pudessem aproveitar até mesmo uma fração deste sucesso em sua própria banda que iria se tornar no GARBAGE, a Infectious Records poderia potencialmente ter um disco de sucesso em suas mãos - como Korda Marshall entendeu.

O trio também tinha negócios relacionados para tratar em Londres.


No início de 1994, enquanto assistia ao programa de rock alternativo da MTV, 120 Minutes, Steve Marker encontrou um vídeo de uma nova banda escocesa chamada ANGELFISH e ficou impressionado com os vocais sensuais e a presença carismática da cantora do grupo, Shirley Manson. Steve tinha certeza de que a voz de Shirley poderia complementar perfeitamente as músicas instrumentais que ele, Butch e Duke estavam compondo, e a vocalista de 27 anos nascido em Edimburgo, ficou suficientemente intrigada com a perspectiva de colaborar com o trio americano, quando foi convidada para almoçar com eles em Londres no dia 08 de abril de 1994 para uma reunião inicial.

Butch se lembra de ter saído daquele almoço sentindo-se animado com a perspectiva de trabalhar com Shirley. Na verdade, ele poderia ter ficado mais tempo com a inteligente e efervescente cantora, se não tivesse agendado drinks para sexta à noite num pub em outras partes da capital londrina, com os amigos produtores, Flood e Alan Moulder, mais conhecidos por seus trabalhos com o U2, DEPECHE MODE e MY BLOODY VALENTINE.

No momento em que Butch cumprimentou os seus amigos, entretanto, ele sentiu que algo estava errado...

“Me sentei e todos ficaram olhando pra mim”, lembra Butch Vig. "Eu disse: ‘O que está acontecendo?' E eles disseram: ‘Você soube que Kurt Cobain está morto?’ Eu estava chocado. Deixei a minha cerveja, peguei um táxi de volta para o hotel, fui para o aeroporto de Heathrow e peguei o próximo vôo de volta para os EUA".

“No mesmo dia, então, encontrei Shirley pela primeira vez e descobri que Kurt estava morto. Essa foi, literalmente, a mudança de guarda em minha vida. NIRVANA era uma grande parte da minha vida e embora eu não soubesse disso na época, GARBAGE, com Shirley, estava prestes a se tornar também uma grande parte da minha vida... Essa foi a minha travessia”.

Já se passaram 25 anos desde que o álbum de estreia homônimo do GARBAGE violou o Top 10 do Reino Unido - lembrando que todos os álbuns sucessivos do quarteto também foram um sucesso no Reino Unido.

Em 2021, GARBAGE lançará o seu 7º álbum de estúdio que já está gravado e mixado, mas antes, iremos iniciar essa entrevista desde os primórdios com Butch Vig.


Seguem alguns trechos:


Jornalista: Vamos começar do início: quem foram os primeiros artistas que dispararam o seu amor pela música?

Butch Vig: Eu tive sorte, porque a minha mãe era professora de música e tocava de tudo, então, cresci ouvindo BEATLES ao lado de musicais de Nat King Cole e Frank Sinatra. Eu cresci em uma pequena cidade em Wisconsin, então, também fui inundado com a música polca pela manhã e a música country à tarde, mas quando eu estava na 4ª ou 5ª série, eu vi o THE WHO num programa de auditório da TV e quando vi o baterista Keith Moon, decidi que queria estar em uma banda de rock. Eu estava aprendendo piano, mas de alguma forma convenci a minha mãe a comprar uma bateria para mim e ela o fez, e então, parei de tocar piano - o que gostaria de ter mantido até hoje, sabe? Então, quando fui para a faculdade, descobri bandas e artistas como NEW YORK DOLLS, ROXY MUSIC, David Bowie... Nesta época, foi quando comecei a tocar em bandas e conheci Duke.

Jornalista: Então, fazer carreira na música parecia possível?

Vig: Bom, quando eu estava crescendo, eu via bandas como os BEATLES e LED ZEPPELIN como esses deuses do rock icônicos e intocáveis, enquanto eu era apenas um ser humano normal, mas quando o punk rock e o new wave surgiram, pensei: "Eu também consigo fazer isso". A banda que Duke e eu começamos, SPOONER, nós criávamos as nossas próprias músicas e imediatamente começamos a descobrir como gravar, o que nos levou a produzir discos para uma gravadora local na área de Madison. Eventualmente, quando terminei a universidade, comecei um estúdio de gravação com Steve, o outro guitarrista do GARBAGE, e isso me levou a muitas coisas, desde a gravação de bandas punk rock até KILLDOZER, e eventualmente, SMASHING PUMPKINS e NIRVANA.

Jornalista: Enquanto você produzia bandas, ainda tinha sonhos de se tornar um músico de sucesso?

