• by Brunelson

The Kinks: guia para iniciantes; 06 músicas definitivas da banda


Com uma discografia (24 álbuns de estúdio) que evoluiu e se estendeu por muitas décadas, THE KINKS se tornou conhecida como uma das bandas mais influentes de todos os tempos - e com razão.


* The Kinks: quando um membro da banda foi nocauteado no palco pelo outro


* The Kinks: relembrando imagens raras de show em Paris no ano de 1965

Apesar da proibição de turnês nos EUA em 1965 devido à conduta selvagem da banda nos bastidores e em público (e que durou por 04 anos), eles perseveraram, continuando a expressar a sua criatividade durante todos os processos de gravações dos álbuns.

Desde a sua formação em Londres no ano de 1964, até o lançamento do último álbum de estúdio em 1993 - encerrando as suas atividades em 1997 - eles experimentaram de tudo.

Embora alguns dos membros da banda tenham mudado ao longo de sua impressionante carreira de 33 anos, os irmãos Ray (vocalista/guitarrista) e Dave (guitarrista) continuaram sendo músicos básicos durante todo o período.


Com uma carreira tão longa, a discografia - e os sucessos - são igualmente extensos, mas para resumir, aqui estão 06 músicas que melhor capturam a essência da banda THE KINKS, caso você ainda não conheça o grupo.

Confira em ordem cronológica:

Música: "You Really Got Me"

Álbum: "Kinks" (1º disco, 1964)

Depois de lançar 02 singles que não chegaram às paradas, a gravadora da banda ameaçou anular o contrato do grupo se o 3º single não fosse um sucesso.

A canção "You Really Got Me" foi lançada em agosto de 1964 e provou ser um sucesso instantâneo.

Em entrevista realizada no ano de 2016, Ray Davies francamente compartilhou: “Eu estava fazendo um show no clube Piccadilly na cidade de Manchester, Inglaterra, e havia uma jovem na plateia de quem eu realmente gostei. Ela tinha lindos lábios, finos, mas não magros... O seu cabelo não era totalmente comprido, mas quase aqui na linha dos ombros. Foi o tempo suficiente para compor a música ‘You Really Got Me’ para ela, embora nunca a tenha conhecido”.

O agora icônico som sujo da guitarra de Dave Davies foi produzido como uma lâmina de barbear cortando em seu amplificador, sob o efeito conhecido chamado “fuzz” e que mais tarde se tornaria uma ferramenta para as futuras bandas de rock quando os pedais de distorção para as guitarras foram inventados.

Porém, o inovador Davies usou o que tinha em mãos e deu o tom para a vontade da banda de tentar qualquer coisa para obter um bom som.


Música: "Dandy"

Álbum: "Face to Face" (4º disco, 1966)

Sendo a 3ª canção do álbum "Face to Face", "Dandy" foi supostamente uma referência de Ray Davies ao estilo de vida selvagem do seu irmão, Dave.

Mais tarde, Ray revelou mais detalhes sobre o personagem “Dandy”, afirmando: “Acho que era sobre alguém, provavelmente eu mesmo, que precisava se decidir sobre alguns relacionamentos. Além disso, sobre o meu irmão também, que estava sempre 'fugindo' de uma garota para outra. É uma música mais séria do que parece, sabe? É sobre um homem que está preso internamente pela sua própria indecisão com relacionamentos e falta de compromisso... É assim que eu a descreveria agora, mas quando eu tinha 22 ou 23 anos de idade, escrevi as letras essencialmente sobre uma pessoa jovem e mulherengo".

A música permaneceu como figurinha carimbada nos shows até 1969 e agora é referenciada como uma representação impressionante da capacidade da banda de construir personagens dentro de suas canções.


Música: "Waterloo Sunset"

Álbum: "Something Else by The Kinks" (5º disco, 1967)

Quando ainda era um estudante, Ray Davies costumava cruzar a ponte Waterloo todos os dias para ir à escola e que foi a fonte de inspiração para este sucesso da banda, a canção "Waterloo Sunset".

Mas ao longo dos anos, o significado das letras dessa música foi confundido até mesmo pela própria banda.

