top of page
  • by Brunelson

Led Zeppelin: quando perceberam a noção do público mudando para assistir um show de rock


Ao olhar para a era da música dos anos 60, os BEATLES são responsáveis pela mudança sísmica do rock and roll.

Em pouco menos de 01 década de material gravado, eles levaram cada faceta do gênero a novos patamares, trazendo-o para fora da estagnação como música de festa irracional e fazendo as crianças, adolescentes, jovens e adultos, a prestarem atenção às complexidades das músicas que estavam ouvindo.

E enquanto os BEATLES se despediam graciosamente com alguns dos seus melhores materiais que ficaram marcados na história do rock e da música em geral, o rock and roll também estava começando a passar por sua própria mudança com o surgimento do LED ZEPPELIN.

No coração da Inglaterra, os artistas estavam seguindo o exemplo de bandas como o ROLLING STONES, criando canções ou fazendo covers de melodias em dívida com o blues americano de alguns anos antes. Embora o guitarrista Jimmy Page tenha encontrado o seu nicho primeiramente no THE YARDBIRDS, não seria até o lançamento do LED ZEPPELIN no final dos anos 60 que o foco da cena musical começaria a mudar de curso.

Ao contrário das músicas "bonitinhas" dos BEATLES de início de carreira, as canções do LED ZEPPELIN dependiam mais de jams e entrando em um território bem mais pesado através dos alucinados riffs de guitarra de Page e do trator que era o baterista John Bonham.

Sim, embora o LED ZEPPELIN pretendesse imitar o tipo de bandas e artistas que eles tinham escutado quando eram adolescentes, mesmo assim eles ainda entenderam a mudança que o público da época estava passando.








Na esteira do movimento hippie, os fãs procuravam algo um pouco mais desafiador do que uma música popular e pequena de 03 minutos, e enquanto os BEATLES expandiram este conceito em suas últimas produções, seria o LED ZEPPELIN uma das primeiras bandas a dar este choque de perto ao sistema.


Desde que os BEATLES tinham encerrado as atividades, os fãs viam o LED ZEPPELIN em seu habitat natural, alimentando-se constantemente da energia que sugaram e davam em cada apresentação nos shows.

Durante uma entrevista na TV para o canal britânico da BBC nessa mesma época, o baterista John Bonham comentou sobre como as coisas estavam mudando ao redor deles: “Acho que as regras estão mudando porque as crianças estão mudando. Hoje em dia, o público está indo aos shows para ouvir e ver como você está tocando, e não apenas para ficar olhando para você. Lembro que quando via os BEATLES nos shows, era somente para ficar olhando para eles deslumbrado. Hoje, não é o que você é. É o quê e como você está tocando".

Embora o LED ZEPPELIN pudesse se conectar com o seu público por meio de suas tendências blues, o intenso foco na expansão da música os atraiu, usando cada álbum para mergulhar em outras avenidas sonoras.


E por mais que o LED ZEPPELIN tentasse superar os BEATLES e consequentemente conseguiriam quebrando os seus recordes, eles nunca perderam o desejo de continuar ultrapassando os limites do que estava confinado ao seu gênero, abraçando os sons da música oriental em canções como "Kashmir", samba e aspectos latinos na música "Fool in The Rain" e até reggae na canção "D’yer Mak’er", além de criar momentos épicos como a imortal música "Stairway to Heaven" e tantas outras clássicas canções.

Tudo também funcionou em um ciclo, com o LED ZEPPELIN se tornando um dos deuses musicais da década de 70 antes que a explosão do punk rock começasse a engoli-los no final da mesma, com bandas punk como o SEX PISTOLS rejeitando a noção do estilo de vida luxuosa de rockstar que o LED ZEPPELIN carregava e através dos RAMONES (os criadores do punk rock) começando a encurtar as suas músicas para no máximo 02 minutos de duração.

תגובות


Mais Recentes
Destaques
bottom of page