• by Brunelson

Wipers: entrevista e resenha sobre o álbum "Is This Real" pela revista Rolling Stone


Em uma rara entrevista, o vocalista/guitarrista da banda WIPERS, Greg Sage, relembrou o disco de estreia da sua banda, "Is This Real" (1980), que foi relançado recentemente e inspirou simplesmente grupos de rock como o NIRVANA, MUDHONEY, HOLE e inúmeros outros.


O power trio punk rock da cidade de Portland, fez o seu primeiro show em sua cidade natal, abrindo para alguns grupos de new wave da California em 1978.


O vocalista da banda POISON IDEA, Jerry Lang, então com 15 anos de idade, estava na platéia e quando o WIPERS subiu ao palco, ele não tinha certeza o quê pensar deles: “WIPERS não estavam muito na moda, no que diz respeito ao punk”, lembra Lang. “Eles não estavam vestidos com uniformes punk - cabelo espetado ou alfinetes - então, a multidão não estava muito louca por eles”.


Mas quando eles começaram a tocar as suas cativantes músicas originais, “tudo mudou naquela noite para mim” complementa Lang.


“Eles derrubaram tudo”, Lang continua. “As músicas deles eram como pequenas bombas. Assim que começaram a jogar, todo mundo soube imediatamente que uma nova banda estava chegando”. Lang agora estima que viu o WIPERS em Portland mais do que qualquer outra banda em sua vida e alguns anos depois daquele show, ele se rebatizou como Jerry A. e co-fundou o seu próprio grupo de punk rock, POISON IDEA.


Alguns anos depois, WIPERS também virou de forma semelhante o mundo de alguns adolescentes de Seattle, como Steve Turner e Mark Arm (futuros guitarrista e vocalista do MUDHONEY). Eles conseguiram uma cópia do 2º disco do WIPERS, o sombrio e barulhento "Youth of America" (1981), se apaixonaram pelo lado bruto da banda e foram ao seu primeiro show do WIPERS em 1984.


“Eles eram uma banda muito intensa”, lembra Turner. “Era Greg Sage na frente e ele dizia uma linha antes de cada música e o baixista ficava atrás, parado e estático, mas era um som intenso de condução”. Naquele ano, Turner e Arm co-fundaram o grupo grunge seminal de Seattle, GREEN RIVER, inspirando-se no WIPERS e em algumas outras bandas punk locais - sendo que só depois viriam a formar o MUDHONEY.


Alguns anos após a formação do MUDHONEY, o fã campeão mais ardente do WIPERS, Kurt Cobain, nomeou somente o WIPERS quando um jornalista lhe perguntou o que influenciou o som do NIRVANA: “Eles são a banda de punk rock mais inovadora que deu início ao ‘som de Seattle’ 15 anos antes do tempo”, disse Cobain numa entrevista em 1990. “Aprendemos tudo com o WIPERS. Eles tocavam uma mistura de punk rock e hard rock quando ninguém se importava com eles”.


No espaço de pouco mais de 01 década, WIPERS influenciou três gerações de grupos punk rock, hard rock e grunge. “Eu nunca gostei de classificações”, Greg Sage havia dito nesta atual entrevista para a revista Rolling Stone. “Não éramos considerados punk porque não tentamos ser. Sempre gostei de usar flanela velha e acho que foi a minha declaração de moda ao estado do Oregon. Eu fui um garoto rebelde durante toda a minha vida e sempre faria exatamente o oposto do que as pessoas diziam que eu deveria fazer para me encaixar”.


Embora a vida útil do WIPERS poderia ter sido maior, a sua atitude insatisfeita e estética atraíram uma base de fãs leais enquanto eles habilmente evitavam o sucesso mainstream, com álbum após álbum sendo lançados na década de 80 com ansiosas canções punk e perfeitamente elaboradas.


