• by Brunelson

Dave Grohl: equipamentos e técnicas de gravação usados para a bateria nos discos "Nevermind&quo


Embora ele rejeite o título, Dave Grohl é um deus vivo da bateria, que incentivou inúmeros bateristas a pegarem colheres de pau e panelas, para depois montarem as suas próprias baterias e concederem muitas alegrias!


Mas por que Dave Grohl tem capturado os corações de tantos amantes da música?


Nesta matéria que o site rockinthehead preparou, veremos o que compreende o som da bateria de Dave Grohl, mas focando somente nos 02 álbuns que quase instantaneamente o estabeleceram como um dos grandes bateristas do rock'n roll de todos os tempos: "Nevermind" e "In Utero" do NIRVANA.


Mas primeiro, um pouco de história...


Quando os anos 80 chegaram ao fim, o rock estava passando por uma crise de identidade. Durante anos, o cenário rock'n roll foi dominado por bandas como POISON, DEF LEPPARD e MOTLEY CRUE. Com as suas vestimentas com roupas de neon, cabelos armados e tratados com spray e rostos cheios de maquiagem, essas bandas formaram um ramo do hard rock e metal, conhecido como hair metal ou glam metal. A essência e mensagens do hair metal era sem desculpas hedonista, caracterizado por teatros exagerados no palco e sons super produzidos no estúdio.


Mas, no final da década, parecia que o público estava perdendo o gosto pelo hair metal e a sua presença começou a desaparecer lentamente das paradas da Billboard, criando um vácuo a ser preenchido por artistas pop e boy bands. No entanto, fora do mainstream, um movimento estava nascendo, formado por jovens músicos que evitavam a pompa e o artifício do hair metal e buscavam o que eles acreditavam ser uma forma mais honesta de rock'n roll, de forma urgente, crua e imperfeita.


Bandas como PIXIES, SONIC YOUTH, HUSKER DU e MELVINS, dominaram a imaginação do público e de aspirantes a músicos em busca de uma alternativa ao glam rock. Em Seattle, a influência dessas bandas se fixou firmemente, inspirando uma mudança musical e cultural.


A flanela substituiu o spandex.


Os músicos estavam se apresentando de jeans e roupas normais que você usaria para andar de skate e foi nesse ambiente que o NIRVANA foi incubado, onde eles e as demais bandas de Seattle levaram essa atitude ao mainstream, redefinindo o processo musical, cultural, cognitivo e histórico do rock'n roll.


Como muitos fãs do NIRVANA sabem, Grohl não foi o primeiro baterista da banda de Kurt Cobain. De fato, até à entrada de Grohl ao NIRVANA, no mínimo já tinha passado pelo banquinho da bateria 05 bateristas (considerei Dan Peters, do MUDHONEY, que quebrou o galho em 01 show para a banda).


O primeiro disco do NIRVANA, "Bleach" (1989), foi gravado quase que inteiramente com Chad Channing na bateria, que também tocaria nas futuras gravações no Smart Studio em 1990 e que geraria a demo com algumas músicas que seriam regravadas para o álbum "Nevermind". Mas quando Kurt Cobain e Krist Novoselic viram Dave Grohl no palco tocando com o seu grupo na época, SCREAM, eles sabiam que tinham que recrutá-lo.


Indiscutivelmente, foi essa decisão que ajudou a levar o som do NIRVANA para o próximo nível.


Dave Grohl é um baterista autodidata com um estilo distinto. Ele é um músico notoriamente forte que ataca todas as partes do kit da bateria - mas o seu estilo não é definido apenas pelo poder. Antes de mudar para a bateria, Grohl era basicamente um guitarrista e compositor, então, quando se sentou atrás da bateria, ele se aproximou como um instrumento melódico, criando ganchos rítmicos e sempre servindo à música em primeiro lugar - para só depois demonstrar toda a sua habilidade.


