• by Brunelson

Neil Young: qual foi o álbum em homenagem a Kurt Cobain?


Neil Young é justamente rotulado de "Padrinho do Grunge" por seu papel agir inconscientemente no surgimento do gênero.


* Neil Young: por que ele é chamado de "Padrinho do Grunge"?


* Pearl Jam: quando tocaram juntos com Neil Young a música "Rockin' in The Free World" em 1993

Ele era um artista que Kurt Cobain e Eddie Vedder idolatravam simultaneamente e a dupla tentou integrar o espírito obstinado de Neil Young em seus trabalhos.

Após a morte de Cobain, Young ficou angustiado devido a essa profunda conexão com o vocalista/guitarrista do NIRVANA, sendo um sentimento que ele canalizou para o próximo álbum que iria lançar.

O álbum de Neil Young lançado em 1979, "Rust Never Sleeps" (disco ao vivo), é frequentemente visto como o precursor que inadvertidamente desencadeou o movimento grunge, principalmente por causa da natureza fortemente distorcida de sua guitarra. Ele desempenhou um papel fundamental na influência da próxima geração, um movimento de artistas criados com uma dieta que consistia fortemente no trabalho de Neil Young.

Kurt Cobain usou infamemente as letras de Young em sua carta de suicídio e isso por si só continua sendo um exemplo claro de quanto o artista significava para ele. Young escreveu isso de forma pungente em seu livro de memórias sobre como isso o marcou quando descobriu que Cobain havia citado as suas letras: “Quando ele morreu e deixou aquela carta, tocou uma corda profunda dentro de mim... Fodeu comigo”, disse Neil Young no livro. “Coincidentemente, eu estava tentando falar com ele, tipo, só queria conversar com ele e dizer para tocar só quando ele sentisse vontade”.

Após a morte de Cobain, Young transformou a sua dor em uma música quando escreveu a canção "Sleeps With Angels". A música foi a faixa-título do seu álbum lançado em 1994 (20º disco) – mesmo ano do falecimento de Cobain e que Young dedicou ao frontman do NIRVANA. Esta canção resume os temas sombrios que são inevitáveis no álbum e a morte de Cobain inadvertidamente empurrou Young para esse caminho.

Young já havia contornado o assunto em vez de oferecer uma resposta definitiva, mas não há dúvida de que Cobain desempenhou algum papel na direção que o cantor tomou nesse disco e na canção em si.


“A música 'Sleeps With Angels' possui muitas conotações de diferentes situações que foram descritas e com muitas cenas tristes em anexo”, disse Young. “Eu nunca falei sobre por que fiz esse álbum e não quero começar isso agora”. Pressionado ainda mais, ele acrescentou: “Eu simplesmente não quero falar sobre isso. Essa é a minha decisão e fiz uma escolha de não falar sobre isso e eu estou aderindo a causa”.

Muitas publicações relataram falsamente que Neil Young havia prometido parar de tocar a música "Hey Hey, My My (Into the Black)" após o seu uso na carta de suicídio de Cobain. Ao contrário, ele emprestou a pungência renovada da faixa e a trouxe de volta ao seu setlist nos primeiros shows após a morte de Cobain.


“Isso apenas me tornou um pouco mais focado por um tempo”, disse Young à revista Uncut. “Agora, é apenas mais um rosto para se pensar enquanto você está cantando...”

Embora a canção "Sleeps With Angels" não seja totalmente sobre Kurt Cobain, o álbum gira em torno da mortalidade que foi influenciada pelo cantor do NIRVANA perdendo a vida em circunstâncias trágicas. O fato dele ter referenciado o trabalho de Young em sua ação final forçou o tema da "morte" de volta à vanguarda da mente de Neil Young.

Se não fosse por Cobain perdendo a sua vida, Young provavelmente teria assumido um estilo diferente de projeto nessa época, mas ele é um verdadeiro artista e o seu trabalho reflete onde ele está na vida, sendo que a perda do líder do NIRVANA o deixou sem escolha a não ser enfrentar esses pensamentos que ele tinha deixado acumulado na poeira.


"Sleeps With Angels"


  • Facebook Social Icon
Mais Recentes
Destaques