• by Brunelson

Queens of The Stone Age: guitarrista conta a história de como entrou na banda


O guitarrista do QUEENS OF THE STONE AGE, Troy Van Leeuwen, foi entrevistado pelo podcast No Guitar is Safe e falou de quando entrou na banda e outros assuntos.


* Queens of The Stone Age: "a Fender Jazzmaster nunca sai de sintonia pra mim"


* Troy Van Leeuwen: comentando sobre declaração de Billy Corgan nos anos 90

* Queens of The Stone Age: guitarrista fala sobre as músicas "Make it Wit Chu" e "Burn The Witch"


Confira alguns trechos dessa entrevista:

Jornalista: Vamos falar sobre esse passeio maluco de foguete que você fez em 2002, quando entrou no QUEENS OF THE STONE AGE. Você esteve em tantas bandas antes, como o FAILURE e A PERFECT CIRCLE, mas para entrar no QUEENS OF THE STONE AGE, houve um teste de audição?

Troy Van Leeuwen: Quando eu estava tocando com o FAILURE, tínhamos um cara que cuidava do nosso som e seu nome era Hutch. O pegamos porque ele trabalhava para a banda KYUSS e eles tinham acabado de se separar em 1995, e nós amávamos o jeito que o KYUSS soava ao vivo. Josh Homme (guitarrista do KYUSS e futuro frontman do QUEENS OF THE STONE AGE) e eu nos conhecemos através de Hutch, e ouvi as primeiras demos em fita cassete do que se tornou o álbum de estreia homônimo do QUEENS OF THE STONE AGE em 1998. Nós ouvimos esta fita cassete em nossa van quando estávamos em turnê com o FAILURE e falávamos: "Nossa! O que é isso?" Sempre houve esse tipo de órbita em torno de cada um de nós sobre o QUEENS OF THE STONE AGE, sabe?


Leeuwen: Assim como foi quando o 2º álbum do QUEENS OF THE STONE AGE, "Rated R", foi lançado em 2000. Na época, A PERFECT CIRCLE também estava em turnê e íamos vê-los tocar nos shows e eles vinham nos ver em nossos shows e era só isso, sempre estávamos uns nos shows do outro.

Leeuwen: Depois, o vocalista do A PERFECT CIRLCE, Maynard James Keenan (também vocalista do TOOL), foi gravar o novo álbum do TOOL na época e depois saíram em turnê. Neste período, fiz um pouco de trabalho de estúdio aqui, ali e nada mais.

Leeuwen: Então, Josh me telefonou e disse: "Precisamos de alguém para tocar guitarra e teclado. Vamos escolher umas 40 músicas, mas o setlist dos shows muda todas as noites, então, você tem 01 semana para aprender todas elas". Felizmente, eu já era um fã deles, conhecia as músicas e não houve realmente uma audição, ele apenas me conhecia e eu conhecia ele, e o nosso amigo Hutch levantou o polegar pra cima apoiando a ideia.

Leeuwen: Depois de 01 semana, o álbum "Songs For The Deaf" (3º disco, 2002) ainda nem tinha sido lançado e eu estava aprendendo todo esse álbum e os dois discos anteriores. Eu me encontrei com ele 01 dia antes de ensaiarmos juntos pela 1ª vez e apenas mostrei a ele o que eu sabia, e ele havia me dito: "Nossa, você praticamente já pegou tudo, só vou mostrar alguns detalhes que você não está fazendo certo". No dia seguinte, eu estava ensaiando com a banda e 01 semana depois, fizemos o nosso primeiro show em Atlanta... A partir daí, nos movemos como um trem de carga.

Leeuwen: Tive a sorte de surfar algumas dessas ondas com essas bandas e com o QUEENS OF THE STONE AGE ainda está rolando, então, foi uma jornada divertida e desafiadora.


Jornalista: A grande música de sucesso do álbum "Songs For The Deaf", é "No One Knows". Pode nos mostrar como você toca esta canção nos shows? Leeuwen: Bom, eu tocaria para você, mas está em uma afinação diferente e acho que não soaria direito. Eu não toco nos versos... Existem alguns swells que eu e Dean Fertita (tecladista/guitarrista) fazemos, mas no refrão, sim, eu toco, mas aqui agora não vai soar bem pois a guitarra está afinada em E. Ela precisa estar afinada em C.


Jornalista: O que influenciou você a tocar guitarra? Leeuwen: Antes de tocar guitarra, eu tocava bateria e atribuo todas as minhas habilidades rítmicas por ter sido um baterista mediano. Ouvia muito os discos do AC/DC e pra mim, o ritmo é mais do que metade do jogo. Você precisa fazer um solo de vez em quando onde você brilha, mas pra mim, sou muito feliz colaborando do jeito que pude fazer com todas as bandas que toquei e toco ainda... Isso significa mágica e improvisação acontecendo.


Jornalista: Qual foi o momento mais doido que você já passou nesses 18 anos com o QUEENS OF THE STONE AGE?

Leeuwen: Tudo o que posso pensar em situações como essa... A primeira coisa que vem à mente é na turnê do álbum "Songs For The Deaf", onde o baixista da banda naquela época, Nick Oliveri (membro fundador), tipo, ele é um ser humano lindo e é uma força a ser reconhecida, mas ele é como o filho de Lemmy Kilmister (vocalista/baixista do MOTORHEAD) misturado com o baterista do THE WHO, Keith Moon... Ele está pegando fogo o tempo todo, sabe?

Leeuwen: Eu me lembro de tocar nos festivais, nem sei onde era, mas ele tocava um baixo da marca Dan Armstrong e tirava as calças e ficava pelado no meio dos shows.


Confira uma performance do QUEENS OF THE STONE AGE da música "A Song For The Dead" (lançada no disco "Songs For The Deaf"), extraída exatamente desta turnê comentada acima e que contava ainda com Dave Grohl na bateria e Mark Lanegan (SCREAMING TREES) levando os vocais em algumas músicas:


  • Facebook Social Icon
Mais Recentes
Destaques

2016 by RockInTheHead