Dentre várias participações como baterista em bandas como FOO FIGHTERS, QUEENS OF THE STONE AGE e THEM CROOKED VULTURES (citando somente algumas), resolvemos fazer uma singela análise de alguns equipamentos e técnicas de gravação relacionadas ao som da bateria de Dave Grohl, somente nos álbuns "Nevermind" e "In Utero" do NIRVANA - claro, com o componente principal do som da bateria de Dave Grohl que é ele mesmo!


Durante os seus anos no NIRVANA (1990 à 1994), Grohl preferiu os kits de bateria da marca Tama, fossem eles dos modelos: Tama Granstar, Tama Granstar II e Tama Artstar II, com uma caixa Superstar ou Artwood. De acordo com os técnicos de bateria do NIRVANA, Barrett Jones e Mike Dalke, os kits de Dave apresentavam a seguinte configuração:


Caixa de: 8 x 14 polegadas

Tom de rack de: 14 x 15 polegadas

Tom de chão de: 16 x 18 polegadas

Bumbo de: 16 x 24 polegadas


Basta dizer que Dave gosta de uma bateria enorme! O tom de rack de 14 x 15 polegadas é definitivamente um destaque, assim como o bumbo maior de 24 polegadas. No entanto, vale a pena notar que o bumbo tem uma profundidade relativamente rasa de 16 polegadas. Pode parecer contra-intuitivo, mas um chute mais baixo tende a produzir um som maior, porque é preciso menos esforço para empurrar o ar através do tambor, permitindo que ele se abra e produza um tom mais forte com uma ressonância de ponta mais concentrada. John Bonham (LED ZEPPELIN) também preferia um bumbo raso e, como Dave, é reverenciado por seu som épico de bumbo.


Para os seus pratos, Dave usou exclusivamente da marca Zildjian, equipando o seu kit com um passeio de Zildjian As de 22 polegadas, outro de 18 polegadas, outro de 20 polegadas e o chimbal de 15 polegadas, todos montados na estrutura da Tama - com uma exceção.


Grohl gostava de manter o chimbal na altura da cabeça e confiava em uma estrutura personalizada da marca Sonor, que Barrett Jones diz ser o único que era alto o suficiente para atender ao desejo de Grohl.


Dave escolhia as peles de bateria da marca Remo para tudo, exceto para a caixa, que foi equipada com uma pele da marca Aquarian Hi-Energy para suportar a técnica pesada de tocar de Grohl, que ficou ainda mais pesada pela preferência de Dave por tocar com baquetas 5B e 2B (muitas vezes tocava com a parte de trás das mesmas, que é mais grossa).

NIRVANA teve um pequeno sucesso com o disco "Bleach". Produzido pela lenda Jack Endino e lançado na gravadora independente de Seattle, Sub Pop, o álbum chamou a atenção dos críticos de música e vendeu uma quantidade respeitável de cópias para uma banda independente. Fizeram algumas turnês americanas e européia para divulgar o disco, com as suas músicas sendo tocadas nas rádios das universidades e angariando mais pessoas para o público underground que o NIRVANA já tinha conquistado.


Para o seu 2º álbum lançado em 1991, "Nevermind", e que dispensa comentários, NIRVANA se uniu ao produtor Butch Vig. Ele já tinha trabalhado naquelas demos no Smart Studios e Cobain tinha gostado do trabalho de Butch, além de ter ficado impressionado com a produção que Butch havia feito com a banda KILLDOZER, um grupo de hardcore da cidade de Madison, Wisconsin.


Quando Kurt Cobain, Krist Novoselic e Chad Channing se aventuraram no Smart Studios (propriedade de Butch Vig) que gerou as demos do disco "Nevermind", em cinco dias eles gravaram 08 músicas. Embora apenas 03 destas gravações foram lançadas oficialmente - as músicas "Polly" (em "Nevermind"), "Dive" (em "Incesticide") e o cover do VELVET UNDERGROUND, "Here She Comes Now" (no single tributo junto com o MELVINS), o material foi forte o suficiente para despertar o interesse de grandes gravadoras, incluindo a David Geffen Company (DGC), que assinou com a banda e pediu para que as outras músicas desta gravação no Smart Studios fossem regravadas para o disco "Nevermind".


