• by Brunelson

Fugazi: guia para iniciantes; 06 músicas definitivas da banda


FUGAZI é uma das bandas de punk rock mais influente de todos os tempos.

Isso não é para desconsiderar as ondas punk originais inovadoras em ambos os lados do Atlântico que surgiram no final dos anos 70 ou outros contemporâneos da capital Washington como o BLACK FLAG - assim como todo o movimento hardcore.

No entanto, FUGAZI é muito mais do que apenas bom compositores. A banda só pode ser descrita como a soma visceral de suas eletrizantes partes. Os guitarristas e vocalistas, Ian MacKaye e Guy Picciotto, o baixista Joe Lally e o baterista Brendan Canty, compõem este conjunto inovador.

Formado em 1986, antes de criar o FUGAZI, três dos seus membros já haviam deixado uma marca indelével no reino do punk rock, incluindo a cultura no rock alternativo e para bandas independentes.

Ian MacKaye foi o frontman do seminal grupo punk hardcore, MINOR THREAT, de 1980 à 1983, e co-fundou o icônico selo independente Dischord Records em 1980 ao lado do baterista da sua banda, Jeff Nelson. Junto com os seus contemporâneos da capital Washington como BAD BRAINS e BLACK FLAG, a banda MINOR THREAT estabeleceu o padrão para o punk hardcore. A música "Straight Edge" inspirou o icônico movimento de mesmo nome e eles também tiveram um grande impacto no movimento "Do it Yourself".

Desde o início do FUGAZI em 1986 até o seu hiato em 2003, a banda lançou 06 álbuns de estúdio, 04 EPs e uma trilha sonora. A vasta gama de lendas que eles inspiraram e contam como fãs é estonteante. Estes incluem: Eddie Vedder, Johnny Marr, Joe Strummer, Dave Grohl, TOOL, THE WHITE STRIPES, RAGE AGAINST THE MACHINE, NIRVANA e muitos deles...

Essas lendas que contam o FUGAZI como influência, são apenas a ponta do iceberg. Muitos outros pioneiros citaram os heróis da capital como tendo um impacto significativo em suas músicas.

FUGAZI é a banda favorita da sua banda favorita.

Musicalmente, eles incorporaram o seu hardcore no art-punk, som experimental, jazz e reggae, tornando-os uma das bandas mais empolgantes do mercado. No entanto, o seu estilo e influência também existem fora do reino musical.

Decolando na moda do "Do it Yourself" de onde a sua banda anterior parou, FUGAZI incorpora tudo o que é incrível sobre a música e o punk rock. Eles nunca cobraram preços altos pelos ingressos e eram totalmente além do seu tempo, recusando-se até a serem entrevistados por publicações brilhantes que anunciavam marcas de cigarro e álcool.


Essas políticas sociais constantes e inovadoras tiveram um impacto definidor em seus trabalhos e em outros que viriam...

E com essa introdução, resolvemos montar o guia para iniciantes e separamos somente 06 músicas definitivas do FUGAZI, procurando mostrar não as melhores canções, mas que abrangem a musicalidade e parte lírica da banda.

Confira a lista sem nenhuma ordem qualitativa:

Música: "Glue Man"

Álbum: "13 Songs" (coletânea dos 02 primeiros EP's, 1989)

Esta canção se destaca como uma declaração de intenções. Como uma música de Picciotto, ela ressoa de um jeito mais artístico em seu catálogo, possuindo os zumbidos da guitarra e vocais cheios de reverberação, que soam como insanidade de uma perspectiva genuína e tangível.

A canção "Glue Man" instantaneamente chama a atenção e faz você querer perder a cabeça (no bom sentido). O baixo é um elemento pesado e sinistro à espreita no fundo, contribuindo para o tom visceral da música.

Como gostaria de poder ter visto essa banda ao vivo...


Música: "Blueprint"

Álbum: "Repeater" (1º disco, 1990)

Outra composição de Picciotto, não só a canção "Blueprint" se destaca em seu álbum de estreia, mas também em todo o catálogo do grupo. É um exemplo do modo artístico se misturando ao trabalho do FUGAZI.

