top of page
  • by Brunelson

Smashing Pumpkins: frontman escolhe o seu disco preferido do Led Zeppelin


O nascimento do heavy metal aconteceu gradualmente ao longo do tempo e não pode ser atribuído apenas a uma banda. No entanto, uma série de atos contribuíram para o desenvolvimento do gênero.

Billy Corgan, vocalista/guitarrista do SMASHING PUMPKINS, sente que o LED ZEPPELIN foi crucial e estabeleceu os “projetos” do que se tornaria heavy metal no futuro.


Quando o LED ZEPPELIN se formou, o heavy metal ainda estava para se tornar um gênero e eles eram apenas uma banda de rock 'n' roll que gostava de flertar com o blues. Ao longo de mais de 01 década juntos, o LED ZEPPELIN desenvolveu o seu som e introduziu uma onda de novas ideias no léxico musical e que ainda podem ser ouvidas na música até hoje.

Durante uma entrevista concedida ao site Music Radar quando foi perguntado sobre os seus álbuns preferidos de heavy metal, Corgan controversamente nomeou o álbum de 1975 do LED ZEPPELIN, "Physical Graffiti" (6º disco), apesar da banda não ser um grupo de metal tradicional e conforme suas entrevistas, não gostar de ser rotulado como tal.

Corgan está ciente de que o LED ZEPPELIN não é uma banda de metal, mas ele sentiu que era certo conceder os créditos aos antepassados da cena.

“É difícil chamar o LED ZEPPELIN de metal, mas eles criaram projetos diferentes que ainda estão sendo usados na 'terra dos riffs' do metal. Eu amo esse álbum do LED ZEPPELIN porque é tão sombrio e a música ‘In My Time of Dying’ é tão pesada quanto qualquer coisa lançada. Talvez não na forma ‘pesado’ pesado, mas emocionalmente eu digo...”

Enquanto isso, em outra entrevista passada para a revista Rolling Stone, Corgan já havia falado sobre o seu amor pelo LED ZEPPELIN, citando os melhores guitarristas na história do rock: “Jimmy Page me vem à mente, sendo que eu o conheci uma vez. Quando você pensa no que Jimmy Page criou, é meio alucinante de analisar. E quando você está conversando com ele, há uma qualidade mística ao redor do seu ser".

“Ainda há algo nele, sabe? Quer seja feérico ou travesso, há uma alegria em seu espírito que ainda está lá. Quando você pensa na música do LED ZEPPELIN, a guitarra dele é quase como um vocal principal, então, é como se você tivesse 02 vocais principais numa banda, o que é meio que uma insanidade do LED ZEPPELIN".

Na mesma entrevista, Corgan elogiou ainda mais a banda e falou sobre como ele "sempre respeitou" o LED ZEPPELIN por encerrar as atividades logo no 1º dia depois do falecimento de John Bonham (baterista).

Ele acrescentou: “Quando John Bonham morreu, eles anunciaram que a banda tinha acabado e eles nunca haviam dado um passo para trás e repensaram sobre isso. Sempre respeitei essa decisão porque ele era como um irmão para eles e eles sabiam que não seria a mesma banda sem ele... Sabe, eu tive que aprender essas lições da maneira mais difícil na minha carreira”.

Corgan continuou, se referindo a si mesmo como exemplo: “Quando Jimmy Chamberlin (baterista) teve que se retirar do SMASHING PUMPKINS em 1996, eu pensei: 'Vou arranjar alguém. A banda é grande e vamos encontrar alguém ótimo. Não será a mesma coisa, mas será igualmente bom só que de uma maneira diferente', mas as coisas simplesmente não funcionam assim. Você simplesmente não substitui o seu irmão assim tão fácil".

Embora o LED ZEPPELIN nunca tenha declarado ser uma banda de metal, eles inadvertidamente desempenharam um papel vital em fazer o gênero ser exposto ao mainstream, mesmo que não percebessem isso na época. O impacto do LED ZEPPELIN na indústria da música pode ser sentido em muitas áreas, não apenas no metal, por isso eles são, sem dúvida, uma das bandas mais influentes de todos os tempos.


"In My Time of Dying"


Comments


Mais Recentes
Destaques
bottom of page