Os executivos da gravadora e o pessoal de relações públicas da Geffen, sugeriram vários produtores que poderiam trabalhar no 2º álbum do NIRVANA, mas Kurt e Krist insistiram em trabalhar com Butch Vig, que ainda tinha que conhecer o baterista Dave Grohl - que não estava na banda naquelas gravações no Smart Studios.


Quando Butch ouviu as fitas de ensaio que a banda lhe enviou antes da gravação, ele ficou impressionado com a poderosa bateria de Dave e reconheceu instantaneamente o impacto que teve na banda. A colaboração entre Butch e Dave no disco"Nevermind" levaria a um dos sons de bateria mais celebrados na história do rock - devido também a acústica lendária do Sound City, estúdio na California onde foi gravado o álbum "Nevermind".


Embora visualmente despretensioso, o Sound City tinha uma história rica de ótimas gravações de artistas e bandas como FLEETWOOD MAC, Tom Petty, Neil Young, Pat Benatar e inúmeros outros. Em 2013, Dave Grohl fez a sua estréia na direção com um documentário sobre o Sound City, que é obrigatório para todos os amantes da música.


Conforme relatado no documentário Sound City, a sala do estúdio era conhecida por ter um ótimo som de bateria, que vinha do acaso e não pelo design. Butch Vig e Dave Grohl atestam que o efeito do Sound City no som da bateria no disco "Nevermind" não pode ser subestimado. O estúdio também abrigava um console de gravação da marca Neve 8078 personalizado, que desempenhou um papel importante nos sons das músicas do álbum "Nevermind".


Na verdade, Dave ficou tão apaixonado pela mesa, que a comprou para o seu estúdio pessoal quando o Sound City foi vendido e que também é detalhado no seu documentário.


Segundo Butch Vig, microfonar o kit da bateria de Dave para o disco "Nevermind" era um assunto simples, onde ele utilizou microfones comuns de estúdio. Confira:


P/ Pedal do Bumbo: AKG D12 e Neumann U 47 FET

P/ Caixa: Shure SM57 e AKG C 451

P/ Chimbal: Neumann KM 84

P/ Tons: Sennheiser MD 421s

P/ Aéreos: par estéreo AKG C414

P/ Ambiente: par estéreo Neuman U 87, a 6 metros do kit da bateria de Dave


AKG D12

Neumann U 47 FET


Butch Vig empregou uma técnica não tradicional de microfonagem, usando um túnel para o bumbo. Um túnel para o bumbo é exatamente o que parece - um túnel que se estende para fora do bumbo, cujo objetivo é capturar os tons mais graves e minimizar o vazamento. O túnel para o bumbo usado no disco "Nevermind" foi construído a partir de duas grandes caixas de bateria coladas e um fino cobertor sobre o espaço entre o bumbo e o pedal do bumbo. Butch colocou o microfone AKG D12 (foto) dentro do túnel, com cerca de 01 a 01 metro e meio de altura, e colocou o microfone Neumann U 47 FET (foto) no final do túnel.


Depois que a sessão de gravação foi concluída, as fitas foram enviadas para o engenheiro de som Andy Wallace - uma lenda por si só - que teve uma grande influência no som do rock nos anos 90 com várias outras bandas. Ao longo dos anos, tem havido alguma discussão sobre se Andy usou ou não "recursos" para engordar a bateria de Dave Grohl no disco "Nevermind".


Butch Vig, entre outros, dissipou amplamente esses rumores.


No momento em que o NIRVANA embarcou para gravar o seu último álbum de estúdio em 1993, "In Utero", eles já eram um fenômeno internacional, ultrapassando Michael Jackson em janeiro de 1992 para ocupar o 1º lugar na Billboard. Algum tempo após o lançamento do disco "Nevermind", Kurt Cobain decidiu que não se importava mais com este álbum, acreditando que a gravação do mesmo ficou muito polida e unidimensional.


