• by Brunelson

Tati Klingel: precursora no canto e ensino de vocais agressivos


A Arte de Berrar: vocal gutural expressa sentimentos e sonhos.


A cantora Tati Klingel é a precursora no vocal gutural feminino em Curitiba e desenvolveu uma técnica específica para desempenhar este papel. Uma referência em vocal agressivo em âmbito nacional, há anos passou a lecionar aulas de canto, o que possibilitou que muitos outros pudessem se desenvolver e alcançar seus objetivos dentro do universo musical.


* Workshop e masterclass voltados às mulheres aconteceu em março de 2021

Sua carreira como vocalista de bandas de metal e instrutora de técnica vocal será eternizada no documentário “Curitiba In Peso – A História do Metal Coré-Etuba”, material que conta a história da música pesada na capital paranaense. A artista gravou este mês sua participação, falando de maneira sincera sobre o cenário musical da cidade e suas conquistas neste meio.

Tati dá aulas de vocal há sete anos, com o projeto A Arte de Berrar, o que vem alicerçando cada vez mais a sua carreira. Além do acompanhamento dos aprendizes na parte musical, ela presta assessoria para o crescimento dos alunos como artistas em cima do palco.


Uma das alunas de Tati Klingel é Fernanda Souza, que não tem banda mas tem como sonho integrar um grupo de Black/Doom Metal. Uma das recentes realizações de Fernanda foi aparecer em um vídeo "fan-contest" da banda CRYPTA, interpretando a faixa “From The Ashes”.

Confira:


A jovem Fernanda conta como entrou no universo da música pesada: “Desde os 15 anos acompanhava bandas com mulheres com vocal extremo: ARCH ENEMY, CADAVERIA, KITTIE e OTEP. Nunca achei que para o estilo existiria algum tipo de técnica como para o canto tradicional”. Em uma conversa com um amigo, acabou desmotivada pela falta de uma orientação técnica para esta modalidade vocal: “Lembro como se fosse hoje, há mais de 10 anos, de comentar com um amigo que tinha banda e cantava gutural: ‘Um dia quero cantar assim’. A resposta foi: ‘Cante limpo, não faça isso com a sua voz, porque machuca’”.

O fato postergou seu aprendizado, sonho retomado recentemente: “Durante a pandemia comecei a pensar em realizar alguns sonhos antigos. Procurei professores de gutural e canto extremo de forma geral e me surpreendi com a quantidade de pessoas qualificadas para falar do tema, sobretudo quando pensamos no público feminino, já que esse tipo de canto sempre foi visto como ‘para homens’”. E quando Fernanda encontrou Tati Klingel, a sintonia foi imediata: “Eu tinha uma meta: fazer aula com alguém que eu ouvisse e falasse ‘Mano, olha essa voz, pago um pau!’. Isso aconteceu com a Tati! Comecei a ver ela cantando, dando aula, a energia, o método e sobretudo a paciência, e me joguei”, explicou.

A relação criada entre as duas não foi apenas de instrutora/aluna: “Comecei as aulas extremamente empolgada, mas tive uma crise de refluxo, seguida por uma gastrite. Fiquei parada uns dois meses, dei uma desanimada, mas a Tati com toda paciência do mundo deu todas as dicas, não desistindo dos alunos. Posso dizer que o canto tem sido terapêutico na minha vida, em momentos tão difíceis para nós atualmente”, relatou.

Toda a dedicação de ambas as partes foi coroada com a aparição no vídeo da CRYPTA: “Não esperava esse boom de aparecer no clipe de fãs do CRYPTA. Isso foi insano. Mandei despretensiosamente, achei que não rolava! Quando vi a minha carinha ali, do lado de gente foda em suas performances, eu cai de cara. Mandei na hora pra Tati e o mais legal é que ela vibra com a conquista dos alunos, como se tivéssemos passado em uma grande universidade”.


Apesar do reconhecimento, Fernanda não pensa em parar por aí: “Depois de ter meus segundos de fama no clipe, estou com um novo gás para continuar estudando mais ainda vocais extremos. Sobre ter banda? Música não é minha profissão, mas com certeza o gutural é minha paixão. Então, eu super participaria de uma banda”, finalizou.


Conheça mais a história de Fernanda Souza em seu Instagram. A carreira de Tati Klingel como vocalista de metal extremo começou há cerca de 15 anos, quando integrou o DIAGORA, grupo de tributo ao ARCH ENEMY. Posteriormente, a cantora, que cursa música na UFPR, teve marcante presença na lenda do thrash metal MERCY KILLING, com a qual gravou o álbum "Euthanasia", de 2015.

Atualmente integra a HOKMOTH, que lançou em 2019 o EP "Neophytvs". Outra banda que Tati faz parte é a DIVINE PAIN, de Danilo Coimbra (MALEFACTOR), com quem gravou o single – e compôs a letra - “Scarlet”.

Em março último, ministrou uma série de workshops e masterclasses voltados ao ensino da técnica vocal às mulheres, atendendo tanto iniciantes quanto quem já tem alguma experiência com o canto.


Para mais informações, clique aqui.

Fotos: Melissa Giowanella Clovis Roman Jornalista/Escritor/Fotógrafo www.acessomusic.com.br (41) 99597-9099

  • Facebook Social Icon
Mais Recentes
Destaques