• by Brunelson

Eric Clapton: guia para iniciantes; 06 canções definitivas de sua carreira


Eric Clapton é um artista difícil de se comparar devido à vasta quantidade de músicas que lançou ao longo de sua carreira começando nos anos 60.


Ele lançou 24 álbuns de estúdio, 14 discos ao vivo e 06 álbuns de trilha sonora como artista solo, sem nem mesmo incluir os seus lançamentos com as bandas THE YARDBIRDS e CREAM.

“Clapton is God” já foi pintado com spray num muro em Londres, ficando registrada lá por um tempo considerável e viu ser elogiado constantemente mais do que nunca produzindo riffs sagrados.


Embora não estejamos acostumados a acreditar em tudo o que lemos, nesta ocasião vamos tomar como certo que Clapton é algum tipo de divindade da guitarra enviada do céu. Basta olhar para trás em seu currículo para ver algumas habilidades divinas e seu trabalho em vários atos diferentes, como no CREAM, BLIND FAITH e na sua própria carreira solo, provando repetidamente que é um fato inegável de ser um dos maiores guitarristas que já caminhou sobre a terra.

Clapton pode tocar blues, música popular chiclete ensolarada, rock psicodélico e está equipado para cobrir tudo o que está entre estes mundos - o que ele já fez. Há tanto para digerir da produção de Clapton ao longo do último meio século e muito mais, que pode ser um tanto opressor, afinal, este é o homem que surpreendeu Jimmy Page do LED ZEPPELIN quando o viu pela primeira vez ao vivo em ação.

“Neste dia de 1965, fui ver John Mayall & The Bluesbreakers no Pontiac Club, em Putney, Londres”, disse Jimmy Page uma vez em postagem na sua rede social. “Mostrou a magnífica maestria de Eric Clapton na guitarra de blues”, acrescentou. “Eric veio ficar em minha casa naquela noite, enquanto eu contava a ele sobre as gravações e o som da guitarra que eu estava obtendo do meu gravador e tocávamos juntos”, lembrou Page.

Se você sempre quis começar a escutar, mas simplesmente não sabia por onde começar, resolvemos fazer este guia para iniciantes de 06 músicas para conhecer o mundo sonoro de Eric Clapton:

Banda: CREAM

Música: "Sunshine of Your Love" (1967)

Os 02 anos que Clapton passou com o CREAM foram sem dúvida uns dos mais frutíferos de sua carreira, apresentando aquela química junto com Jack Bruce e Ginger Baker quase fraterna. A canção "Sunshine of Your Love" não pode ficar de fora de qualquer lista para a qual ela se qualifica, sendo um verdadeiro clássico genuíno.

Este também foi o maior sucesso comercial do CREAM e a sua 1ª canção que fez mais sucesso nos EUA do que no Reino Unido, quando os EUA começaram a se apaixonar pela marca do rock 'n' roll que Clapton, Bruce e Baker, estavam batendo como se não houvesse amanhã.


Banda: CREAM

Música: "White Room" (1968)

CREAM esteve em atividade por apenas 02 anos, mas o que esse power trio conquistou naquela época ficou marcado na história do rock. Esta música tem sido frequentemente elogiada como uma das melhores da década de 60 e o poder que Clapton tinha na guitarra, Ginger Baker na bateria e Jack Bruce no baixo, geravam um forte impacto em sua estrutura minimalista.

Em 1968, realmente não havia muitos guitarristas mais respeitados do que Eric Clapton - excluindo as formas óbvias de Jimmy Page e Jimi Hendrix - onde ele entrega uma versão escaldante para esta música.

Embora o esforço tenha sido, é claro, um projeto holístico e mostrou o talento de todos os membros da banda, é a performance de Clapton que brilha mais aqui.


Banda: Derek & The Dominos

Música: "Layla" (1970)

Após o fim do CREAM, o próximo passo para Eric Clapton foi formar um novo grupo chamado Derek & The Dominos. Eles podem ter lançado apenas 01 álbum durante o seu tempo, mas nesse disco foi lançada a canção "Layla".

Claro, nenhuma lista de Clapton estaria completa sem a sua ode a Pattie Boyd (então esposa do seu amigo George Harrison), que se tornou no número clássico do rock.

Eric Clapton Música: "Cocaine" (1977) Apesar do que é amplamente assumido, a canção é na verdade destinada a ter uma mensagem anti-cocaína que ressoou em Eric Clapton. É uma das razões pelas quais ele escolheu fazer um cover desta canção originalmente escrita e interpretada por JJ Cale em 1970. E ele fez exatamente isso de maneira esplêndida em 1977. As letras são sobre o vício em drogas, que desempenhou um grande papel na vida de Clapton e assim como ele explicou em sua autobiografia - na parte de quando gravou esta música - ele finalmente deixou o vício de heroína, mas começou a preencher esse vazio recorrendo ao consumo excessivo de álcool, bem como a cocaína - era um hábito que ele sabia que precisava abandonar. “Não é bom escrever uma canção deliberadamente antidrogas e esperar que pegue no público”, escreveu Clapton. “Porque o geral é que as pessoas ficarão chateadas com isso. Ficaria perturbador se alguém enfiasse algo a força em sua garganta, portanto, a melhor coisa a fazer é oferecer algo que pareça ambíguo que, no estudo ou na reflexão, realmente possa ser visto como 'anti', já que a música 'Cocaine' é na verdade uma música anti-cocaína”.

Eric Clapton Música: "Wonderful Tonight" (1977)

Eric Clapton compôs esta canção em 1976 enquanto esperava que a sua namorada (e futura esposa), Pattie Boyd, se preparasse para uma saída à noite.


A música é apenas a sua reação de cair o queixo à beleza dela naquele momento. Eles estavam participando de um tributo a Buddy Holly que Paul McCartney organizava todos os anos com Linda McCartney, sendo que naquela noite, fez com que Clapton escrevesse a sua melhor canção de amor.

Eric Clapton Música: "Tears in Heaven" (1992) Esta canção nasceu de uma tragédia verdadeiramente impensável que Eric Clapton sofreu e que virou a sua vida de cabeça pra baixo.

Clapton escreveu estas letras e música sobre o seu filho de 04 anos de idade, Conor, que morreu em 1991 quando caiu de uma janela do 53º andar do apartamento onde a sua mãe estava hospedada na cidade de New York. Clapton escreveu em sua autobiografia de 2007 sobre esta canção: “A mais poderosa das novas músicas foi 'Tears in Heaven'. Musicalmente, eu sempre fui assombrado pela música de Jimmy Cliff, 'Many Rivers to Cross', e queria pegar emprestado essa progressão de acordes, mas essencialmente escrevi as letras para fazer a pergunta que vinha me fazendo desde a morte do meu avô: 'Nós realmente nos encontraremos de novo em algum lugar?' É difícil falar sobre essas músicas em profundidade... É por isso que são músicas”. Clapton continuou, falando sobre esta canção: “O seu nascimento e desenvolvimento foi o que me manteve vivo durante o período mais sombrio da minha vida. Quando tento voltar àquela época e relembrar a terrível dormência em que vivia, eu recuo de medo. Nunca mais quero passar por nada assim... Originalmente, essas canções nunca foram feitas para publicação ou consumo público, elas foram apenas o que eu fiz para parar de enlouquecer. Tocar pra mim mesmo, repetidamente, mudando ou refinando-as constantemente, até que fizessem parte do meu ser”.


  • Facebook Social Icon
Mais Recentes
Destaques