No vigoroso e melodioso álbum de estreia de 1980, "Is This Real", Sage muitas vezes soa como o homem em meio a um colapso nervoso, lascando a sua guitarra e tentando desesperadamente dar sentido à sua vida em explosões curtas e agridoces.


Sobre a propulsiva música "Mystery", ele canta: "Eu sempre tento imaginar / Como deve ser a sensação de ser real", e ele se equilibra em agonia e esperança na canção "Tragedy", cantando: "Você é uma tragédia / Mas nunca se vá, oh, não”, através de acordes esperançosos.


Dependendo de como ele abordou uma determinada música, a voz de Sage pode soar confusa e vulnerável ou francamente torturada, como na canção "Return of The Rat". Você pode sentir o quão nervoso ele atacou as cordas vocais, mas por mais alienado que Sage possa ter se sentido, ele escreveu músicas que você gostaria de cantar junto e elas ressoaram profundamente nos futuros fãs e seguidores do WIPERS.


NIRVANA simplesmente apresentava 02 covers do álbum "Is This Real" - diga-se de passagem, interpretações fiéis das canções "Return of The Rat" e "D-7" - sendo esta última das quais agora soa como uma obra de arte do NIRVANA em plena angústia taciturna e raiva de estalar o crânio, que Cobain canalizou no disco "Nevermind" (2º disco do NIRVANA, 1991).


O guitarrista do GREEN RIVER e MUDHONEY, Steve Turner, chama o WIPERS de um dos "blocos de construção fundamentais" do som do MUDHONEY e acrescenta que eles costumavam se referir a sua própria música barulhenta e pesada, "No One Has", como "The Wipers Song".


MUDHONEY até implorou a Sage para produzir as suas primeiras gravações, mas ele recusou.


O vocalista Jerry A. com o seu POISON IDEA prestaram homenagem com um cover acelerado da canção "Up Front" deste mesmo disco de estréia e durante os últimos 40 anos que este álbum possui, bandas como MELVINS, HOLE, PAVEMENT, RED HOT CHILI PEPPERS e outras, já fizeram covers de músicas do WIPERS, mantendo a banda viva bem depois que se retiraram dos olhos do público em 1999.


Sage aprecia como a sua música continuou a ressoar por décadas: “Acho que as pessoas que cresceram nessas épocas podiam se relacionar”, diz ele. “Eu coloquei muitas emoções intensas em algumas das músicas porque era isso que estava pegando em muitas pessoas naquela época, mas parece que algumas pessoas mais jovens de hoje também podem se relacionar com o que estão experimentando no mundo atual”.


E Sage deu a sua bênção para o relançamento em edição limitada do 40º aniversário do álbum "Is This Real", que foi lançado neste sábado passado, 29 de agosto de 2020, especialmente para o Record Store Day.


Sage agora mora no estado do Arizona, cuida do legado do WIPERS que se formou em 1977 e encerrou as atividades em 1999, onde lançaram 09 álbuns de estúdio. Sage também administra a sua própria gravadora, Zeno Records, e geralmente gosta da sua privacidade.


Mas por ocasião do relançamento do disco de estréia do WIPERS, Sage decidiu fazer uma rara exceção e se abrir sobre o legado deste álbum por meio de uma entrevista por e-mail para a revista Rolling Stone. Ele ignorou algumas perguntas - “Eu não sou bom em responder perguntas pessoais ou desabafar”, Sage explicou - mas ele também parecia gostar de refletir sobre o álbum mais influente e importante do WIPERS.


Em sua juventude, Sage era fascinado por gravar: “Eu cresci com o vinil”, diz ele. “Eu tinha uma coleção de vinis quando estava na escola e gravava fitas cassete para as crianças da minha escola. Aprendi muito fazendo isso e fiquei interessado em tocar um instrumento, então, eu pude colocar os meus próprios sons nas ranhuras".


