• by Brunelson

Chris Cornell: Top 10 das músicas mais subestimadas


Em todas as mídias sociais as pessoas estão nomeando o dia 18 de Maio como o dia em que a música morreu. Tanto quanto ainda dói em aceitar que Chris Cornell se foi, a música nunca morrerá. Ele agradou o mundo com a sua voz e as suas palavras...


As vendas da música de Chris Cornell aumentaram 550% desde a sua chocante morte. Tendo participado de 03 bandas (SOUNDGARDEN, TEMPLE OF THE DOG e AUDIOSLAVE) e lançado vários álbuns como artista solo em sua carreira, ele possui um catálogo de músicas muito grande. Há muitas listas de "Top Melhores Músicas de Chris Cornell" que circulam pela internet, então, resolvi mergulhar um pouco mais fundo e fazer um TOP 10 das suas canções mais subestimadas à luz.


Enquanto Cornell realizou bonitos covers - às vezes batendo a versão original - esta lista consiste em todas as suas obras autorais e das 03 bandas em que ele participou. A complexidade lírica e o desempenho vocal são os 02 principais requisitos para essa lista:



10. “Dandelion” (lançada no 2º disco do AUDIOSLAVE, “Out of Exile”, 2005)


"Dandelion" é uma música doce do AUDIOSLAVE. Cornell tinha afirmado, ao tocar esta canção durante as suas performances solo, que havia escrito a letra para a sua filha antes dela nascer. Esta música se destaca no catálogo do AUDIOSLAVE, pois se trata de uma canção emocional escrita a partir do amor de um pai por sua pequena filha.


9. “Non-State Actor” (lançada no 6º e último disco do SOUNDGARDEN, “King Animal”, 2012)


SOUNDGARDEN com as suas levadas despedaçadas, cortadas, em contra-tempos que mais parecem “fora-do-tempo”, solos decapitados e incompletos – sendo que esta canção ainda demonstra uma boa aparência. Com a sua letra ácida intercalando os nossos sentimentos com a loucura do mundo ao nosso redor, “Non-State Actor” é uma sonzeira empolgante sem dúvida nenhuma.


8. “Let Me Drown” (lançada no 4º disco do SOUNDGARDEN, “Superunknown”, 1994)


“Superunknown” é conhecido como o álbum inovador do SOUNDGARDEN, já que muitas de suas músicas mais famosas foram geradas neste disco. Clássicos como "Black Hole Sun" e "Fell on Black Days" – só para citar alguns – estão nesse álbum. Mas falemos da canção "Let Me Drown", que é a música de abertura do disco e possui um ritmo muito positivo para um título tão sombrio. Além da levada cativante, as letras são exclusivamente poéticas: "Então desista da ganância, você não precisa me alimentar / Sim, desista do destino, você não vai precisar de mim".



7. “Wide Awake” (lançada no 3º e último disco do AUDIOSLAVE, “Revelations”, 2006)


"Wide Awake" é uma música politicamente inspirada sobre a ignorância, principalmente dirigida ao governo Bush após o furacão Katrina. Nas letras, Cornell expressa a sua decepção com o governo, dizendo: "Eu acho você culpado pelo crime de dormir, num momento em que deveria estar bem acordado".



6. “Zero Chance” (lançada no 5º disco do SOUNDGARDEN, “Down on The Upside”, 1996)


“Down on The Upside” foi o álbum final do SOUNDGARDEN nos anos 90, antes de se dissolverem até 2010. "Zero Chance" é uma música sombria com uma sonoridade estranha, mas é linda ao mesmo tempo. Cornell sempre teve uma maneira de expressar as suas piores emoções de alguma forma que o som ficasse agradável, ao se conectar com os seus ouvintes e lembrá-los de que está tudo bem ficar para baixo às vezes. As letras: "nascido sem um amigo / e obrigado a morrer sozinho", assumem um novo significado agora.


