top of page
  • by Brunelson

Rory Gallagher: guia para iniciantes; 06 canções definitivas de sua carreira


Rory Gallagher foi um músico de um tipo que o mundo não produz mais. Ele pertencia à geração em que a guitarra era a principal arma escolhida para destruir os costumes sociais profundamente arraigados da geração anterior e representava um novo mundo.

Além disso, Gallagher era um virtuoso em todos os sentidos da palavra.

Embora tenha falecido em 1995 com apenas 47 anos de idade, o irlandês ganhou legiões de fãs no mundo da guitarra. Ele ocupa o espaço dos guitarristas preferidos do seu guitarrista favorito.

Tecnicamente talentoso e discípulo do blues, Gallagher sempre permaneceu fiel às suas raízes enquanto a moda ao seu redor crescia ou diminuía. Intimamente associado à guitarra Fender Stratocaster e às escalas pentatônicas menores, a medida de Gallagher como guitarrista poderia facilmente ter sido considerado um blues nativo do sul dos EUA, em vez do idílio pastoral como cidadão da Irlanda.


A música de Gallagher tem um toque de misticismo celta inerente a ela, aumentado por sua voz latente. É como caminhar por um píer irlandês enevoado nas primeiras horas da manhã, depois de beber algumas garrafas de cerveja...

As suas primeiras influências incluíram Lonnie Donegan e alguns dos grandes rudimentares do rock, incluindo Buddy Holly, Eddie Cochran, Woody Guthrie e Leadbelly. Em uma entrevista ao canal britânico da BBC em 1991, ele revelou que a sua maior influência foi o inconfundível Muddy Waters.

Músico tradicional, Gallagher aprendeu o seu ofício experimentando com outros músicos em sua cidade natal. Ao lado da guitarra, na adolescência ele dominou também a guitarra slide, saxofone, baixo, bandolim e banjo, todos em vários graus de habilidade.

Depois de tocar em algumas bandas de pub irlandesas, Gallagher formou a poderosa banda power trio chamada TASTE em 1966. O grupo fez longas turnês, lançaram 02 álbuns de estúdio e se apresentava regularmente no icônico Marquee Club em Londres.


TASTE se separou em 1970, mas não antes de abrir o show final de outra banda power trio marcante da história do rock'n roll, CREAM, durante a despedida no Royal Albert Hall, Londres, e em seguida, fazer uma turnê pelos EUA com o novo supergrupo pós-CREAM de Eric Clapton, BLIND FAITH.

No entanto, foi depois da era TASTE que Gallagher fez a sua verdadeira marca na música.


Antes, ele era o segredo mais bem guardado da Irlanda e da Grã-Bretanha como músico, mas depois de 1970, quando embarcou em sua prolífica carreira solo, Gallagher receberia todos os aplausos que merecia. Ao lado de Van Morrison e da banda THIN LIZZY, ele também é creditado por abrir os olhos do mainstream para os músicos brilhantes que a Irlanda tinha a oferecer.

A esse respeito, ele foi um dos primeiros artistas internacionais que a Irlanda havia produzido.

Ao longo dos seus 14 álbuns solo lançados (02 são discos ao vivo), Gallagher viria e se estabeleceria por si mesmo. Começando com o disco de estreia de 1971, "Rory Gallagher", e terminando com o álbum "Fresh Evidence" de 1990 (12º disco), ele eletrizou o público em todo o mundo. Gallagher ainda teria a oportunidade de tocar com alguns dos seus heróis durante os anos 70, incluindo Jerry Lee Lewis, Lonnie Donegan e até mesmo Muddy Waters.

Outros guitarristas icônicos contados entre os seus fãs são Johnny Marr (THE SMITHS), Alex Lifeson (RUSH), Brian May (QUEEN) e Jimi Hendrix, para citar apenas alguns. O último até creditou Gallagher como o melhor guitarrista de todos os tempos.

Já o guitarrista do QUEEN, Brian May, tinha revelado que o som do icônico amplificador Vox AC30 ao qual ele está intimamente associado, foi na verdade usado pela primeira vez por Rory Gallagher. Foi esse elemento de som do irlandês que influenciou o guitarrista do QUEEN a selecionar as suas peças de equipamento para colorir a sua sonoridade característica.

No decorrer da história, várias artistas e bandas fizeram declarações e referências a importância de Rory Gallagher - talvez um dos mais subestimados de todos. Eric Clapton creditou a ele por "me trazer de volta ao blues". O grupo ROLLING STONES queria que ele substituísse Mick Taylor e quando Jimi Hendrix foi questionado sobre como era ser o melhor guitarrista do mundo, ele respondeu: “Eu não sei, vá perguntar a Rory Gallagher”.