Mesmo sendo destro, ele aprendeu sozinho a tocar violão para canhoto. Ele estimou que levou cerca de duas semanas para aprender o instrumento. Em 1971, aos 17 anos, ele tocou em um álbum de funk rock de Larry Pitchford. Ele formou o WIPERS com o baixista Dave Koupal e o baterista Sam Henry somente em 1977 e inventou o nome da banda depois de lavar as janelas de um cinema em Portland e perceber o quão mais claramente ele podia ver a cidade depois de limpá-las.


Após gravarem uma demo por conta própria numa mesa de 04 canais que Sage tinha, ele esperava fazer o mesmo com o disco "Is This Real" - e até mesmo chegou a gravar as músicas - mas uma gravadora com a qual ele estava trabalhando o convenceu a regravar todo o álbum num estúdio de gravação profissional no final de 1979.


“Eu estava planejando fazer o álbum na minha mesa de 04 canais”, falou Sage. “Eu estava totalmente de bem com isso, porque queria que fosse cru como nós éramos. De alguma forma, não foi bom o suficiente para algumas pessoas com quem trabalhamos e nos disseram que precisávamos gravá-lo num estúdio real. Foi quando comecei a perceber que nem sempre você pode fazer o que deseja no mundo da música”.


Mais tarde, ele reclamou que o estúdio parecia morto demais e se sentia enganado pelo contrato que assinou com a gravadora.


“Percebi daquele ponto em diante que tudo tinha que ser um meio-termo”, ele disse. “Se eu fosse uma pessoa rica com dinheiro, poderia ter feito melhor em algumas coisas, mas naquela época havia tantos 'chefs' tentando mexer no seu ensopado, sabe? Fui rotulado de ‘a ovelha negra da indústria’ apenas por tentar manter alguma independência”.


As versões originais das músicas do 1º disco que foram gravadas naquela mesa de 04 canais de Sage, refletem um som totalmente mais solto em comparação com as gravações feitas no estúdio. Sage deixa a sua voz tagarelar um pouco na música “Mystery” e se diverte com um sotaque falso-britânico na canção “Tragedy”.


Outras canções a destacar seria "Let’s Go Away" com uma vibe mais ao estilo dos RAMONES, com as suas clássicas linhas de condução da guitarra também acontecendo na faixa-título. A guitarra de Sage assume um tom mais tênue, como se estivesse trabalhando para ser ouvida e aumentando a sensação de drama da música. O que o inspirou musicalmente na época, porém, ninguém adivinha, já que ele falou na entrevista: "Eu realmente não ouvia muita coisa durante o tempo em que comecei a escrever e compor essas músicas". Apesar de suas reservas sobre as suas influências, Sage ainda aprecia as canções desse disco como um documento da sua "cápsula do tempo" da época.


“O final dos anos 70 e o início dos anos 80 foi uma transição no tempo, o final indo para o início de uma nova era”, Sage disse. “Acho que muita gente sentiu isso sem saber o que estava por vir. Eu percebia continuamente que isso causou uma sensação de incerteza e alienação em muitas pessoas. Foi daí que surgiram muitas das minhas ideias para essas músicas, sabe? Mesmo as pessoas que passavam por mim transmitindo essas emoções de uma forma poderosa, era como ver áureas, imagens e cores. Foi intenso, porque eu era muito precognitivo na minha juventude, onde tinha visões sobre o futuro e algumas sobre as quais escrevia”.


Embora seja fácil presumir que as músicas refletem os sentimentos pessoais de Sage - “Alien Boy” e “Let's Go Away” parecem ser canções sobre solidão, “Potential Suicide” é uma música que sugere uma crise de personalidade e as músicas “Up Front” e “Is This Real” poderiam resolver relacionamentos ruins - esse não era somente o significado do álbum.


“A minha vida era diferente de algumas das canções sobre as quais escrevi, mas elas eram algo com as quais eu poderia me relacionar”, diz ele. Em sua opinião, as suas canções “falavam principalmente daquela época, com um pouco de visões futuristas que eu vi”.