5. “Black Rain” (ficou de fora do 3º disco do SOUNDGARDEN, “Badmotorfinger”, 1991)


"Black Rain" foi a 1ª música do SOUNDGARDEN a ser lançada desde 1996 – quando retornaram em 2010. Foi lançada na coletânea “Telephantasm” e por um bom motivo, já que os riffs da guitarra são excentricamente fascinantes. Além disso, se apresentando num programa de TV em 2010, Cornell grita durante toda a canção, provando que o antigo SOUNDGARDEN estava de volta em ação e seus acordes vocais não foram vítimas da idade – assim como a maioria dos vocalistas com estilo similar de canto, que tendem a não aguentar. Embora a mensagem desta música não seja inteiramente clara, porque a escolha dos significados das palavras são únicas, você não pode deixar de ficar intrigado com letras, como: "Você não pode gaguejar quando está falando com os seus olhos".


4. “Exploder” (lançada no 1º disco do AUDIOSLAVE, “Audioslave”, 2002)


O ritmo de batalha da assinatura do AUDIOSLAVE, junto com o grito de Cornell, faz de "Exploder" uma potência absoluta de uma música. A estrutura das letras também é única, onde os versos estão em forma narrativa, enquanto os refrões parecem ser um reflexo baseado nessas histórias. As letras no refrão são o que eu acho mais atraente, porque fala sobre ser disciplinado e de mentalidade correta, como se fosse uma coisa ruim: "Se você estiver livre, você nunca verá as paredes / Se a sua cabeça se limpar, você nunca vai cair livremente / Se você estiver certo, você nunca vai ter medo do erro / Se a sua cabeça estiver chapada, você nunca mais temerá". E é verdade, a experiência é o que nos torna sábios.


3. “Hunted Down” (lançada no 1º EP do SOUNDGARDEN, “Screaming Life”, 1987)


Mais uma música das antigas apresentada quando a banda retornou em 2010, para provar o poder vocal intacto de Chris Cornell. “Hunted Down” é o SOUNDGARDEN em sua essência, com um riff matador e letras enigmáticas e metafóricas, como: “Eles te viram ontem enquanto você saía / Agora eles correm para te caçar / Cães lideram a caçada enquanto você está sangrando”.


2. “Call Me a Dog” (lançada no único disco do TEMPLE OF THE DOG, “Temple of The Dog”, 1991)


Enquanto Cornell se concentrava principalmente em riffs grunge mais pesados com o SOUNDGARDEN na década de 90, o seu projeto paralelo, TEMPLE OF THE DOG, deu-lhe a chance de mostrar o seu lado mais sensível. Inspirado no falecimento do antigo colega de apartamento de Cornell, Andy Wood (vocalista do MOTHER LOVE BONE), o TEMPLE OF THE DOG lançou um único álbum de estúdio e compôs várias belas músicas sobre Wood. "Call Me a Dog" destaca-se como uma canção sofrida para os corações que discutem uma relação hipócrita e dolorosa, ecoando os vocais em uma lenta batida. À medida que progride, tem um acúmulo mais dramático onde ouvimos os seus gritos de assinatura que ficaram marcados na história do rock’n roll.


1. “Beyond The Wheel” (lançada no 1º disco do SOUNDGARDEN, “Ultramega OK”, 1988)


"Beyond The Wheel" é uma das melhores músicas que a banda já tocou ao vivo. A introdução trovejante da guitarra, a batida rastejante e os vocais de Chris Cornell - que vão de um grunhido a um grito e de um grito que chora - simplesmente são impactantes. Embora suponha que a maioria dos fãs do SOUNDGARDEN conheçam essa música, o resto do mundo também precisa conhecer. A 1ª vez que ouvi esta canção, lá em 1991, realmente me espantou positivamente ao escutar o seu vocal, me fazendo crer que Chris era o que tinha a melhor técnica vocal das bandas de Seattle – e uns dos melhores da história do rock. Novamente, apresento esta canção ao vivo em 2012, para mostrar a qualidade indelével do seu vocal.



  • Facebook Social Icon
Mais Recentes
Destaques

2016 by RockInTheHead