Mais uma vez apresenta guitarras agudas com uma ponte melódica. Até a melodia vocal é mais emotiva do que o normal.

A música aumenta no final com a clássica frase: "Não importa o que está vendendo / É o que você está comprando e recebendo sem mácula". O canto repetido de “deixa pra lá” no final é uma visão sardônica da complacência ao consumismo.


Música: "Turnover"

Álbum: "Repeater" (1º disco, 1990)

Sendo outro destaque neste álbum, apresenta uma linha de baixo groovy com guitarras pontiagudas perfurando como um punhal de MacKaye e Picciotto.

Esta obra-prima art-punk combina tudo o que há de bom no FUGAZI: hardcore, art-punk e dinâmica visceral. A banda intensifica a ação com maestria antes de desacelerar e trazê-la de volta ao início da música.

O som gruda na cabeça, não tem jeito.


Música: "Smallpox Champion"

Álbum: "In on The Kill Taker" (3º disco, 1993)

Começando com aquela introdução nebulosa a la SONIC YOUTH, o equilíbrio logo é restaurado.

Lançada em seu 3º abrasivo álbum, esta canção é um triunfo alucinante. Ela captura perfeitamente a abordagem mais agressiva da banda aparecendo neste álbum.

Musicalmente é rápida, para depois saltar nas guitarras encaixantes de MacKaye e Picciotto, que deixaria o pessoal do SONIC YOUTH orgulhoso.

A música é um clássico do FUGAZI na forma como começa - aparentemente prestes a se desfazer - e então, une tudo para um final melódico sendo uma das dinâmicas mais eficazes em seu arsenal.


Música: "Bed For The Scraping"

Álbum: "Red Medicine" (4º disco, 1995)

Este é o álbum de maior sucesso comercial da banda, onde eles optaram por se afastar de uma abordagem de produção cara, para em vez disso, criar um som ambiente mais natural.

O álbum "Red Medicine" pode ser visto como a banda genuinamente caminhando em uma direção mais experimental. Possui uma composição desajustada e é altamente eficaz. É um trabalho desafiador, mas acessível - um paradoxo que pode ser atribuído à produção do mesmo.

A canção "Bed For The Scraping" é uma peça barulhenta, melódica e você pode definitivamente ver a sua influência espalhada por toda uma linhagem de bandas. Destaque também ao clássico dueto vocal MacKaye/Picciotto, sendo um dos momentos mais contagiantes do álbum e de sua carreira.


Música: "Full Disclosure"

Álbum: "The Argument" (6º disco, 2001)

Lançado em outubro de 2001, o álbum "The Argument" é a oferta final da banda FUGAZI.


Após o lançamento, foi recebido com aclamação da crítica e comercial e é saudado como um dos lançamentos pós-hardcore mais importantes da história.

É também a obra mais diversa e experimental em seu catálogo.

MacKaye descreveu o título do álbum como uma referência a "um manifesto anti-guerra". Ele acrescentou: "Eu não vou concordar com a guerra. O título também fala sobre um argumento maior, que esses aviões gigantes estão lançando toneladas de armas homicidas, explodindo toda a merda em todo o mundo, com pessoas correndo por aí com armas. É um argumento de escala colossal”.

Para muitas músicas no disco "The Argument", a banda separou ou retrabalhou canções que já estavam escritas e criou esta oferta com trabalhos totalmente novos. Embora haja muitos destaques no álbum, a música "Full Disclosure" possui o seu tom único. São linhas de baixo funk rock e desequilibradas, as guitarras em espiral e agudas dos seus frontmen e toda uma gama de mudanças dinâmicas.

É possivelmente o som mais melódico que o FUGAZI já criou, com o refrão sendo uma melodia nebulosa, acessível e cativante.


* Fugazi: álbuns dos anos 90 que não ganharam muita importância em seu lançamento - Parte 1


* Fugazi: “deveria ter tocado trompa, pois sempre escuto na minha cabeça e passo para a guitarra"


* Ian MacKaye: entrevista da revista Rolling Stone com o frontman do Fugazi e Minor Threat

  • Facebook Social Icon
Mais Recentes
Destaques