• by Brunelson

Nirvana: como foi o último show da banda?


Kurt Cobain durante a última apresentação do Nirvana em Munique/Alemanha,

1º de Março/1994

Ainda restavam 02 shows para o encerramento da 1ª etapa europeia da turnê do álbum "In Utero" (4º e último trabalho de estúdio, 1993), mas os problemas se acumulavam nos ombros cansados do vocalista Kurt Cobain: brigas com a mulher, com a gravadora e ainda por cima uma crise de bronquite que fazia com que ele tivesse vontade de jogar tudo para o alto.


Alemanha, Munique, 1º de Março de 1994. Algo não ia bem naquela Terça-feira, quando adolescentes de cabelos recém-crescidos, uniformizados com camisas xadrez, calças rasgadas e All Star sujos nos pés, se reuniam em um terminal desativado do aeroporto da cidade alemã à espera daquele que, mal imaginavam, viria a se tornar o último show da carreira do NIRVANA.


Horas antes, durante a passagem de som naquela tarde, uma falha no sistema acústico que criava ecos por toda a casa de shows já deixara a banda insatisfeita.


"Havia um profundo sentimento de mau presságio naquele dia. Após a passagem de som, Kurt pediu permissão ao produtor Jeff Mason para fazer uma pausa e sair..., ele estava cansado. Então, ele voltou para o hotel, ligou para Courtney Love e tiveram uma grande briga. Em seguida, ele ligou para a advogada do casal, Rosemary Carroll, e disse que queria o divórcio", escreveu o famoso jornalista Everett True, no livro, "Nirvana - The Biography".


A violoncelista, Lori Goldston, que estava acompanhando a banda na turnê de “In Utero” - desde o lendário acústico da MTV em 1993 - relembra o estado físico fragilizado de Kurt, que cometeria suicídio pouco mais de 01 mês depois na sua casa em Seattle. "Ele não queria tocar. Kurt estava procurando curas orgânicas e tentando diferentes médicos. Estava meio deprimido e as pessoas agiam como se nada estivesse errado. Era estranho, pois todos falavam em volta dele ou através dele, mas nunca sobre o assunto. Krist Novoselic (baixista) estava preocupado e triste por vê-lo naquele estado".


O show começou às 20:00hs, com abertura dos veteranos de Seattle e mentores de Kurt na adolescência, a banda MELVINS, diante de um público de quase 5.000 pessoas. Especialmente pequeno se comparado aos grandes festivais e shows da turnê do álbum "Nevermind" (2º disco, 1991) - que transformaram o NIRVANA na banda de rock mais influente do planeta no início da década de 90. A apresentação teve gravação exclusiva de um canal alemão, o que torna qualquer material relacionado ao show um item raro e cobiçado pelos fãs.

Ingresso do último show do Nirvana realizado em Munique, 1º de Março de 1994

O público vibrou desde o início, mesmo com a banda subindo ao palco e abrindo o show tocando um desconhecido cover da banda THE CARS, a música "My Best Friend's Girl". Escolha provocativa e irônica de Cobain, uma vez que a letra da música trata de traição entre amigos.


Em seguida, acordes barulhentos e desafinados da música "Radio Friendly Unit Shifter" (lançada em "In Utero") ecoaram no local, com o desgaste visível da voz de Kurt. Pat Smear, que estava acompanhando a banda desde o lançamento do álbum "In Utero" como guitarrista base, relembra: "Kurt e eu sofríamos com bronquite e a voz dele ficava pior a cada música. Quando cantávamos juntos, soávamos como gatos brigando. A voz dele tinha ido embora neste show, mas ao invés de poupá-la, ele cantava cada vez mais alto e parecia satisfeito com a ideia de 'não vou poder cantar por dias'".


Com Cobain, Smear e o baterista Dave Grohl lacônicos, ficou a cargo de Krist Novoselic interagir com o público com o seu jeitão meio bobo-alegre, falando sempre com ironia: "Nós não estamos tocando em um lugar maior porque as nossas carreiras estão em declínio. Estamos no caminho da saída, sabem? O grunge está morto e o NIRVANA acabou! Não vamos voltar com uma nova moda ou algum tipo de nova imagem", extraindo alguns gritos da plateia - e mal sabiam que seria uma mensagem profética.


Para quebrar o tom que para alguns desentendidos pareceu sério, fez piada dizendo que o novo álbum da banda ia ser de hip hop: "Vamos ter uns caras se chupando e também umas vadias na capa do nosso próximo álbum, e vamos cantar sobre armas e como atirar em policiais", brincou, sob gritos de "idiota" da platéia.


Nas paradas musicais, o grunge já começava a perder espaço para o gangsta rap de SNOOP DOGG e companhia.