Uma exceção autobiográfica a essa regra, no entanto, foi a lenta e barulhenta canção "Potential Suicide". A raiva e a tristeza na voz de Sage enquanto ele canta esta música refletem a depressão que sentiu, além do solo invertido da guitarra sobre o qual ele canta também contribui para a turbulência.


“Sarcasticamente escrevi esta canção como vingança a todos os idiotas durante a maior parte dos meus anos na escola e além disso, seria com algo a qual sofri, dizendo: 'Se isso acontecesse comigo, eu me mataria'. Foi a pior forma de bullying que sofri e não teve nenhum efeito sobre mim além de me irritar. Eu também tive amigos que se mataram desde o ensino fundamental e era difícil entender que emoção os levavam a esse fim... Isso que com alguns deles eu fui a última pessoa com quem falaram, o que foi um sentimento muito alienante para mim”.


Sage disse que a canção “D-7” - cujo refrão ele canta "Dimension Seven" e referências a um alienígena chamado Zeno - “veio de uma experiência de outro mundo”, mas ele não vai falar sobre o que foi. "A minha vida foi um livro de ficção científica", mas ele também se inspirou em pessoas que conhecia.


A música “Alien Boy” e algumas outras canções vieram de conversas que teve com um amigo chamado James “Jim Jim” Chasse, que era esquizofrênico e mais tarde morreu brutalmente sob custódia da polícia em 2006. A história de Chasse foi posteriormente tema de um documentário, chamado "Alien Boy: A Vida e a Morte de James Chasse". “A maioria das canções tinham histórias específicas e às vezes amigos por trás delas que evoluíram para as músicas... A canção 'Alien Boy' é uma delas" e isso é tudo o que Sage fala sobre esta música hoje em dia.


Voltando ao início do WIPERS, Sage queria cultivar um ar de intriga sobre a banda. Quando eles se formaram, o seu plano nunca era dar entrevistas ou promover o grupo: “Eu queria fazer algo completamente diferente, ser ouvido, não visto e ser misterioso”, diz ele.


Esse desejo de esconder quem ele era, só foi adicionado à sua lenda.


Steve Turner lembra que depois do show do WIPERS em Seattle que ele e Mark Arm viram pela 1ª vez, Sage saiu do local como um estranho: “Quando o show acabou, eu me lembro de Greg Sage sozinho do lado de fora do clube Metropolis, meio que encostado e pensativo num prédio de tijolos”, diz ele.


Jerry A. compara Sage a um poeta francês: “Você pensaria que ele era uma pessoa tímida, mas era um gênio do rock & roll. Ele sempre teve essa personalidade de alguém que talvez seja mais informado do que eu ou você. Ele era um cara muito doce e caloroso, mas quando você o via, ele parecia uma pessoa distante”.


Voltando ao início, Sage se orgulhava de ser diferente.


O disco "Is This Real" foi dividido em lados “Pos” e “Neg” porque, diz Sage: "Lado A e Lado B eram tão tradicionais...” Ele também gostou do fato de que o WIPERS vieram (também) do noroeste do país e não de uma cena mais reconhecida.


“No final dos anos 70 e início dos anos 80, Portland era considerada uma cidade madeireira por muitos dos forasteiros da moda”, lembra ele. “Houve pessoas na indústria que nos imploraram para dizer que éramos de San Francisco ou New York, mas qualquer lugar menos que fosse Portland... Mas Portland era um ótimo lugar para crescer quando criança”.


“Eu estava orgulhoso deles, já que era uma coisa de cidade natal”, diz Jerry A. "Eu escrevia cartas para as pessoas, trocando fitas, discos e me lembro de contar às pessoas sobre o WIPERS, e as pessoas ficavam, tipo: 'WIPERS?' E eu falava: 'Aqui em Portland, você tem que ouvir a banda WIPERS. Eles são incríveis!' Então, quando este primeiro álbum foi lançado, eu pensava: ‘Finalmente as pessoas vão conhecer agora...' Eles já tinham lançado o single 'Better Off Dead' e foi ótimo, mas com o disco 'Is This Real' foi um álbum perfeito”.


