• by Brunelson

Nirvana: Top 10 melhores letras de Kurt Cobain


O fascínio de atos como o NIRVANA é multifacetado: a música, a intensidade, o ethos... E uma das razões que fez muitos fãs se apaixonaram pela banda - e ainda hoje - foram as letras viscerais de Kurt Cobain.

O processo de composição de Cobain faria com que ele sempre definisse a melodia de uma música antes de qualquer coisa e uma vez que o instrumental estivesse pronto, como vocalista ele se concentraria inteiramente nas suas letras.

É aqui que o NIRVANA se coloca em uma nova categoria de rock.

A banda atuou como um eixo central entre vários gêneros do rock and roll, que fez bandas conseguirem sair do bueiro para os palcos, ou dos palcos para o mundo. Do punk rock ao heavy metal, NIRVANA mostrou tudo em sua música, mas é nas letras de Cobain que as pessoas também acabaram fisgadas...

Com essa breve introdução, confira em ordem cronológica o Top 10 melhores letras de Kurt Cobain no NIRVANA:


Música: "About A Girl"

Álbum: "Bleach" (1º disco, 1989)

Uma música sobre relacionamentos disfuncionais era um assunto familiar para Kurt Cobain, mas aqui, ele ainda a detalhava numa fase pré-fama.

A canção "About a Girl" viveu uma vida turbulenta, mas alcançou aclamação da crítica quando foi a música de abertura da apresentação do NIRVANA no acústico da MTV em 1993, onde muitas pessoas ao redor do mundo só vieram a conhecê-la neste show.

“Até mesmo lançar a canção 'About a Girl' no álbum 'Bleach' foi um risco”, disse Cobain mais tarde para a revista Rolling Stone. “Eu gostava muito de melodia, realmente gostava do R.E.M. e gostava de todos os tipos de coisas antigas dos anos 60, mas havia muita pressão naquela cena social, o underground, como o tipo de coisa que você passa no colégio. E naquela cena era arriscado colocar um som tipo do R.E.M. em um disco grunge”.

Foi uma aposta que funcionou de forma sensacional.


Música: "Smells Like Teen Spirit"

Álbum: "Nevermind" (2º disco, 1991)

Uma geração de crianças e adolescentes sentou-se em casa, entediada, irritada e incapaz de mudar a sua situação.


Quando surgiram com este clássico videoclipe na MTV, Kurt Cobain e uma banda chamada NIRVANA não forneceram a eles nenhuma resposta particular ou escapismo da sociedade em que se encontravam, mas eles ofereceram uma conexão, uma compreensão da situação e mais notavelmente, um amigo com a mesma opinião.


É a razão pela qual as letras de Cobain ressoam tão alto ainda hoje.


Música: "In Bloom"

Álbum: "Nevermind" (2º disco, 1991)

A música foi composta por Kurt Cobain junto com o baixista Krist Novoselic, com a banda percebendo a tendência crescente da música underground.

Também se tornando um sucesso instantâneo, a canção "In Bloom" ganhou um videoclipe cômico (alô FOO FIGHTERS) que reforçou ainda mais a mensagem que estavam tentando transmitir.

Aparentemente, a ideia por trás dos visuais caretas no clipe surgiu, porque Cobain estava “muito cansado pelo último ano com as pessoas nos levando tão a sério, que queria mostrar a elas que tínhamos um lado humorístico”.


Música: "Lithium"

Álbum: "Nevermind" (2º disco, 1991)

Kurt Cobain era um letrista que se sentia mais confortável ao detalhar a sua própria expressão.

Dito isso, um dos hinos da banda, a canção "Lithium", o cantor se torna autor e pinta uma imagem vívida de um homem se voltando para a religião após uma perda. Naturalmente, Cobain tira tanto quanto possível de suas próprias experiências para colorir essa música com um senso mais profundo de conexão.

Refletindo sobre a canção, Cobain disse uma vez que era “uma daquelas músicas que eu realmente terminei de escrever as letras até o fim, ao invés de pegar pedaços de minhas poesias e juntar com outras coisas”.


Música: "Drain You"

Álbum: "Nevermind" (2º disco, 1991)

Em grande parte considerada uma das melhores músicas do NIRVANA e que possui a sua própria presença marcante no álbum "Nevermind", a canção "Drain You" reflete sobre a natureza consumidora do amor e os relacionamentos que ele carrega.