Apesar das tensões do dia, o único imprevisto do show foi de uma queda de luz quando a banda tocava a música "Come as You Are", que tirou a banda do palco por um rápido momento. No palco, iluminação escassa e nenhum cenário, nem mesmo os manequins “anjos de ventre aberto” que acompanharam a banda nos shows da turnê de "In Utero".


O setlist se dividiu entre a agressividade punk de músicas como "Breed" e "Territorial Pissings" (lançadas em "Nevermind") e o melancólico violoncelo da canção "Dumb" (lançada em "In Utero").


A música "Blew", do 1º álbum de estúdio, "Bleach" (1989), e que foi lançado pelo selo independente da Sub Pop, ganhou uma versão esganiçada e gritada a plenos pulmões por Cobain. Era justamente o que faltava para que o vocalista garantisse o atestado médico que daria fim à turnê no dia seguinte, quando ele realmente foi diagnosticado com laringite e faringite.


O público gritou, chorou, pediu bis, mas a banda deixou o palco com a música "Heart Shaped Box" (single de "In Utero"), que foram na verdade os seus últimos acordes em vida...


Sem guitarra quebrada, sem voz e sem terem tocado a música de maior sucesso da banda, "Smells Like Teen Spirit" (1º single de "Nevermind"), assim terminou o último show do Nirvana...


Mathias Erber era um dos jovens grunges na plateia que assistiam ao ídolo pela 1ª vez. "Me lembro como hoje, tinha 13 anos e queria muito ver esse show", contou à reportagem do UOL na Alemanha. "Não importa como ele tenha sido descrito, mas para mim, este show é um negativo de foto guardado na minha memória. Quando Kurt morreu, foi um grande choque e a primeira grande perda na minha vida".


Em uma resenha publicada na época pela revista alemã Zitty, o jornalista Thomas Moser apontou que: "Os mais velhos foram ao show para assistirem ao MELVINS (banda seminal de Seattle que estava no hall das favoritas do próprio Cobain), ao que a maioria dos jovens deu de ombros sem entender nada dos MELVINS, apenas esperando por seu ídolo, Cobain. Isso levava ao olhar de desprezo dos mais velhos, como eu, que já tínhamos superado o rock alternativo (independente) e já havíamos assistido antes ao 1º show do Nirvana".


Comparada a outros shows da própria turnê de "In Utero", o fato é que esta não foi uma boa apresentação, mas também não foi tão caótica que merecesse ser memorável, como no festival brasileiro Hollywood Rock, 01 ano antes, especificamente naquele show realizado em São Paulo.


A última apresentação do NIRVANA foi um momento de cumprir agenda e uma tentativa de fazer o correto. "No palco, era perceptível a falta de entusiasmo de Cobain. Ele fez o que tinha que fazer, nem mais, nem menos. Mas foi bom ver uma banda no palco sem nenhum acessório visual, só a música", escreveu Moser.


O jornalista musical alemão, Anathol Locker, também estava no show de Munique e concorda que aquele: "Não foi considerado um bom show pela crítica especializada". Mesmo sem saber o que aconteceria depois, o grunge já estava deixando de ser popular na cidade. "O impacto do grunge em Munique é comparado ao Verão do Amor do movimento hippie. Foi muito grande e depois as pessoas perderam o interesse rapidamente. O álbum 'Nevermind' veio como uma brisa fresca, mas o disco 'In Utero' não foi um grande sucesso, sendo que os antigos fãs do NIRVANA cresceram (envelheceram) e começaram a achar que o cult tinha se tornado clichê", afirmou o jornalista, também em entrevista para o UOL alemão.


Locker também ressaltou que a cena eletrônica alemã começava a crescer cada vez mais naquele tempo. "O grunge foi incrível! As bandas da gravadora independente de Seattle, Sub Pop, eram fantásticas, mas o techno e a música eletrônica começaram a bombar nos clubes e de repente, estávamos em um tempo completamente diferente... A vida simplesmente continua, não é?"


Confira o setlist do último show do NIRVANA e logo depois, a performance da banda nesta apresentação com a música "Drain You" (lançada em "Nevermind"):


Setlist


1. My Best Friend's Girl (cover THE CARS) 2. Radio Friendly Unit Shifter

3. Drain You

4. Breed 5. Serve The Servants 6. Come as You Are 7. Sliver 8. Dumb 9. In Bloom 10. About a Girl 11. Lithium 12. Pennyroyal Tea 13. School 14. Polly 15. Very Ape 16. Lounge Act 17. Rape Me 18. Territorial Pissings Encore Break:

19. The Man Who Sold The World (cover DAVID BOWIE)

20. All Apologies

21. On a Plain 22. Blew 23. Heart Shaped Box

  • Facebook Social Icon
Mais Recentes
Destaques

2016 by RockInTheHead