Para "In Utero", Cobain queria criar um disco que fosse cru, chocante e agressivo. Então, ele e o grupo recrutaram Steve Albini, que produziu álbuns assim para o PIXIES, PJ Harvey e THE JESUS LIZARD.


Por sugestão de Steve Albini, a sessão foi agendada no Pachyderm Studio na cidade de Cannon Falls, Minnesota - uma instalação isolada no meio da neve a 80 quilômetros da cidade de Minneapolis e que tinha uma casa na propriedade onde a banda poderia ficar. A lógica para escolher o Pachyderm era eliminar as distrações da banda, para que eles pudessem se concentrar no processo criativo - além de Albini já estar familiarizado com o estúdio, tendo gravado recentemente o álbum de PJ Harvey lá.


Assim como no Sound City, o Pachyderm Studio ostentava um console da marca Neve, que eles compraram no Electric Lady Studios de Jimi Hendrix e, para a maior empolgação de Steve Albini, foi usado para gravar o disco "Back in Black" do AC/DC.


A maior parte do álbum "In Utero" foi gravada ao vivo na sala principal do Pachyderm, um grande espaço ambiente com uma sonoridade orgânica. De acordo com a banda, Albini usou até 30 microfones para capturar o som do grupo, em um esforço para criar um disco que soaria como se você estivesse sentado na mesma sala onde a banda estava tocando.


As informações sobre quais microfones Steve Albini usou para gravar o kit da bateria de Dave Grohl no disco "In Utero" são escassas. No entanto, sabemos que ele usou um par de condensadores de tubo soviético Lomo 19A9 dos anos 60 para os microfones aéreos e também para os vocais de Kurt Cobain.


Albini tem uma imensa coleção de microfones e os seus gostos geralmente se voltam para os tipos raros e esotéricos. Ao contrário de alguns produtores, Albini não segue um método de gravação prescrito. Ele tem alguns "truques" padrões que sabe que funcionam, criando a gravação em torno da banda. No entanto, a sua abordagem para gravar bateria é sempre tratar o kit como se fosse um instrumento único e não feito de peças separadas, onde ele se baseia mais em microfones de ambiente e aéreos para estabelecer o som do kit da bateria.


Um truque interessante que Albini usou no disco "In Utero" foi gravar a bateria de Dave no salão de artistas da Pachyderm Studio, um pequeno espaço acústico morto. Você pode ouvir os resultados claramente na canção "Very Ape", que tem um som de bateria firme, focado e levemente lo-fi, que acentua o ritmo de condução da música e a estética do ruído-rock.


O álbum "In Utero" foi gravado e mixado rapidamente, em menos de duas semanas! E houve controvérsia em torno dele - com insatisfação vindo da gravadora e segundo alguns relatos, da própria banda também. Embora o acordo original fosse que Steve Albini também mixasse o álbum, Kurt, Krist e Dave optaram por trazer o produtor do R.E.M, Scott Litt, para ajustar e finalizar o disco.


As mixagens de Scott Litt não mudaram drasticamente o som da bateria de Dave. Ele se concentrou principalmente em tornar os vocais mais claros e adicionar mais definição ao baixo. E enquanto Steve Albini e Butch Vig adotaram abordagens muito diferentes para gravar as performances de Dave Grohl, o seu estilo característico e sua atuação contagiante e enérgica são inconfundíveis nos dois álbuns.


Como dissemos e concluindo esta simplória resenha, a melhor maneira de soar como Dave Grohl é somente por Dave Grohl, mas bateristas podem se inspirar no seu estilo, nas suas escolhas de equipamento e as técnicas de gravação usadas para criar um som particular no estúdio, a fim de forjar a sua própria identidade como baterista.


Parte do sucesso duradouro de Dave Grohl na indústria da música é, sem dúvida, a sua positividade infecciosa e ética de trabalho incomparável que possui - e talvez, esta seja a lição mais importante de todas...

  • Facebook Social Icon
Mais Recentes
Destaques

2016 by RockInTheHead