Vig: Bom, eu sempre gostei de estar em bandas, sabe? Quando eu estava no colégio, estava em um grupo chamado ECLIPSE e depois disso toquei em bandas de garagem, mas nenhuma delas teve sucesso. SPOONER se tornou muito popular na cena local em Madison, tipo, podíamos tocar em um clube e colocar 500 pessoas lá dentro. E então, Duke e eu começamos um grupo chamado FIRE TOWN e assinamos um contrato com a Atlantic Records. Fizemos o disco em meu estúdio numa mesa de 08 canais por cerca de U$ 5 mil dólares e embora nunca tenhamos tocado ao vivo, fizemos um vídeo que chegou à MTV no programa 120 Minutes... Foi quando todas as gravadoras começaram a nos telefonar e então, fomos naquela jornada em que pegamos um empresário e uma editora e fizemos um disco muito caro para o segundo ano - custou cerca de U$ 400 mil dólares - e tudo que poderia dar errado aconteceu. Foi uma experiência difícil... Esse álbum foi lançado quando bandas de hair metal estavam dominando as paradas e nós éramos uma banda de rock do meio-oeste ao estilo Tom Petty, mas então, o álbum fracassou miseravelmente. No dia em que terminei aquela viagem, peguei um avião para casa em Madison, depois de passar 04 meses em New York, e no dia seguinte comecei a trabalhar no álbum da banda KILLDOZER e o fizemos em 06 dias. Me lembro de quando comecei a trabalhar nesse disco e pensava: "Eu estou livre! Livre, finalmente livre!" Nós nos divertimos muito gravando esse álbum e foi o disco que Billy Corgan ouviu e que Kurt Cobain também ouviu, mesmo sendo uma bagunça horrível de se escutar, mas chamou a atenção de muitas pessoas.

Jornalista: Você trabalhou com o SMASHING PUMPKINS no álbum de estreia deles em 1991, "Gish". Quais foram as suas impressões iniciais sobre Billy Corgan (frontman) naquela época?

Vig: Eles vieram primeiro gravar um single para a Sub Pop, com as músicas "Tristessa" e "La Dolly Vita", e nós fizemos isso em um final de semana. Eu fiquei meio impressionado com a aparência deles, tipo, parecia uma banda de rock tão legal e exótica, e quando eles começaram a tocar, claramente não era uma banda de punk rock, pois a sua música tinha muito mais além disso. Billy Corgan estava realmente motivado e nos demos bem imediatamente. Ele gastaria um tempo extra para conseguir um som de guitarra ou ele gastaria um tempo extra para conseguir uma parte realmente justa, e isso era bem diferente de muitas das bandas punk com as quais eu trabalhava, que queriam fazer as coisas rapidamente e não tinham paciência para dedicar tempo a tornar as coisas perfeitas. Quando o SMASHING PUMPKINS voltou ao estúdio para gravar o álbum "Gish", Corgan queria reservar 25 dias para fazer o disco e outra semana para mixá-lo, e eu estava pensando: "30 dias para gravar um álbum? Caramba!" Fiquei muito feliz, porque até aquele ponto eu estava fazendo a coisa típica de usar um dia para rastrear tudo, fazendo todas as guitarras principais, os vocais no dia dois e depois mixando tudo no dia três, e pronto, o disco está feito. Eu fiz centenas de álbuns assim, então, ter 01 mês inteiro produzindo um álbum parecia que estávamos fazendo algo grandioso ou tipo assim.

Jornalista: Antes de você produzir o disco "Nevermind" do NIRVANA, eles gravaram uma demo com 08 músicas com você, incluindo as canções "Lithium", "Polly" e "In Bloom", no Smart Studios em abril de 1990. Qual foi a sua primeira impressão dessas músicas?

Vig: A Sub Pop me enviou o 1º álbum do NIRVANA, "Bleach", e eu achei que era um bom disco, mas no geral, meio unidimensional. Exceto pela música "About a Girl", onde ouvi uma sofisticação real de Lennon/McCartney nas composições de Kurt Cobain. Naquelas músicas que gravamos no Smart Studios - apesar da canção "In Bloom" ser da era da Sub Pop - eu poderia dizer que Kurt estava realmente expandindo a sua escrita e melodicamente em termos do que ele estava fazendo com a sua voz, onde os arranjos estavam ficando muito mais sofisticados. Então, eu estava animado para trabalhar com eles... Havia alguma tensão com o baterista na época, Chad Channing, e senti alguma frustração por parte de Kurt com o tempo de batida de Chad. Ele era um bom baterista - você pode ouvir aquela sessão e ele soa bem - mas quando Dave Grohl se juntou à banda, isso trouxe um fator X inteiro que ninguém imaginou chegando. Ele tomou o NIRVANA e administrou o som com rédeas.

Jornalista: É verdade que você recebeu a ligação para produzir o disco "Nevermind" bem tarde, tipo, na mesma semana em que a banda deveria começar a gravar no Sound City Studios?

Vig: Sim, foi talvez 10 dias antes de começarmos a gravar ou talvez apenas 01 semana. Eu estava no estúdio com Billy Corgan, porque estávamos terminando alguns lados-b depois de gravarmos o disco "Gish", e ele ficava me perguntando: "Então, você vai trabalhar com o NIRVANA?" Porque ele sabia que eu tinha feito aquela sessão da Sub Pop no Smart Studios. Recebi uma ligação do baixista do NIRVANA, Krist Novoselic, e ele me disse: "Hey, Butch, nós realmente queremos que você faça o álbum, mas porque a Geffen Records não sabe quem você é, você estaria interessado em fazer a engenharia do som e nós iremos trabalhar com um produtor de grande nome?" Perguntei com quem eles estavam pensando em trabalhar e ele citou nomes como Ed Stasium (RAMONES, LIVING COLOR), Don Dixon (R.E.M.) e outros caras. Sabia que seria ótimo e tinha certeza que aprenderia muito.