Questionado sobre o que ele se lembra sobre os shows do WIPERS naquela época, Sage simplesmente falou: “Eles foram selvagens”, mas Jerry A. tem uma memória mais clara: “Os shows eram sempre suados, quentes e barulhentos”, diz ele. “Greg Sage parecia um rock & roll em sua bandana e jaqueta de couro rasgada. O baixista, Dave, tinha bigode, botões de sino, botas de cowboy e ficava totalmente parado parecendo um cara totalmente legal. Sam era um baterista incrível e ele poderia tocar qualquer coisa. Acho que eles o pegaram da escola de bateristas sincopados ou algo assim, porque ele era tipo um baterista de jazz e era ótimo. Eles eram apenas três caras do rock que conheciam as suas habilidades. Eles tocavam punk rock, mas era mais do que punk rock. Era punk rock como as bandas THE SONICS ou MC5”.


Até o fim da banda, Sage iria se tornar o único membro original do WIPERS. Sage lançou ao total 09 álbuns de estúdio do WIPERS, escolhendo o 5º disco, "Follow Blind" (1987), como o seu favorito da discografia, antes de encerrar com o lançamento do último álbum em 1999, "Power in One".


“Os tempos mudaram e as pessoas mudaram”, explica Sage sobre o último disco. “Achei mais difícil escrever do jeito que estava acostumado, mas eu não precisava parar de fazer música, eu apenas queria parar”, ele continua. “Foi difícil no início porque nunca desisti de nada, mas senti que havia feito o suficiente em mais de 20 anos e estava satisfeito com isso. Percebi que, para salvar a minha sanidade mental, seria melhor simplesmente parar do que continuar lutando para poder manter um pouco da minha independência”.


Sobre os tempos atuais do rock'n roll, Sage é direto: "É difícil encontrar bandas que sejam jovens como eu era quando entrei na música e que tenham talento para escrever e compor músicas únicas. Sempre achei que o termo 'música moderna' era uma coisa jovem, quero dizer, por abrir novas ideias e emoções para a geração deles, mas parece que está se tornando uma arte perdida”.


Sage pode ter se afastado de fazer música, mas o seu legado continua a florescer: “Se Greg Sage está seguindo o seu coração, está feliz e não se arrepende, então, eu o saúdo”, disse Jerry A. “Provavelmente ele está feliz e honrado que as pessoas estão fazendo covers de suas músicas… O álbum 'Is This Real' capturou um momento no tempo, sabe? É como olhar para uma flor e a sua beleza, tipo, você simplesmente não pode negar o que vê e o mesmo vale para o WIPERS. Você ouve isso e sempre estará lá. Sage deveria se orgulhar do que fez”.


Track-list do álbum "Is This Real", 1º disco do WIPERS lançado em 1980:


1. Return of The Rat

2. Mystery

3. Up Front

4. Let's Go Away

5. Is This Real

6. Tragedy

7. Alien Boy

8. D-7

9. Potential Suicide

10. Don't Know What I Am

11. Window Shop For Love

12. Wait a Minute


Confira os áudios das músicas "Return of The Rat" e "D-7" pela banda WIPERS, as quais o NIRVANA fazia cover:

"Return of The Rat"

"D-7"

Aproveitando, o 2º disco do WIPERS, "Youth of America" (1981), foi escolhido pela revista Rolling Stone como um dos 50 melhores álbuns do grunge de todos os tempos. Sabemos que o grunge ainda nem existia nessa época, mas a matéria é clara ao destacar que também foram selecionados os discos que influenciaram a turma grunge de Seattle e região nos anos 80.


Confira esta matéria que o site rockinthehead vêm publicando:


* Grunge: Top 50 melhores álbuns pela Revista Rolling Stone - nº 30

  • Facebook Social Icon
Mais Recentes
Destaques

2016 by RockInTheHead