Inicialmente, havia rumores de que foi inspirada no romance entre os atores britânicos, Terence Stamp e Julie Christie, mas Ray Davies revelou que era “uma fantasia sobre a minha irmã sair com o namorado para um novo mundo e eles iriam emigrar para outro país”.

Mais tarde, ele caiu em contradição numa entrevista em 2015, afirmando que Christie e Stamp podem ter sido a influência das letras porque eram "atores grandes e famosos na época", mas o filme que supostamente desencadeou o romance deles não foi lançado até 06 meses após o lançamento deste single, o que complicou ainda mais o assunto.

Mesmo com o seu significado ambíguo, a música ainda é considerada um dos seus lançamentos mais populares e foi até escolhida por Ray Davies como a canção tocada no encerramento dos Jogos Olímpicos de 2012 em Londres.


Música: "Lola"

Álbum: "Lola Versus Powerman and The Moneygoround, Part 1" (8º disco, 1970)

Depois de se afastar do seu som original, THE KINKS se tornou num dos casos de sucesso de uma banda tentando se livrar do rock dos anos 60 e mergulhar no fluxo lento dos anos 70.

Tudo isso começou com o seu 8º álbum de estúdio.


Depois de lançar a canção "Lola" como single, THE KINKS ressurgiu como uma fênix nos EUA (após o encerramento daquela pena "carcerária" estipulada pelas autoridades americanas), onde não tinham uma música no Top 40 desde a canção "Sunny Afternoon" em 1966.

Em uma entrevista no ano de 2016, Ray Davies revelou sobre o significado da música "Lola": “Esta canção surgiu de uma experiência num clube em Paris. Eu estava dançando com essa linda mulher loira, então, saímos para a luz do dia e eu a vi com outros olhos”. Ele acrescentou: "Então, eu desenhei aquela imagem, a colori e a tornei mais interessante com as letras que criei".

Embora polêmica na época, a música "Lola" provou que a banda estava evoluindo tanto no assunto quanto na imagem e abriu a porta para artistas como Lou Reed e David Bowie explorarem a fluidez de gêneros em suas músicas - e que atraíram fãs de rock de todos os tipos.


Música: "Strangers"

Álbum: "Lola Versus Powerman and The Moneygoround, Part 1" (8º disco, 1970)

Lançada no mesmo álbum, veio a balada favorita dos fãs e provavelmente uma das mais lembrada do THE KINKS, a canção "Strangers".

Uma das 02 músicas compostas por Dave Davies nesse disco, ele mais tarde revelou que escreveu as letras quando estava refletindo sobre a conexão humana e o significado da vida: “Pessoalmente, eu estava passando por muitas mudanças, coisas espirituais e entrando numa filosofia de vida diferente”, lembrou ele. “Eu tinha 15 anos de idade quando começamos com essa banda e tivemos sucesso, estávamos em turnê e isso realmente não dá a você uma chance de crescer dessa forma que relatei”.

Ele explicou que a música foi escrita num momento em que pensava: “O que está acontecendo? O que estamos fazendo? Porque estamos aqui?"

Embora nunca tenha sido lançada como single, a canção "Strangers" permaneceu um grampo na discografia do THE KINKS mostrando também a sua capacidade de ser sentimental.


Música: "Come Dancing"

Álbum: "State of Confusion" (20º disco, 1983)

Entrando na última fase da longa carreira do THE KINKS, o álbum "State of Confusion" provou estar cheio de joias, mas embora a melodia seja otimista e inspirada no reggae, as letras foram inspiradas pela irmã mais velha dos irmãos Davies, Rene, que morreu de ataque cardíaco enquanto dançava em um salão de dança.

A música se tornou um grampo nos shows do THE KINKS e uma canção com a qual Ray Davies mais se conectou. Ele disse que, de todas as canções que escreveu, as letras da música "Come Dancing" são as de que mais se orgulha.

Em julho de 1983, a canção atingiu o seu pico de número nas paradas americanas e na época, metade do Top 40 foi assumida por bandas principalmente britânicas, levando alguns a acreditar que a “Segunda Invasão Britânica” estava acontecendo.

Este renascimento inesperado provou não só que a capacidade da banda de se reinventar ainda era tão forte como sempre, mas que eles também estavam claramente na mesma prateleira das grandes bandas de rock.


  • Facebook Social Icon
Mais Recentes
Destaques