Vig: Então, eu não ouvi nada por 03 ou 04 dias e Krist me ligou de volta e disse: "Queremos que você faça o álbum. Nós nos encontramos com um monte desses caras e não gostamos de nenhum deles. Você pode estar em Los Angeles daqui a uma semana e nos encontraremos lá?" Eu perguntei se eu poderia ouvir as músicas e ele disse que me mandaria uma fita. Alguns dias depois, uma fita cassete apareceu no correio com uma escrita à mão. Eu coloquei a fita para ouvir e escutei Kurt Cobain me dizendo: "Hey, Butch, é Kurt, estamos ansiosos para nos encontrarmos e curtirmos juntos. Vamos tocar algumas músicas novas e temos Dave Grohl, o melhor baterista do mundo". E então, começou a introdução da guitarra da música "Smells Like Teen Spirit" e quando Dave tocou a bateria, apenas destruiu tudo completamente. Eles tinham gravado a fita somente numa caixa de som, então, havia uma distorção inacreditável, mas eu podia meio que ouvir a música sob aquele ruído branco, como a parte do "Hello, hello, hello". Depois, eles tocaram um monte de outras músicas que acabaram sendo lançadas no disco "Nevermind" e eu pensei: "Nossa, essas músicas são ótimas", embora a qualidade da gravação daquela fita cassete fosse horrível.

Jornalista: Você conheceu Kurt e Krist quando eles vieram ao seu estúdio em 1990, mas quais foram as suas primeiras impressões de Dave?

Vig: Ele parecia meio engraçado e pateta. Fomos para um espaço de ensaio em North Hollywood, uma sala bem maior do que o normal, e a primeira coisa que percebi foi que Dave não queria usar microfones na bateria, o que era incomum. Então eu disse: "Toquem aquela primeira música que estava na fita cassete". E eles começaram a tocar "Smells Like Teen Spirit" e ele simplesmente explodiu a sala, tipo, estava tão barulhento com Dave batendo muito forte na bateria. Eu me lembro de apenas andar pela sala e pensar: "Oh, meu Deus, isso é incrível". E quando a música acabou, Kurt me disse: "Então, o que você achou, Butch?" Eu estava, tipo: "Apenas toquem de novo!", surpreso com o quão apertado eles soaram e quão poderoso Dave era na bateria, onde todos eles pareciam muito, mas muito focados no que estavam fazendo.

Jornalista: O álbum "Nevermind" se tornou um disco de enorme sucesso, vendendo mais de 10 milhões de cópias apenas nos EUA no final dos anos 90. Mas conforme ele explodiu, a banda começou a desprezar um pouco o som do disco. Isso doeu em você?

Vig: Bom, nenhum de nós sabia que venderia 20 ou 30 milhões de discos e posso entender por que a banda precisava se distanciar deste sucesso, porque você não pode realmente ser um punk rocker e então dizer: "Nós somos tão felizes por estarmos vendendo milhões de discos”. Eu sei que quando terminamos o álbum, eles adoraram. E na verdade, quando fizemos a edição do 25º aniversário do disco "Nevermind" em 2016, eu passei um tempo com Krist e Dave no estúdio e eles me disseram: "Cara, esse álbum soa tão bem, você fez um ótimo trabalho". Se você ouvir no fone de ouvido o disco "Nevermind", vai perceber que é um álbum realmente simples, não há muito excesso de produção nele e é apenas bem gravado e tocado muito bem.

Jornalista: Você ganhou mais trabalho por causa disso, mas perdeu alguns empregos também?

Vig: Não, eu não penso assim. As pessoas perceberam que eu "acertei" em algo ao produzir o álbum "Nevermind", onde muitas gravadoras me ligaram porque queriam ver se eu poderia trazer essa magia para quaisquer artistas que tivessem, mas eu achei meio irritante em alguns aspectos, porque as pessoas pensavam que eu tinha uma fórmula, que eu poderia pegar um artista folk ou um guitarrista de blues e fazê-los soar como o NIRVANA. Eu fui apresentado a vários projetos que não faziam nenhum sentido e recusei todos eles. O sucesso desse álbum me permitiu escolher com quem eu queria trabalhar e isso foi uma grande bênção.


* Butch Vig: “se o disco ‘Nevermind’ fosse lançado nesta semana, não teria o mesmo impacto cultural”


* Butch Vig: renomado produtor escolhe disco do The Who como o álbum definitivo que mudou a sua vida


* Butch Vig: "depois do sucesso de 'Nevermind', nunca mais tinha escutado o disco"


* Butch Vig: falando sobre o grunge e mistura de estilos musicais

  • Facebook Social Icon
Mais Recentes
Destaques

2016 by RockInTheHead