Curiosamente, essa música foi forjada durante uma época em que Dave Grohl e Kurt Cobain entraram em uma jam session com o baterista do MELVINS, Dale Crover, quando estavam em turnê pela costa Oeste americana e deram uma parada em San Francisco, na casa de Crover - onde ele disse em recente entrevista em comemoração aos 30 anos do disco "Nevermind", que tinha criado a linha de bateria dessa música e que Dave Grohl deu continuidade.


Música: "Something in The Way"

Álbum: "Nevermind" (2º disco, 1991)

"Você não pode sentir algo mais forte do que essa música. Kurt está escrevendo e compondo muito sobre si mesmo", disse uma vez o produtor do álbum "Nevermind", Butch Vig, sobre a canção "Something in The Way".


Vig disse que foi a música "de longe" mais difícil de gravar deste clássico álbum.


Em entrevista para a revista britânica New Music Express, Vig ainda falou que Kurt Cobain estava frustrado porque a banda não estava conseguindo gravar esta canção no estúdio, devido ao som barulhento da guitarra e a forte batida de Dave Grohl na bateria - em contraste com o clima que a música pedia.


“Então, frustrado, Kurt entrou na sala de controle e começou a tocar no sofá com um violão. Eu disse: ‘Espere, vamos apenas gravar aqui’. Então, eu chutei todo mundo pra fora da sala de controle, coloquei um microfone, desliguei o telefone e nós o gravamos no violão ali mesmo, e construímos a música a partir daquilo”, disse Butch Vig.


Música: "Serve The Servants"

Álbum: "In Utero" (4º trabalho de estúdio, 1993)

A essa altura da carreira, Kurt Cobain estava se tornando cada vez mais autoconsciente da situação que havia criado para si mesmo.

Sendo a canção que abre o último álbum lançado pela banda, o vocalista aborda uma série de problemas pessoais nas letras e como muitos fãs do NIRVANA especularam no decorrer do tempo, a música "Serve The Servants" realmente se refere ao seu pai - talvez também, a sua esposa Courtney Love, suas lutas com a fama e sua vida familiar.

Com o disco "Nevermind" confirmando a banda como rockstars, o slogan se tornou insuportável para Cobain e aqui ele está refletindo sobre a sua situação.


Música: "Heart Shaped Box"

Álbum: "In Utero" (4º trabalho de estúdio, 1993)

Algumas das letras mais intensamente viscerais de Kurt Cobain encontram o seu lar na canção "Heart Shaped Box".

Uma música escrita por Cobain enquanto ele estava dentro do seu guarda-roupa, possui um refrão que realmente chocava na época do seu lançamento (pelos gritos e pela frase), e ainda hoje a sua audição goteja imagens vívidas na memória.


Música: "Dumb"

Álbum: "In Utero" (4º trabalho de estúdio, 1993)

Nessas letras muito reveladoras, Kurt Cobain contempla a ideia de felicidade com a "bobice" que ele acredita estarem de mãos dadas.

Em uma entrevista para a revista britânica Melody Maker, Cobain explicou que esta canção era apenas sobre "pessoas que se divertem facilmente... Pessoas que não apenas não são capazes de desenvolver a sua inteligência, mas ficam totalmente felizes assistindo 10 horas de televisão e realmente gostam disso”.


Ele adicionou: “Eu conheci muitas pessoas bobas. Elas possuem um péssimo trabalho, podem ser totalmente solitárias, não têm namoradas, não têm muita vida social e ainda assim, por algum motivo, são felizes”.

Com essa ética incorporada - assim como todo o disco "In Utero" parece um testamento de Cobain - a música "Dumb" também é um prenúncio doloroso para o fim prematuro do frontman do NIRVANA.


Música: "All Apologies"

Álbum: "In Utero" (4º trabalho de estúdio, 1993)

Outro momento no último álbum da banda mostra Kurt Cobain aparentemente se desculpando por sua incapacidade de viver uma vida normal - uma canção que ele escreveu para Courtney Love e a sua filha recém-nascida na época.

Um reflexo doloroso de uma alma em busca de ajuda...


  • Facebook Social Icon
Mais Recentes
Destaques