• by Brunelson

Neil Young: qual música é em homenagem ao falecido guitarrista da banda, Danny Whitten?


Alguns compositores são talentosos o suficiente para deixar as palavras e notas fluírem e acenar adeus às pessoas queridas quando atingem o éter e não residem mais em suas almas.

Isso geralmente permite que o cantor fique, pelo menos em algum aspecto, desvinculado de um conteúdo físico/existente. Assim, músicas que podem ter vindo de um momento sombrio de suas vidas podem viver na atmosfera e longe do ponto sensível de onde vieram.

Neil Young é um desses compositores e há uma música (dentre várias do seu catálogo) que nos emociona.

A clássica canção, "The Needle and The Damage Done", é uma das músicas mais queridas de Young. Uma canção não apenas escrita sobre o perigo do uso de drogas pesadas, mas uma música escrita em reflexo do efeito debilitante da droga em seu confiável colega de banda, CRAZY HORSE, o guitarrista Danny Whitten.


Esta canção está envolvida na dor e miséria causadas pelo estilo de vida vacilante de Whitten e como Young se sentiu responsável por isso.

Tirada do monumental álbum de 1972, "Harvest" (4º disco), esta é possivelmente a melhor música antidrogas que você já ouviu. Considerando que foi escrita no início dos anos 70, a ideia era sobre um assunto arriscado na época. Inspirado pelo vício em heroína de Danny Whitten e aqueles ao seu redor, Young permite que a sua dor se torne uma mensagem para o futuro.

Young sempre afirmou que Whitten era a sua alma gêmea musical, mas o vício de Whitten levou a melhor sobre ele, o qual sucumbiu a uma overdose na noite em que Young o demitiu de sua banda de turnê. É uma das histórias mais tristes do rock and roll, pois Young estava em turnê e contratou a banda CRAZY HORSE como apoio (acompanha Neil Young até hoje), mas Young foi ficando cada vez mais irritado com o comportamento de Whitten.

Claramente chegando a um ponto sem retorno, o vício em heroína de Whitten havia aumentado para um nível irreprimível. Nos ensaios, Whitten estava tão chapado que mal conseguia segurar a sua guitarra.


Na época, Young era um dos compositores mais reconhecidos de sua geração e a sua paciência havia se esgotado. Ele demitiu Whitten no meio da turnê e deu a ele U$ 50 dólares para se internar numa clínica de reabilitação e o colocou em um avião para Los Angeles. Quando o guitarrista pousou em Los Angeles, mais tarde o mesmo teve uma overdose de álcool e Valium, matando-o aos 29 anos de idade e levando um pedaço de Neil Young com ele.

Observado no livro "Neil Young - Long May You Run: The Illustrated History", Young falou sobre a morte de Whitten: “Eu me senti responsável, mas na verdade mesmo, não havia nada que eu pudesse fazer. Quero dizer, ele era o responsável por si próprio, mas por muito tempo pensei que eu era o responsável. Danny simplesmente não estava feliz e tudo caiu sobre ele. Ele foi engolido pela heroína e foi muito ruim, porque Danny tinha muito ainda para oferecer... Era apenas um garoto e ele era muito bom na guitarra”.

Young sempre incluiu esta canção nos shows e ainda falou mais em seu livro: “Desde que deixei o Canadá, cerca de 05 anos atrás e me mudei para o sul, entendi muitas coisas que eu não sabia quando fui embora. Algumas delas foram boas e outras foram ruins. Conheci muitos grandes músicos antes deles se tornarem famosos, você sabe, quando eles estavam apenas tocando em barzinhos, e eu pude ver muitos grandes músicos que ninguém jamais conseguiu ver, por uma razão ou outra. Estranhamente, os realmente bons que você nunca viu foram embora por causa da heroína e isso começou a acontecer mais e mais. Então, com Danny aconteceu com alguém que todo mundo conhecia e eu apenas escrevi uma pequena música para ele”.


  • Facebook Social Icon
Mais Recentes
Destaques