Com essas introdução e sem nenhuma ordem específica, segue o guia para iniciantes para conhecer de forma ampla a carreira solo de Rory Gallagher (não desmerecendo em nada a incrível banda TASTE):

Música: "A Million Miles Away"

Álbum: "Tattoo" (4º disco, 1973)

Onde mais, senão começar com uma das canções mais conhecidas e amadas de Rory Gallagher?

À medida que Gallagher lança algumas harmonias em boa medida, a música adquire uma vida de blues - mas este não é um número de blues comum.

Apresentando alguns dos licks mais icônicos de Gallagher, a canção "A Million Miles Away" é um dos melhores exemplos de sua qualidade como guitarrista e compositor.

Ela contém algumas de suas letras mais clínicas de blues, no entanto, o refrão da música é o momento de destaque. Um barulho estrondoso e cacofônico leva a música a um crescendo arrepiante.

Apresentando o seu refrão narcótico, pode-se imaginar uma briga de bar se desenrolando em câmera lenta da forma como a canção termina, além de apresentar um baixo estrondoso e metais desequilibrados.


Música: "Philby"

Álbum: "Top Priority" (8º disco, 1979)

Para aqueles de vocês com grande interesse na história da Guerra Fria, o nome Philby pode soar como um alerta. A pessoa que deu nome e assunto a este clássico de 1979 foi ninguém menos que Kim Philby, o mais famoso Agente Duplo Soviético da Grã-Bretanha.

Este número de hard rock com a guitarra suja e difusa de Gallagher, também contém um dos seus solos mais concisos já feitos.


No entanto, este não é um solo de guitarra...

Em uma estranha justaposição ao tema monocromático, Gallagher nos transporta para a Índia com o seu incrível solo de cítara elétrica. Em certo sentido, Gallagher mostra-se o progenitor de bandas e artistas que viriam a utilizar esse instrumento anos depois.


Música: "Bad Penny"

Álbum: "Top Priority" (8º disco, 1979)

A canção "Bad Penny" é possivelmente o riff mais instantaneamente reconhecível de Gallagher.


É muito a cara dos anos 70 e que adoramos.

Apresentando todas as características clássicas de Gallagher, como os seus vocais corajosos, tom de guitarra escaldante e grande refrão, a entrada da música é uma das marcas mais duradouras de Rory Gallagher.


Música: "I Fall Apart"

Álbum: "Rory Gallagher" (1º disco, 1971)

Lançada em seu álbum solo de estreia, a canção "I Fall Apart" é sem dúvida um dos seus melhores momentos.


Mostrando sinais dos seus heróis folk britânicos, como Bert Jansch e Richard Thompson, a música é tingida de jazz e tem mais em comum com o som dos anos 60 do que da nova década que estava começando.

A canção quebra em um dos movimentos de guitarra mais interessantes de Gallagher - um solo melódico, mas rápido. Você pode ouvir como Gallagher também influenciou vários músicos que surgiriam no futuro com o seu uso de dedilhados rápidos usando a alavanca, em conjunto com a sua emocionante progressão de acordes.


Música: "Tattoo’d Lady"

Álbum: "Tattoo" (4º disco, 1973)

Sendo a canção que abre esse álbum, ela começa com uma vibração descontraída antes de entrar num ritmo que lembra o ROLLING STONES no refrão.

Aqui, vemos Gallagher aplicando a sua dinâmica, o que realmente contribui para o efeito sonoro da música. Novamente, ele apresenta todos os elementos de sua marca registrada, como a sua voz rouca, guitarra uivante e tudo mais.

Gallagher era certamente bem versado no blues, despejando alguns licks clássicos do gênero.


Música: "I’m Not Awake Yet"

Álbum: "Deuce" (2º disco, 1971)

"I’m Not Awake Yet" é uma de suas músicas mais tradicionais.


Assim como o álbum, a canção apresenta elementos de folk e jazz com um som abertamente celta. É uma peça hipnótica que se desdobra em uma jam, como se estivéssemos sentados em um pub na sua cidade natal assistindo a banda tocar.

Os vocais de Gallagher ficam mais atrás aqui, já que a música é quem realmente fala. É importante notar que a linha do baixo é brilhante, possui um toque retumbante e psicodélico que poderia facilmente ter sido um movimento do GRATEFUL DEAD ou do 13th FLOOR ELEVATORS.

Em 1997, comentando sobre o efeito que o álbum "Deuce" teve em sua vida, o guitarrista Johnny Marr havia dito: “No dia em que eu estava conseguindo tocar junto com o álbum 'Deuce', foi uma virada completa pra mim como guitarrista”.

Com a sua complexa guitarra, essa música é um clássico subestimado.


Comentarios


Mais Recentes
Destaques
bottom of page